GP2 Series: Bruno Senna não pontua em Spa e decisão vai para Monza

Vice-líder precisa descontar 11 pontos na rodada dupla do GP da Itália para ser campeão.

O novo campeão da Fórmula GP2 só será conhecido mesmo na rodada dupla do GP da Itália, no próximo final de semana em Monza. Ao abandonar o complemento do GP da Bélgica, neste domingo em Spa-Francorchamps, o vice-líder Bruno Senna não conseguiu reduzir os 11 pontos que o separam do italiano Giorgio Pantano, punido pelo acidente com Lucas di Grassi na véspera e impedido de largar na segunda corrida. “Agora, vamos para a decisão procurando apenas fazer o nosso melhor e ver o que acontece”, resumiu Bruno. A vitória foi do venezuelano Pastor Maldonado, que largou em 6º, ultrapassou o pole Jérome D’Ambrosio na última volta e frustrou o público que torcia pelo piloto da casa.

Bruno entrou na pista com as possibilidades comprometidas por causa da decisão da direção de prova de puni-lo com uma passagem pelos boxes por suposta “conduta perigosa” na saída do pit stop quando liderava a abertura do programa sábado em Spa. No GP de Valência, incidente semelhante na Fórmula 1 custou a Felipe Massa a multa de 10 mil euros. A penalidade arruinou a corrida de Bruno e roubou os 10 pontos quase certos que o deixariam a uma diferença mínima de Pantano. Hoje, largando em 11º no asfalto úmido, Bruno fez uma prova agressiva em busca dos pontos que necessitava até recolher o carro à garagem da iSport com um pneu furado ao se tocar com o suíço Sébastien Buemi já na luta pela quinta posição.

“Buemi me cortou a frente pela segunda vez, o que é proibido pelo regulamento. Fiquei sem espaço, procurei evitar uma batida mais forte, mas houve o choque e a asa dianteira começou a arrastar no meu pneu dianteiro direito. Eu poderia ter parado e feito a troca, mas não havia mais sentido em prosseguir”, explicou Bruno, um dos quatro pilotos que chegarão à Itália sonhando com o título. Além dele e de Pantano, ainda se agarram às chances matemáticas o brasileiro Lucas di Grassi e o francês Romain Grosjean, que dividem a terceira colocação com 53 pontos. Como 20 estarão em jogo em Monza, cada um deles depende não apenas de suas forças, mas de uma improvável combinação de resultados.

Apesar da desvantagem, Bruno ainda acredita numa reviravolta na reta final. “Fomos absurdamente rápidos com os testes em Paul Ricard que simularam o acerto de baixa pressão aerodinâmica de Monza. Temos de nos concentrar em fazer nosso trabalho da melhor forma possível e esquecer do resto, especialmente daquilo que não controlamos”, comentou. “Sábado, conversei com o chefe dos comissários desportivos sobre minha punição. Não fiquei convencido com as justificativas dele, mas não dá para bater de frente com esse pessoal.”

O resultado da 18ª etapa:
1 – Pastor Maldonado (Venezula), Piquet Sports, 18 voltas em 39min35s698 (190,854 km/h)
2 – Jérome D’Ambrosio (Bélgica), DAMS, a 1s256
3 – Vitaly Petrov (Rússia), Campos Team, a 5s439
4 – Sébastien Buemi (Suíça), Arden, a 6s390
5 – Lucas di Grassi (Brasil), Campos Team, a 7s222
6 – Davide Valsecchi (Itália), Durango, a 8s213
7 – Karun Chandhok (Índia), iSport, a 8s767
8 – Javier Villa (Espanha), Racing Engineering, a 12s199
9 – Romain Grosjean (França), ART GP, a 16s317
10 – Ho Pin Tug (China (Trident), a 17s065

A classificação do campeonato:
1, Giorgio Pantano, 71 pontos;
2, Bruno Senna, 60;
3, Romain Grosjean e Lucas di Grassi, 53;
5, Pastor Maldonado, 48;
6, Sébastien Buemi, 44;
7, Vitaly Petrov, 39;
8, Álvaro Parente, 34;
9, Andreas Zuber, 32;
10, Karun Chandhok, 31.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *