F1: Williams nega ‘trapaça’ para colocar Rubinho em primeiro nos testes

A Williams de Rubens Barrichello liderou com folga a última semana de testes coletivos em Jerez de La Frontera, deixando para trás favoritas como Ferrari, McLaren e Red Bull. Em meio à desconfiança, a equipe inglesa negou os boatos de que o carro estaria manipulado para fazer o brasileiro andar na frente, ganhar exposição na mídia e atrair patrocinadores, escassos até o momento.

Surgiram rumores de que a Williams de Rubinho estaria com pouquíssimo combustível, pneus super macios e ainda abaixo do peso, devido à suposta retirada do Kers. De fato, o equipamento vinha apresentando problemas até o dia anterior em que Barrichello anotou o melhor tempo.

“Tudo isso é uma bobagem absoluta”, disse o diretor técnico Sam Michael à revista Auto Motor und Sport. “O tempo foi real. Qualquer um que conhece o nosso time sabe que não corremos abaixo do peso. O tempo foi baixo porque Rubens usou os pneus super macios, e é claro que não tinha muito combustível”, admitiu o engenheiro da Williams.

“Mas todos os elementos do Kers estavam a bordo. Apenas cortamos a conexão do gerador para o motor, porque tivemos um problema de superaquecimento”, explicou Sam Michael. Segundo ele, o tempo de Rubinho poderia ser ainda menor se o Kers estivesse realmente funcionando.

Mas então por que a Williams vinha andando tão mal nos dias anteriores? “Foi porque só estávamos usando compostos médios nos pneus, e sempre corríamos com uma quantidade considerável de combustível. Ainda não conseguimos fazer o pneu médio funcionar, e não sabemos por que”, completou.

Fonte: UOL Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *