Grand-AM: Bom retrospecto da equipe aumenta chance de Zonta no Alabama

Depois de mais um pódio, piloto brasileiro segue em busca da primeira vitória na Grand-Am.

As rodas continuam girando, me levam para casa para ver meu pessoal. Cantando músicas sobre o Sul. Eu sinto falta do Alabama outra vez. É a livre tradução do trecho inicial da música “Sweet Home Alabama”, lançada em 1974, pela banda de rock norte-americana Lynyrd Skynyrd. A canção combina perfeitamente com a sensação de todos os integrantes da equipe Krohn Racing, do brasileiro Ricardo Zonta, que nesta semana pegaram a estrada com destino ao Barber Motorsport Park, circuito da cidade de Birmingham, no Alabama, que recebe neste domingo (20) a nona etapa da Grand-Am.

Não que o time esteja próximo de sua sede, muito pelo contrário (fica em Braselton, na Georgia), mas o restrospecto no traçado de 3.680 metros faz parecer que a dona da casa é mesmo a Krohn Racing, que venceu esta corrida em 2006, com Colin Braun/ Jörg Bergmeister, e chegou em segundo lugar no ano passado, com Colin Braun/Nic Jonsson. Resultados que só aumentam a expectativa em torno do desempenho da nova formação do time, com Ricardo Zonta/Nic Jonsson, que busca a primeira vitória do ano, depois de subir ao pódio por duas vezes.

“Os resultados estão por vir. Até aqui, nós tivemos pequenos problemas em todas as corrida. Até mesmo na Cidade do México, onde terminamos em terceiro, poderíamos ter conseguido algo ainda melhor. Outro exemplo foi em Watkins Glen, tínhamos carro para vencer a prova, mas não conseguimos fazer o pit stop no momento ideal. Então, é uma questão de continuarmos trabalhando para estarmos no lugar certo, na hora certa. Estamos chegando perto de subir este degrau no pódio”, conta Ricardo Zonta, que levou o carro ao terceiro lugar na etapa passada, em Daytona.

Nesta etapa, o piloto brasileiro terá um desafio a mais: ainda não conhece o Barber Motorsport Park. O que só aumenta a importância das referências que o time conseguiu na pista nos anos anteriores. “Será minha primeira corrida no circuito. Não ouvi falar muito sobre ele, mas assiti ao vídeo da corrida do ano passado e a pista parece boa para o nosso carro”, afirma Ricardo Zonta, que corre com o chassi Lola. “Eu acho que a parte mais difícil será ultrapassar os carros mais lentos, da categoria GT, porque o traçado é bastante apertado. O grande segredo será lidar com o tráfego”, alerta.

E também com o favoritismo da dupla Scott Pruett/Memo Rojas, que lidera o campeonato com certa tranqüilidade, depois de cinco vitórias em oito corridas. A segunda posição é ocupada por Alex Gurney/Jon Fogarty. Ricardo Zonta/Nic Jonsson estão um pouco mais distantes deste grupo, aparecem em quinto lugar na tabela, mas restando seis provas para o encerramento da temporada ainda existe uma boa chance de encerrar o ano entre os três primeiros colocados, o que seria um ótimo resultado para o time, que passou a primeira metade do ano desenvolvendo o chassi Lola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *