F1: Para Nasr, chegada de diretor técnico vai recolocar Sauber no caminho certo

Após queda no campeonato, equipe suíça contrata Mark Smith, ex-RBR e Caterham, com a missão de organizar a parte técnica e retomar o desenvolvimento do carro

O começo de temporada da Sauber foi animador. Com seus pilotos Felipe Nasr e Marcus Ericsson pontuando em duas das três primeiras etapas do ano, a equipe, apesar do porte médio, chegou a figurar no top 5 do Mundial de Construtores, em meio aos times grandes. Mas em razão do orçamento limitado, o time suíço está tendo dificuldades em evoluir o carro. Como resultado, o C34 tem ficado para trás com relações aos carros das demais equipes, que seguem evoluindo. Os pontos são cada vez mais raros e a escuderia já caiu para a sétima posição no campeonato. A crise começa a bater a porta novamente. Tanto que no último fim de semana, por problemas no carro, Nasr sequer participou do GP da Inglaterra, enquanto Ericsson ficou atrás da McLaren de Fernando Alonso, falhando em marcar pontos em uma corrida onde apenas 13 pilotos receberam a bandeira quadriculada.

Mas para Nasr, mesmo sem loucuras financeiras, uma novidade pode recolocar a Sauber no caminho certo. O brasileiro acredita que a chegada de Mark Smith para ocupar o cargo de diretor técnico, cargo vago até então, tem tudo para alavancar o desenvolvimento do carro:  

– Sinto que trazer um novo diretor técnico para fazer uma revisão geral do nosso carro e guiar nosso time nas áreas que temos que trabalhar a curto, médio e longo prazo é o começo da solução. Foi uma decisão inteligente, mas é preciso dar tempo para que as coisas funcionem – avaliou em entrevista ao site inglês “Autosport”.  

Ex-diretor técnico de RBR, Force India, Caterham e Jordan, Mark Smith foi anunciado pela Sauber no início de julho. Ele começará a trabalhar com a equipe a partir do dia 13 deste mês. Smith já visitou a fábrica da Sauber na Suíça e ficou animado com o que viu.  

– Quando eu vi as instalações pela primeira vez em Hinwill, eu imediatamente percebi as possibilidades que teremos. O túnel de vento, o supercomputador, a sala de máquinas… Tudo tem um alto nível técnico. E não podemos esquecer da competência do time. Esses fatores pesaram para eu mudar para Hinwill. O potencial da Sauber é enorme, o que não é auto evidente em uma F-1 em constante transformação. A fábrica tem todos os requisitos para ser competitiva – garantiu o profissional.   

O sueco Marcus Ericsson, que trabalhou com Smith na Caterham, também aprovou a chegada do diretor técnico:  

– Meu contato com o Mark foi positivo. A experiência que ele acumulou durante muito tempo será de muito valor para um time como o nosso. A equipe procurou um cara que pudesse ajudar a guiá-la na direção certa. Do ponto de vista do piloto, é positivo ver que todos estão trabalhando duro para seguir o melhor caminho – declarou Ericsson.  

Chefe da equipe, Monisha Kaltenborn disse que a Sauber manterá a estrutura atual, de um comitê técnico, e Smith, como diretor, terá responsabilidade sobre determinadas áreas para melhorar a eficiência do carro.     

– Após conversas como o comitê técnico, decidimos procurar por um diretor técnico e encontramos Mark. Ele tem muita experiência. Quando as regras mudam, para evoluir o carro demanda-se um trabalho muito grande, principalmente no nosso caso, uma equipe privada, que contamos com poucas pessoas. Manteremos a estrutura e ele ficará a cargo de tarefas que são mais abrangentes . Isso aliviará os membros do comitê para que eles possam focar no que são mais especializados – disse a dirigente.

Após nove das 19 etapas disputadas em 2015, a Sauber ocupa a sétima posição no Mundial de Construtores com 21 pontos e já é ameaçada pela STR, que possui 19. No Mundial de Pilotos, Felipe Nasr é o 11º com 16 pontos, enquanto Marcus Ericsson é somente o 16º com 5. A próxima etapa da F-1 é no dia 26 de julho, na Hungria.

Fonte: Globoesporte.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *