GP2 Series: Luiz Razia lidera eleição popular que aponta os melhores estreantes da temporada

Atuação do piloto baiano na reta final da temporada coloca-o entre os melhores novatos de 2009. Vitória obtida na corrida de Monza e bom desempenho nas últimas provas contribuíram para que ele fizesse uma avaliação positiva de seu primeiro campeonato na categoria.

O piloto brasileiro Luiz Razia ganhou nesta semana outra boa razão para avaliar de forma positiva sua temporada de estréia na Fórmula GP2. Depois de conquistar sua primeira vitória na categoria na pista de Monza, o brasileiro entrou para o seleto grupo de pilotos que já subiram no degrau mais alto do pódio no torneio de acesso à Fórmula 1. E lidera uma eleição popular do blog GP2 Insider que escolhe os melhores estreantes da temporada. A enquete não contempla o alemão Nico Hulkenberg – que pilotando pela melhor equipe da categoria conquistou o título em seu ano de estréia na GP2.

Luiz Razia lidera a pesquisa com 52% dos votos, e aparece à frente de pilotos como Sérgio Perez (16%); Giedo Van der Garde (15%); Edoardo Mortara (7%); Davide Rigon (4%); Dani Clos (3%); Ricardo Teixeira (1%) e Stefano Coletti (1%). “Essa pesquisa é um excelente retorno do público da Fórmula GP2 e me dá ainda mais motivação para continuar na categoria em 2010, dessa vez com o objetivo de brigar por mais vitórias e, também, pelo título”, completou Luiz Razia. O brasileiro divulgou sua participação no pleito, principalmente, através do Twitter.

Carreira vitoriosa – Luiz Razia possui um currículo que pode ser considerado meteórico para um atleta do automobilismo. Em cinco anos de carreira, ele coleciona títulos como o de Campeão Brasileiro de Kart e o de Campeão Sul-Americano de Fórmula 3 – além de vitórias na Fórmula 3000 Euroseries e na Fórmula GP2 Asia. Em 2009, Razia chegou à categoria de acesso à Fórmula 1 disputando a temporada da Fórmula GP2 pela equipe italiana Coloni.

Mesmo com a preparação no campeonato asiático da GP2 entre o final de 2008 e o início deste ano, Razia destacou as dificuldades que um piloto atravessa nesse nível do automobilismo – e reforça que, muitas delas, não se referem apenas à pilotagem do carro.

“É um nível de competitividade onde não basta ser um bom piloto. É preciso ter uma equipe eficiente, saber trabalhar nos bastidores e ter um excelente trabalho fora da pista”, comentou Razia. “Quando comecei a temporada sabia que seria a fase mais difícil da minha carreira até aqui. Optamos por uma equipe de estrutura menor, então mesmo fora da briga por vitórias, o objetivo era lutar por alguns pontos durante as corridas”, disse o brasileiro.

O campeonato da Fórmula GP2 se encerrou no último dia 20 de setembro, quando o autódromo de Portimão (Portugal) recebeu a última rodada da temporada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *