F3 Inglesa: Victor Corrêa surpreende em seu primeiro teste com carro da categoria

O brasileiro Victor Corrêa (Unifenas/Cooparaiso/Flash Power) deu nesta semana (22/10) mais um passo em sua carreira internacional no automobilismo. Ele fez pela primeira vez uma sessão de testes com um carro de Fórmula 3, na veloz pista de Snetterton, na Inglaterra. E assim como na Fórmula Ford, o piloto teve um desempenho surpreendente em seu primeiro contato com a categoria. “Foi excelente, melhor do que esperávamos. Ele estreou no carro e já virou tempos muito competitivos”, opinou Lindsay Allen, um dos proprietários da Fluid Motorsport, atual campeã inglesa da F3 National.

Com pneus bastante gastos, Victor Corrêa registrou o tempo de 1min02s280 em sua melhor passagem do dia, ficando a apenas meio segundo da melhor marca já estabelecida na pista. O tempo do mineiro foi também meio segundo melhor do que a volta mais rápida (1min02s784) da sexta etapa da Fórmula 3 Inglesa este ano, registrada justamente pelo campeão Jay Bridger. “Foi como gostaríamos. De maneira progressiva, o Victor foi baixando o tempo volta a volta, até alcançar esta marca. Ele foi um segundo mais rápido do que o Jay quando ele andou aqui pela primeira vez de F3”, atestou o experiente engenheiro Teo Lopes. “É muito difícil um piloto novo encontrar o melhor em uma pista de alta como Snetterton, em sua primeira experiência”, garante o técnico que cuidou do Dallara F307/Mugen que garantiu o título de 2008 por antecipação.

Victor, que chegou a atingir os 240km/h durante os testes, ficou bastante entusiasmado com o carro e com seu desempenho em seu primeiro contato com a Fórmula 3. “Foi muito legal, gostei pra caramba. O carro parece um autorama de tão colado que fica no chão”, surpreende-se. “A aderência é muito grande comparado com o que eu já guiei. E o freio é muito mais eficiente”, explica o jovem de 18 anos, campeão da Fórmula São Paulo em 2007 e quarto colocado na Fórmula Ford Inglesa este ano, quando fez sua temporada de estréia no automobilismo europeu.

O teste foi dividido em duas partes. Pela manhã, Victor se preocupou mais em se acostumar com a novidade de pilotar um F3 e fez trechos longos, completando muitas voltas seguidas para acelerar o processo de adaptação. “Foi importante para eu pegar confiança e a mão do carro”, explica o alfenense. No período da tarde, já mais adaptado, veio a melhor volta. “Eu já estava bem mais confiante e o tempo acabou sendo muito bom”, lembra o titular da Unifenas/Cooparaiso/Flash Power. O piloto contou com dicas e o apoio de Jay Bridger, que acompanhou os testes.

Ao final do dia, depois de 140 voltas e quase sete horas de treinos, o brasileiro andou com pneus novos, mas as condições da pista já não estavam muito boas. “Quando coloquei compostos zerados, eu já estava bastante cansado e o sol tinha baixado, dificultando bastante a visibilidade. Não consegui baixar meu tempo”, explica. Mesmo assim Victor ficou bastante satisfeito. “O saldo é bem positivo. Deu para aproveitar bastante e todos da equipe ficaram contentes”, completa.

A Fórmula 3 Inglesa já revelou ao mundo o talento de pilotos como Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet, Ayrton Senna, Rubens Barrichello e mais recentemente Lewis Hamilton, que lidera a Fórmula 1 atualmente.

As diferenças básicas da National e International Class na Fórmula 3 Inglesa estão no motor, que no certame de base é exclusivamente o Honda Mugen de 230 hp – na International são multimarcas -, e o chassi que é versão do ano anterior. Nas corridas os carros alinham no mesmo grid, mas tem pódio e pontuação separada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *