F1: Rafa Matos é o primeiro brasileiro a acelerar em Austin

Piloto alerta colegas da Fórmula 1: novo circuito promete desafiar pilotos e equipes

Pilotos e equipes do Mundial de Fórmula 1 vão encontrar um traçado totalmente diferente dos que estão acostumados e devem ter muito trabalho na primeira visita da categoria ao Circuit of the Americas (COTA), palco do GP dos EUA, em 18 de novembro. Quem garante é o primeiro brasileiro a acelerar nos 5.516m da pista, em Austin, no Texas. Rafa Matos participou da inauguração oficial do complexo no comando da Ferrari 458 GT2 da equipe oficial Risi e se impressionou com o que encontrou em termos de estrutura mas, principalmente, de exigência. A proposta dos investidores responsáveis pela construção do autódromo, de criar um complexo único inspirado em trechos desafiadores de alguns dos mais tradicionais do mundo, segundo ele, foi concretizada com sucesso total.

“Austin é um dos circuitos mais completos e divertidos em que já andei. Há curvas de alta, baixa, freadas extremamente fortes que irão proporcionar excelentes pontos de ultrapassagem. Os engenheiros certamente vão quebrar a cabeça para encontrar o acerto ideal. Há uma sequência de esses de altíssima velocidade e a marca registrada do traçado é a aproximação da curva 1. A freada foi posta no alto de uma montanha e a sensação é de que se está seguindo em direção a um muro, tamanha a compressão. Os desníveis são constantes, há várias curvas cegas e isso certamente exigirá mais dos pilotos em termos de memorização”.

Rafa vai além e detalha o resultado do trabalho idealizado pela equipe do arquiteto e especialista alemão Herman Tilke. “Certamente será usada uma configuração aerodinâmica bastante pesada devido aos esses de alta e às freadas fortes. O traçado mistura Silverstone, Watkins Glen, Dubai, Zeltweg e alguns outros. É extremamente técnico e, por ser rápido e largo, a sensibilidade do piloto fará muita diferença”. Ele fez questão de elogiar ainda a estrutura do COTA, como é conhecido, e parabenizou Tavo Hellmund, responsável pela construção do complexo. “O asfalto é extremamente perfeito, as zebras construídas conforme os padrões máximos de segurança e o conjunto de boxes, arquibancadas e paddock ficou sensacional”, aprova o mineiro, que volta a competir no Brasil no próximo dia 11. Ele defenderá a Bassani RC3 na penúltima etapa do Brasileiro de Stock Car, com o Peugeot de número 2, patrocinado por Red Nose, Symantec e Ativas, com apoio da R3MZ – também competirá na Corrida do Milhão, que encerra o campeonato, em Interlagos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *