F1: Piquet teria admitido batida proposital para ser inocentado pela FIA

Demitido da Renault após o GP da Hungria, o piloto brasileiro Nelsinho Piquet teria admitido que sua batida na etapa de Cingapura do ano passado foi proposital para beneficiar seu companheiro de Renault, Fernando Alonso. A informação é da Autosport.

De acordo com a publicação, a premeditação ocorreu no próprio domingo, em um dos escritórios que o time mantém na Marina Bay. O piloto alegou que aceitou a proposta porque estava se sentindo desconfortável na equipe, garantindo assim sua permanência pelo menos até o final do ano.

À época, Piquet via seu nome envolto em uma série de especulações a respeito de sua demissão, já que só havia pontuado em três provas até então: França (7º), Alemanha (2º) e Hungria (6º).

Nelsinho então teria sido instruído a bater na curva 17, pois lá não haveria guindastes próximos que pudessem retirar seu carro da pista sem a entrada do carro de segurança. Foi justamente lá que o piloto se acidentou.

A revista italiana Autosprint, por sua vez, aponta outro motivo para a escolha do local: lá, os carros da Renault estariam perdendo um pouco de aderência nos pneus traseiros, de forma que os pilotos precisavam tirar o pé do acelerador. Na volta da partida, o brasileiro não teria feito isso.

A Autosport, entretanto, deixa claro que esta versão foi negada tanto pelo chefe da Renault, Flavio Briatore, quanto por Pat Symonds, diretor de engenharia. A equipe será oficialmente ouvida pela FIA em 21 de setembro.

Briatore alega que está sendo vítima de uma extorsão por parte dos Piquet. Já Symonds disse que na reunião daquele domingo esta questão foi abordada, mas teria partido do próprio Nelsinho.

A denúncia do ocorrido, feita diretamente a Max Mosley, teria partido do pai de Nelsinho, Nelson Piquet, ainda no domingo no qual o piloto foi demitido. Quatro dias depois, o tricampeão mundial teria dado um depoimento à FIA em Paris sobre o ocorrido. Em troca, Nelsinho não sofreria nenhum tipo de punição.

Fonte: Gazeta Esportiva.Net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *