F1: Robert Manzon falece aos 97 anos

Robert Manzon faleceu na segunda-feira (19/01), em seu país natal, aos 97 anos. O francês era o último remanescente do primeiro Campeonato Mundial de F-1, disputado em 1950.

Manzon começou como mecânico, e após a Segunda Guerra Mundial, começou a competir com um Cisitalia. Em 1948 foi contratado pela equipe Gordini.

Manzon estreou na F-1 no GP de Mônaco, o segundo da história, com um Simca-Gordini.

Ele foi um dos dez pilotos envolvidos, no famoso engavetamento da primeira volta da prova na curva da Tabacaria. Uma onda vinda do porto provocou a confusão, e nove abandonos.
No GP seguinte, o da França. Manzon marcou os seus primeiros pontos na categoria, com o quarto lugar.

Entre 1951 e 1953, ele defendeu a equipe Gordini. Terminou três GPs na zona de pontos, e subiu ao pódio no GP da Bélgica de 1952. Insatisfeito com a Gordini deixou a equipe no começo de 1953, passando a pilotar para a Lancia em provas de Carros Esporte.

Pilotou uma Ferrari da Ecurie Rosier em 1954, sendo terceiro colocado no GP da França. Naquele ano, fez uma única prova com a equipe Ferrari, o GP da Suíça.

Manzon retornou a Gordini em 1955, permanecendo na equipe até o ano seguinte. Não conquistou nenhum ponto no período.  Seu último GP foi o da Itália em 1956. 

Em provas extra campeonato, muito comuns na época, Manzon venceu o GP de Napoli de 1956.

Manzon disputou 28 GPs, com dois terceiros lugares, dois quartos, e um quinto. Foram 16 pontos conquistados. No Campeonato Mundial de Pilotos de 1952, terminou em sexto lugar com nove pontos.    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *