FIA GT: Equipe brasileira lidera e mostra força na etapa do Mundial na Hungria

Nem os problema nos freios e no reabastecimento impediram o time de Bernoldi e Streit de se impor. Brasileiros chegaram a meros 0s820 do vencedor e a 0s481 do segundo colocado.

Mais uma vez o Sangari Team Brazil mostrou que chegou para figurar entre os melhores times do Campeonato Mundial de GT1, a principal categoria de carros do tipo Turismo do mundo. Na etapa realizada em Hungaroring, a segunda na ainda curta história da equipe, o time brasileiro dos pilotos Enrique Bernoldi e Roberto Streit largou em terceiro e assumiu a ponta já na primeira curva, com Bernoldi no comando do Corvette Z06.

Diante de um público de 15 mil pessoas e sob forte sol, o time liderou a corrida, sofreu uma batida que comprometeu seu reabastecimento, teve problema de freios e ainda assim manteve um forte ritmo na fase final das duas horas de prova, sendo mais rápido que os dois Maserati MC 12 que conquistaram os primeiros lugares. De quebra, o Corvette do Sangari Team Brazil também registrou a melhor volta na corrida. O bólido da equipe brasileira tem sido um dos poucos capazes de bater com certa constância os carros italianos. Além de terem registrado o melhor resultado entre os modelos Corvette inscritos, Bernoldi e Streit deixaram claro que a vitória escapou das mãos do time brasileiro por questões circunstanciais, ainda na segunda corrida que a equipe realiza no torneio. Em termos de condições de vitória, a dupla do Sangari Team Brazil vai aos poucos consolidando seu nome entre as mais cotadas para o restante da temporada do Campeonato Mundial.

Após a corrida, o modelo Saleen S7R do austríaco ex-F1 Karl Wendlinger e do escocês Ryan Sharp, que havia recebido a bandeira quadriculada em primeiro, foi excluído da competição por ter sido reprovado na vistoria técnica realizada após a prova. O motivo foi o fato de o seu motor ter continuado a funcionar depois do teste no qual os restritores de ar são totalmente obstruídos – o que sugeriria que o motor teria mais potência do que o previsto por supostamente se beneficiar de um suprimento extra de ar. Com isso, a vitória passou para o Maserati MC 12 da dupla Michael Bartels (também ex-F1, Alemanha) e Andrea Bertolini (Itália), seguido por outro bólido italiano, com Alessandro Píer Guidi (Itália) e Matteo Bobbi (Itália) ao volante.

Chegada emocionante – Na bandeirada final, o Corvette dos brasileiros, que é preparado pela equipe DKR Engineering, terminou a meros 0s820 do vencedor e a 0s481 do segundo colocado – o que dá uma idéia do nível de tensão na chegada. “Mais duas voltas, e talvez nós tivéssemos vencido!”, comemorou Enrique Bernoldi, muito satisfeito com o rendimento da equipe brasileira. “Consegui pular na ponta na largada e mantive a dianteira até minha parada no box. Nosso principal problema foi a batida que levei na quarta volta, que danificou o bocal de reabastecimento de combustível – por isso perdíamos muito tempo nas paradas”, explicou o brasileiro, lembrando da manobra de Alex Muller (alemão parceiro do português Miguel Ramos em outro Maserati MC 12). O germânico tentou passar o parceiro de equipe Karl Wendlinger, errou a freada e acertou a lateral do Corvette do time brasileiro.

“Para quem não conhecia a pista, acho que consegui corresponder ao que a equipe esperava”, comentou Roberto Streit, que completou o belo turno de pilotagem de Bernoldi mostrando muita velocidade ao volante do Corvette. “O que mais me atrapalhou foi o problema nos freios. Sem isso, teríamos sido bem mais rápidos no meu turno. Mas fiquei feliz por sermos o melhor Corvette na pista. Hungaroring é a pista na qual esperávamos maiores dificuldades, por ser muito sinuosa e por nosso carro ter um entreeixos maior, o que não facilita as coisas em um traçado repleto de mudanças de direção. O terceiro lugar foi ótimo. Mas por termos largado tão bem e por termos brigado pela pole, fica aquela sensação de que poderíamos ter ido melhor na corrida. Quem compete é sempre assim, sempre quer mais. Só que esta é apenas nossa segunda corrida e o que conseguimos hoje aqui foi ótimo, sem dúvida. E nos deixa bastante animados para o restante da temporada”, completou Streit.

A sexta etapa do Campeonato Mundial de GT1 será disputada no dia 20 de setembro, no circuito de Algarve, Portugal. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *