GP2 Series: Câmbio deixa Xandinho a pé em Mônaco

Durou menos de uma volta a participação de Xandinho Negrão (Medley) nos treinos que abriram a programação da 9ª etapa da Fórmula GP2 em Mônaco. Nesta manhã, pouco depois de sair dos boxes para a sessão única de 30 minutos, o campeão sul-americano de Fórmula 3 de 2004 foi obrigado a encostar o Dallara-Renault da Piquet Sports no circuito urbano de Montecarlo. Causa: a quebra do sensor do câmbio.

“O motor já começou a apresentar uma falhação logo que entrei na pista. Pouco depois, as marchas deixaram de entrar. Na seqüência, o motor deu problema novamente. Aí não havia mais o que fazer senão parar o carro”, lamentou Xandinho, preocupado com o prejuízo técnico. “Perder treinos já é um problema em qualquer pista; aqui, então, é muito pior. Ainda bem que ainda teremos mais um treino antes da tomada classificatória da sexta-feira”, conformou-se.

Mais tarde, a equipe comandada pelo diretor-técnico Felipe Vargas descobriu que o sensor quebrou ao meio. “Não temos a menor idéia de como isso pôde acontecer. O carro foi totalmente revisado depois das etapas de Barcelona”, estranhou Xandinho. O dia, aliás, foi o pior da equipe na atual temporada da Fórmula GP2. Nelsinho Piquet, líder do campeonato, ficou apenas em 14º, virando mais de dois segundos acima do tempo do inglês Lewis Hamilton, dono da volta mais rápida de hoje.

“A pista estava muito lisa pela manhã, praticamente sem aderência, porque fomos os primeiros a treinar. Mas estava igual para todos. Parece claro que nossos carros não estão bem equilibrados para o circuito. Vamos ter de usar muito bem o segundo treino livre para melhorar o acerto. Sair na frente é importante em qualquer circuito, muito mais ainda em Mônaco”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *