GT Brasil: Jean-Marc Gounon destaca alto nível dos carros do Itaipava GT Brasil

Piloto de testes da GT3 Europeia, com passagem pela Fórmula 1, foi peça fundamental nos treinos de equilíbrio de desempenho em Interlagos, ao lado de Enrique Bernoldi

A palavra é de quem conhece muito bem as principais competições internacionais de Gran Turismo. Vencedor das 24 horas de Le Mans de 1997, o francês Jean-Marc Gounon, de 48 anos de idade, se impressionou com o alto nível dos modelos inscritos para a temporada do Itaipava GT Brasil em 2011. O piloto foi contratado pela SRO Latin America e Auto+ Entretenimento para os treinos de equilíbrio de desempenho realizados quarta (16) e quinta-feira (17) na pista de Interlagos, em São Paulo.

“Eu só posso comparar com a Europa, já que faço o mesmo trabalho por lá, e sem dúvida o nível dos carros aqui é muito bom. Durante estes dois dias de testes pude trabalhar com todos os modelos e só posso agradecer as equipes e a organização, que me ajudaram e disponibilizaram os carros bem ajustados. Desta forma, acredito que conseguimos desenvolver um bom trabalho rumo a um campeonato ainda mais equilibrado”, afirmou Jean-Marc Gounon.

As informações transmitidas por ele e pelo brasileiro Enrique Bernoldi agora serão analisadas pela Comissão GT e depois repassadas para a Confederação Brasileira de Automobilismo. Os dados serão fundamentais para a divulgação das regras de configuração inicial dos carros para equilíbrio de desempenho no Itaipava GT Brasil. O diretor técnico da categoria e membro da Comissão GT, Ivo Sznelwar, elogiou o trabalho dos pilotos de testes.

“Uma coisa que as pessoas não sabem é que o piloto de testes não tem que sentar no carro e acelerar, ser o mais rápido possível. Ele precisa fazer um trabalho igual em todos os carros, traçar uma mesma linha de conduta para todos, para assim termos o parâmetro ideal para trabalhar. E o trabalho do Gounon e do Bernoldi foi fantástico”, elogiou o diretor técnico, que forma a Comissão GT com o ex-piloto Wilson Fittipaldi e Clóvis Matsumoto, da CBA.

“Além de achar este equilíbrio entre os carros, o piloto ainda precisa pilotá-los com 60 litros no tanque de combustível, o que corresponde a mais de meio tanque dos GT3 e quase três quartos dos GT4. De forma nenhuma é o tempo de classificação que nos interessa e sim o desempenho constante que pode ser alcançado em uma corrida, para avaliarmos vários parâmetros, como o desgaste dos pneus, que afetam as provas”, explica Ivo Sznelwar.

Os dois dias de treinos serviram também de pré-temporada, reunindo boa parte dos inscritos para o campeonato do Itaipava GT Brasil, que começa no dia 10 de abril, exatamente em Interlagos. Agora, as equipes e pilotos continuam a preparação com testes particulares, enquanto a CBA prepara as regras de equilíbrio de desempenho, que servem de base para um trabalho ininterrupto: a Comissão GT avalia o desempenho dos carros constantemente para assegurar a competitividade da categoria.

Piloto de testes da GT3 Europeia, com passagem pela Fórmula 1, foi peça fundamental nos treinos de equilíbrio de desempenho em Interlagos, ao lado de Enrique Bernoldi

A palavra é de quem conhece muito bem as principais competições internacionais de Gran Turismo. Vencedor das 24 horas de Le Mans de 1997, o francês Jean-Marc Gounon, de 48 anos de idade, se impressionou com o alto nível dos modelos inscritos para a temporada do Itaipava GT Brasil em 2011. O piloto foi contratado pela SRO Latin America e Auto+ Entretenimento para os treinos de equilíbrio de desempenho realizados quarta (16) e quinta-feira (17) na pista de Interlagos, em São Paulo.

“Eu só posso comparar com a Europa, já que faço o mesmo trabalho por lá, e sem dúvida o nível dos carros aqui é muito bom. Durante estes dois dias de testes pude trabalhar com todos os modelos e só posso agradecer as equipes e a organização, que me ajudaram e disponibilizaram os carros bem ajustados. Desta forma, acredito que conseguimos desenvolver um bom trabalho rumo a um campeonato ainda mais equilibrado”, afirmou Jean-Marc Gounon.

As informações transmitidas por ele e pelo brasileiro Enrique Bernoldi agora serão analisadas pela Comissão GT e depois repassadas para a Confederação Brasileira de Automobilismo. Os dados serão fundamentais para a divulgação das regras de configuração inicial dos carros para equilíbrio de desempenho no Itaipava GT Brasil. O diretor técnico da categoria e membro da Comissão GT, Ivo Sznelwar, elogiou o trabalho dos pilotos de testes.

“Uma coisa que as pessoas não sabem é que o piloto de testes não tem que sentar no carro e acelerar, ser o mais rápido possível. Ele precisa fazer um trabalho igual em todos os carros, traçar uma mesma linha de conduta para todos, para assim termos o parâmetro ideal para trabalhar. E o trabalho do Gounon e do Bernoldi foi fantástico”, elogiou o diretor técnico, que forma a Comissão GT com o ex-piloto Wilson Fittipaldi e Clóvis Matsumoto, da CBA.

“Além de achar este equilíbrio entre os carros, o piloto ainda precisa pilotá-los com 60 litros no tanque de combustível, o que corresponde a mais de meio tanque dos GT3 e quase três quartos dos GT4. De forma nenhuma é o tempo de classificação que nos interessa e sim o desempenho constante que pode ser alcançado em uma corrida, para avaliarmos vários parâmetros, como o desgaste dos pneus, que afetam as provas”, explica Ivo Sznelwar.

Os dois dias de treinos serviram também de pré-temporada, reunindo boa parte dos inscritos para o campeonato do Itaipava GT Brasil, que começa no dia 10 de abril, exatamente em Interlagos. Agora, as equipes e pilotos continuam a preparação com testes particulares, enquanto a CBA prepara as regras de equilíbrio de desempenho, que servem de base para um trabalho ininterrupto: a Comissão GT avalia o desempenho dos carros constantemente para assegurar a competitividade da categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *