F1: Renault e Ferrari mantém posição contra FIA: ‘não estamos blefando’

A polêmica com a adoção de teto orçamentário para a próxima temporada da Fórmula 1 está longe de terminar. Enquanto os pilotos se esforçavam para acertar o carro para o Grande Prêmio da Turquia, Flavio Briattore, chefe da Renault, e Stefano Domenicalli, chefe da Ferrari, se reuniram para reforçar a posição contrária à medida e garantir: se necessário, haverá uma cisão na F-1.

“Sinceramente, ainda não entendo por que existe toda essa polêmica. Sempre confirmamos que cortaríamos os custos da F-1 para que ela seja mais eficiente. O que não queremos é um limite orçamentário, porque existem repercussões comerciais”, disse Briattore, que vê mais motivos para preocupação: “Além disso, temos responsabilidade sobre 400 ou 500 pessoas, então não podemos nos permitir ao luxo de deixar este assunto de lado”.

Enquanto os dirigentes da categoria viabilizam a entrada de mais equipes na próxima temporada, Briattore prefere trabalhar para defender a permanência daquelas que agora disputam o título mundial. No entanto, não titubeou ao analisar a hipótese de haver uma cisão na categoria, causando a retirada de parte das equipes – entre elas a Renault e a Ferrari.

“Quem sabe não veremos esta F-1 pela televisão no ano que vem, tal como ela é agora?”, indagou, em tom de ameaça. “Não estamos blefando. Não queremos guerra, queremos apenas estabilidade a fim de permanecermos na categoria a longo prazo”, complementou o dirigente.

Stefano Domenicalli reforçou a fala de Briattore e mostrou estar confiante pelo fato de as escuderias concordarem com a postura adotada por Renault e Ferrari: “”Agora, mais do que nunca, o fato de que as equipes que participam do campeonato estão unidas, demonstra que o que pedimos é lógico. Solicitamos estabilidade e uma maneira precisa de administrar, como sempre foi a F-1”.

Fonte: Gazeta Esportiva.Net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *