F1: Nico Rosberg vence em Mônaco

Nico Rosberg (Mercedes) venceu neste domingo (26/05), o GP de Mônaco, em Monte Carlo, sexta etapa da temporada. Rosberg venceu pela segunda vez na categoria, trinta anos depois que seu pai, Keke Rosberg, venceu nas ruas do Principado.

Em uma corrida marcada por vários acidentes, que provocaram a entrada do Safety-Car três vezes, e a paralisação em bandeira vermelha, Rosberg alinhou na pole e venceu de ponta a ponta.

A dupla da Red Bull, o alemão Sebastian Vettel e o australiano Mark Webber completaram o pódio. O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) terminou em quarto, após perder duas posições no pit stop, durante o primeiro Safety-Car (provocado pela forte batida do brasileiro Felipe Massa, da Ferrari, no muro).

O alemão Adrian Sutil (Force India) foi o quinto, seguido pelo britânico Jenson Button (McLaren), o espanhol Fernando Alonso (Ferrari), o francês Jean Eric-Vergne (Toro Rosso), o escocês Paul di Resta (Force India) e o finlandês Kimi Raikkonen (Lotus).

Raikkonen foi tocado pelo mexicano Sergio Pérez (McLaren) nas voltas finais. Com o pneu furado, o finlandês teve que ir para os boxes, voltando na 16ª posição. Nas curvas finais, Raikkonen superou o alemão Nico Hulkenberg (Sauber), garantindo a sua 23 ª corrida consecutiva marcando pontos. Ele está a uma de igualar o recorde do alemão Michael Schumacher.

Na largada o pole-position Rosberg manteve a ponta, seguido por Hamilton, Vettel, Vettel, Raikkonen e Alonso. Saindo da penúltima posição (o britânico Max Chilton, da Marussia, foi punido, e caiu para último), Massa logo ganhou posições, indo para 18ª.   

Em uma pista estreita e praticamente sem pontos de ultrapassagem, a dupla da Mercedes passou a ditar o ritmo, com os ambos economizando pneus (o carro da equipe alemã é um dos que mais sofrem com o desgaste dos pneus Pirelli).

Rosberg e Hamilton seguravam tanto o ritmo, que holandês Giedo van der Garde (Caterham) e o venezuelano Pastor Maldonado (Williams), que se envolveram um toque na largada, e tiveram que ir para os boxes para reparos eram; com pneus novos, cerca de dois segundos mais rápidos do que os líderes.

Na 26ª volta, Webber foi o primeiro a entrar nos boxes, para a torça de pneus. Quatro voltas depois, Massa perdeu o controle da Ferrari no mesmo ponto onde bateu no treino livre de sábado, na freada da Sainte Devote. Ele bateu com força no guard-rail, e foi atendido na pista pela equipe médica. Levado ao Centro Médico do circuito, Massa foi liberado sem nenhuma lesão.

O Safery-Car foi acionado. A dupla da Mercedes aproveitou para fazer a parada nos boxes. Contudo a estratégia não deu certo para Hamilton, que na volta à pista, caiu para quarto, atrás de Vettel e Webber. Na 39ª volta, a prova recomeçou, com Hamilton tentando ultrapassar Webber, que se defendeu do ataque. Raikkonen era o quinto, seguido por Alonso, Pérez, que deu um toque em seu parceiro de equipe, Button, para assumira sétima posição na 43ª volta. O mexicano passou então a pressionar Alonso (que chegou a cortar a chicane para se defender).

Na 46ª volta, o britânico Max Chilton (Marussia), espremeu Maldonado na Curva Tabacaria, com a Williams indo direto na barreira de proteção, que ficou destruída no meio da pista.

A bandeira vermelha foi agitada. Os carros foram para o grid, ficando parado por cerca de 30 minutos. A maioria das equipes aproveitou para trocar os pneus macios pelos supermacios.

Após a relargada, Alonso deixou Pérez passar, por ter cortado a chicane antes da paralisação. Na 50ª volta, Chilton levou um drive-through pelo acidente com Maldonado.

Rosberg manteve o controle, com quase dois segundos de vantagem sobre Vettel. Atrás um verdadeiro trenzinho vinha colado, com van der Garde, na 17ª posição, apenas 11 segundos atrás do líder.

Mesmo com o uso do DRS (A Asa Traseira Móvel), permitido, as ultrapassagens eram raras. Peréz tentava de todas as formas passar Raikkonen, com Alonso sendo pressionado por Sutil. Na 58ª volta, o alemão da Force India conseguiu passar o espanhol na curva Loews.

Cinco voltas depois, o francês Romain Grosjean (Lotus) literalmente atropelou a Toro Rosso do australiano Daniel Ricciardo. O terceiro Safety-Car foi acionado, devido à quantidade de pedaços de carro espalhados. Grosjean foi para os boxes, retornando aos pits pouco depois, abandonando. O francês foi punido com a perda de dez posições no grid de largada para o GP do Canadá.

Na 67ª volta a prova recomeçou. Rosberg liderava, seguido por Vettel, Webber, Hamilton, Raikkonen, Pérez, Sutil e Alonso.

Pérez continuou pressionado Raikkonen, até que na 70ª, os dois carros se tocaram. O finlandês teve um pneu furado, caindo para a última posição. Com o carro avariado, Pérez abandonou na 74ª volta.

Rosberg recebeu a bandeirada com 3s8 de vantagem sobre Vettel. Webber fechou o pódio.

Mesmo com a polêmica sobre o “teste secreto” da Mercedes em Barcelona (que teria sido realizado a pedido da Pirelli, o que gerou protestos da Red Bull, Ferrari e Lotus), a Mercedes foi soberana em Mônaco.

“Vivi minha vida inteira aqui, fui à escola aqui. Minha lembrança da corrida quando era criança era de Ayrton Senna com o capacete amarelo na McLaren vermelha e branca. É incrível, muito especial vencer em casa. O fim de semana foi perfeito”, comemorou Rosberg.

“A gente vinha caindo muito, então isso estava um pouco na minha cabeça. Eu esperei que desse para segurar porque não é legal despencar para trás. O time me deu um grande carro e isso foi o suficiente para dar certo. Melhoramos bastante desde Barcelona, estou extasiado”, finalizou o vencedor.

Vettel lidera o campeonato com 107 pontos. Raikkonen em segundo soma 86, seguido por Alonso com 78. Massa é o sétimo com 45.

A próxima etapa, em Montreal, no Canadá, acontece no dia 09 de junho.

Final:

1 Nico Rosberg     Mercedes 2:17:52.5
2 Sebastian Vettel Red Bull +3.8
3 Mark Webber Red Bull +6.3 s
4 Lewis Hamilton Mercedes +13.8
5 Adrian Sutil Force India +21.4
6 Jenson Button McLaren +23.1
7 Fernando Alonso Ferrari +26.7
8 Jean–Eric Vergne Toro Rosso +27.2
9 Paul Di Resta Force India +27.6
10 Kimi Räikkönen Lotus +36.5
11 Nico Hülkenberg Sauber +42.5
12 Valtteri Bottas Williams +42.6
13 Esteban Gutiérrez Sauber +43.2
14 Max Chilton Marussia +49.8
15 Giedo van der Garde Caterham +1:2.5

Abandonos:

Sergio Pérez McLaren +6 voltas
Daniel Ricciardo Toro Rosso +13
Romain Grosjean Lotus +13
Jules Bianchi Marussia +18
Pastor Maldonado Williams +33
Felipe Massa Ferrari +49
Charles Pic Caterham +70

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *