F3 Sulamericana: Para Vinícius Quadros, único gaúcho na pista, etapa de Tarumã chegou em boa hora

Piloto da equipe Razia Sports enfatizou o sério trabalho feito pelo time no desenvolvimento de seu carro, e acredita na vitória nas provas deste fim de semana.

Para o piloto gaúcho Vinícius Quadros (Razia Sports), a rodada dupla deste fim de semana da Fórmula 3 Sul-Americana, que será realizada no Autódromo de Tarumã, na Grande Porto Alegre, chegou na hora certa. Estreante na competição vindo da Fórmula Renault, Vinícius reconhece que atravessa uma fase de adaptação à categoria, e justamente por esse motivo comemorou o fato de poder disputar a segunda rodada dupla da temporada na pista com a qual tem mais intimidade entre todas as que compõem o calendário.

“O fato de corrermos em Tarumã logo no início do campeonato é muito positivo para mim”, enfatizou Vinícius. “Ainda estou me adaptando ao carro da Fórmula 3 e, ao menos neste fim de semana, poderei buscar essa evolução em um circuito que conheço bem. Considero este traçado o mais difícil do campeonato, mas prefiro fazer a terceira e a quarta corridas do ano aqui do que em qualquer outro circuito”, completou o piloto.

Vinícius não se intimida com o fato de enfrentar neste fim de semana pilotos mais experientes na categoria – como o mineiro Clemente Faria Jr. e o paulista Fernando Galera, líder e vice na tabela –, e acredita na vitória. “Venho para essa corrida com o objetivo de vencer, e não apenas com o de pontuar ou de chegar ao pódio. Obviamente precisaremos esperar o início dos treinos para avaliar nossas reais chances de chegar a esse resultado, mas a equipe trabalhou com muita seriedade após a primeira corrida e conseguimos um sensível desenvolvimento do carro”, completou o piloto.

Vinícius Quadros compartilha a tese de que ultrapassar será o maior problema para os pilotos no fim de semana, e por isso acredita que o treino de classificação e o momento da largada serão fundamentais pra a conquista de um bom resultado. “O circuito de Tarumã normalmente dificulta as ultrapassagens, e no caso da Fórmula 3, essa característica é mais acentuada. O carro depende muito da pressão aerodinâmica nas curvas de alta e, conseqüentemente, perde desempenho quando se anda no vácuo. Por isso é difícil se manter muito próximo ao piloto que está a frente e é preciso contar, muitas vezes, com o erro do adversário para ganhar a posição”, encerrou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *