F3 Sulamericana: Quebra de câmbio tira Razia Sports do pódio em Brasília

Ernesto Otero ocupava a segunda colocação quando, a apenas quatro voltas do fim da corrida, abandonou devido à quebra do câmbio de seu carro.

Faltaram apenas quatro voltas para que a equipe Razia Sports e o carioca Ernesto Otero pudessem comemorar a conquista de mais um pódio na temporada de 2007 da Fórmula 3 Sul-Americana. Depois de ocupar a segunda posição durante boa parte da sétima etapa do campeonato, disputada na tarde deste sábado (9/6) no Autódromo Nelson Piquet, em Brasília, Otero foi obrigado a abandonar a disputa devido à quebra do câmbio de seu carro.

“Fiquei um pouco chateado, mas estas coisas acontecem”, lamentou Otero. “Estamos perseguindo esse pódio desde o primeiro treino livre de sexta-feira, e conseguimos uma grande melhora no carro que me permitiu brigar na frente. Agora vou procurar esquecer o problema de hoje e pensar somente na corrida de amanhã, quando largo em quarto e espero disputar novamente as primeiras posições”, completou o piloto, que se manteve com 20 pontos e passou a ocupar a quinta posição no campeonato.

A largada foi o ponto alto da sétima etapa da temporada. O brasiliense Felipe Guimarães deixou o motor apagar no momento da luz verde e, além de não aproveitar a vantagem da pole position, transformou-se em alvo para parte dos 16 pilotos que vinham nas posições subseqüentes.

“Desviei para o lado de dentro e consegui uma boa largada, pulando da quinta para a segunda posição. Por muito pouco o Felipe não foi atingido, e isso poderia ter causado até mesmo um acidente mais sério”, lembrou Otero.

O sábado também não terminou da forma esperada para os dois outros pilotos da Razia Sports. O paulista Nathan Silva bateu na Curva 3 logo na segunda volta, e o gaúcho Vinícius Quadros também abandonou após escapar na Curva da Bruxa, na 11ª volta.

“Realmente o sábado não terminou como esperávamos”, disse o ex-piloto e engenheiro Felipe Tejada, chefe da equipe. “Mas, ao menos no caso do Otero, a quebra poderia ter tido conseqüências piores. Ele agiu bem desligando o motor do carro quando sentiu que outras marchas também estavam raspando. Caso contrário os danos ao câmbio poderiam ter sido maiores”, explicou Tejada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *