GP2 Series: Bruno Senna vence Grande Prêmio de Mônaco

Bandeira brasileira volta a tremular no alto do pódio do principado.

Quinze anos depois da última vitória do tio Ayrton nas ruas do principado, o hino nacional brasileiro voltou a ser ouvido em Mônaco. Bruno Senna, sobrinho do tricampeão da Fórmula 1, conquistou nesta sexta-feira o Grande Prêmio da Fórmula GP2, quinta etapa da temporada e abertura da rodada dupla no sinuoso e desafiador circuito urbano. E foi uma vitória – a segunda na categoria, depois do GP da Espanha de 2007 – com a marca dos grandes nomes do automobilismo: o paulista de 24 anos, segundo colocado no grid, tomou a ponta do pole Pastor Maldonado na largada e só viu a liderança brevemente interrompida na obrigatória parada para troca de dois pneus. De quebra, ainda levou o ponto extra pela melhor volta.

“Estou em êxtase. Foi fantástico. Ganhar aqui é um sonho. Acho que o Ayrton estaria orgulhoso de mim por manter a tradição da família neste lugar”, comemorou Bruno, que recebeu o abraço comovido da mãe Viviane e da irmã Bianca ao sair do carro. A corrida obedeceu exatamente ao roteiro imaginado na véspera por Bruno, que só não estabeleceu a volta mais rápida do treino classificatório devido ao quase inevitável trânsito no traçado estreito e rodeado de muros. Hoje, depois de assumir a ponta, o piloto da iSport procurou aproveitar a pista livre para abrir uma vantagem confortável. Foi um dos últimos a entrar nos boxes, já perto da metade da prova, e retornou ainda com boa margem sobre Maldonado.

A rigor, Bruno só levou um susto já na parte final, quando um múltiplo acidente na Curva Mirabeau levou ao abandono dos primeiros colocados no campeonato, Giorgio Pantano e Romain Grosjean, e quase bloqueou a passagem dos carros. “Fiquei preocupado com a possibilidade de o Maldonado me passar naquele momento, aproveitando a confusão. Meu engenheiro pediu para eu passar pelo lado direito, mas já não era mais possível. Tive de sair pela esquerda e passar um retardatário com bandeira amarela, mas pelo rádio haviam me avisado que o diretor de prova havia autorizado”, explicou.

Com o circuito desobstruído, Bruno controlou o venezuelano com segurança. Já nas últimas voltas, Maldonado chegou a baixar o tempo da melhor volta, mas o brasileiro deu o troco quase imediatamente. “Percebi que ele estava andando forte para ficar com esse pontinho. Por isso, mandei a bota, apesar de o meu carro já estar meio zuado naquela hora”, explicou “Acho que fiz uma ótima corrida. Esta é a etapa mais difícil do ano e consegui errar muito pouco, felizmente sem qualquer conseqüência”, festejou.

Com os 11 pontos acumulados, Bruno subiu para 22 e recuperou a vice-liderança na classificação geral, apenas dois atrás de Pantano. Amanhã, o desafio será ainda maior, já que pelo sistema de grid invertido utilizado pela Fórmula GP2 será obrigado a partir da oitava colocação. Na pole sairá o inglês Mike Conway, que corria tranqüilo em terceiro lugar até receber um toque por trás na última volta e sequer cruzar a linha de chegada. Mesmo assim, o campeão britânico de Fórmula 3 de 2006 fechou a zona de pontos em 8º.“Aqui, não dá para se matar saindo dessa posição. Vou tentar largar bem novamente e somar o maior número de pontos possível. Como o Pantano vai sair atrás de mim, dois pontinhos podem ser suficientes para me levar à liderança”, avisou.

O resultado do GP de Mônaco:

1 – Bruno Senna (Brasil), iSport, 45 voltas em 1h03smin36s091
2 – Pastor Maldonado (Venezuela), Piquet Sports, a 0s674
3 – Karun Chandhok (Índia), iSport, a 44s923
4 – Adrian Vallés (Espanha), BCN, a 47s592
5 – Álvaro Parente (Portugal), SuperNova, a 48s191
6 – Roldán Rodríguez (Espanha), FMSI, a 58s857
7 – Ho Pin Tung (China), Trident, a 1min17s615
8 – Mike Conway (Inglaterra), Trident, a uma volta

A nova classificação do campeonato:

1, Giorgio Pantano, 24 pontos
2, Bruno Senna, 22
3, Romain Grosjean, 18
4, Álvaro Parente, 15
5, Andreas Zuber, 13
6, Pastor Maldonado e Vitaly Petrov, 12
8, Karun Chandok, 10
9, Kamui Kobayashi, 8
10, Adrian Vallés, 5
11, Javier Villa, Roldán Rodríguez e Mike Conway, 3
14, Yelmer Buurman, Davide Valsecchi e Ho Pin Tung, 2
17, Adam Carroll, Ben Hanley e Jérome d”Ambrosio, 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *