F1: Primeira mulher a competir na F-1, Maria Teresa de Filippis falece aos 89 anos

A italiana Maria Teresa de Filippis, primeira mulher a disputar um GP de F-1 faleceu neste sábado (09/01), aos 89 anos.

Click em slide para mais fotos

Nascida no dia 11 de novembro de 1926, ela começou a competir aos 22 anos. Em 1954 foi vice-campeã do Italiano de Carros Esporte. Sendo contratada pela equipe oficial da Maserati.

Competiu em provas de endurance, subida de montanha e chegou a F-1 em 1958.

Com um Maserati 250F, inscrito por ela mesmo, a italiana disputou três GPs oficiais naquele ano.

Ela estreou na F-1 no GP de Mônaco, com um Maserati 250F. Mas com 30 carros inscritos, para apenas 16 vagas, de Filipps ficou de fora. Ela marcou o 23º tempo, sendo mais veloz do que cinco pilotos (dois não marcaram tempo).

No GP da Bélgica, de Filipps fez a sua estreia oficial em um GP. Alinhou na última posição, e recebeu a bandeirada em décimo lugar.

No GP da França foi impedida de competir pelo, Diretor da Prova, o francês Toto Toche.

“O diretor de prova disse que o único capacete que uma mulher deveria usar é aquele no cabeleireiro”, declarou a italiana em uma entrevista em 2006.

Foi a única vez que foi impedida de competir.

“Para além de que eu não acho que eu encontrei qualquer preconceito -. Única surpresa pelo meu sucesso” declarou de Filipps na entrevista.

No GP de Portugal, a italiana novamente alinhou na última posição. Abandonou com problemas no motor na sexta volta.

O GP da Itália foi o último disputado por de Filipps. Saiu na última posição, e abandonou na 57ª volta, com a biela quebrada.

A última aparição aconteceu no GP de Mônaco de 1959. Com um Behra-Porsche, de Filipps marcou o 21º tempo, e ficou fora do grid. 

De Filipps também disputou dois GPs extracampeonato em 1958. No de Siracusa levou o Maserati 250F a quinta posição. 

Depois de deixar as competições, abalada pela morte de muitos companheiros e pista, incluindo o francês Jean Behra (seu chefe de equipe), a italiana passou a se dedicar a família (casou-se em 1960). 

Reaparecendo em 1979, quando entrou para o “Club Internationale des Anciens Pilotes de Grand Prix F1”. 

Em 1997 se tornou Vice-Presidente e Presidente honorária no século 21. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *