GT3 Brasil : Em busca de competitividade, Ford muda detalhes de projeto em dois supercarros

Única fábrica com dois modelos inscritos na categoria, a Ford está investindo em alterações de seus modelos mais representativos para os apaixonados por desempenho. Uma mudança importante se refere ao motor: agora, a unidade está a cargo da Roush & Yates, especialista da marca para a Nascar.

Muita coisa mudou desde o ano passado no GT e no Mustang FR500, os dois supercarros da Ford na GT3. Única fábrica a ter dois modelos entre os onze aceitos na competição, a marca norte-americana decidiu radicalizar em busca de um desempenho de ponta. Até 2007, os dois carros eram desenvolvidos somente pela suíça Matech. Os motores usavam a mesma base da versão de rua, com seus cavalos vindos, principalmente, de um poderoso compressor. O Ford GT conseguiu bons resultados e até vitórias, mas o Mustang FR500 sempre deixou a desejar nas corridas que participou e mereceu mais atenção e investimento para manter em alta seu nome entre os apaixonados por carros de alto desempenho. Os dois modelos são os grandes ícones da marca norte-americana no mundo dos automóveis esportivos.


 


As mudanças para 2008 começam justamente no coração dos dois modelos: a Ford abandonou o motor usado no ano passado e optou por um projeto totalmente alterado pela empresa americana Roush & Yates, especializada em fazer motores Ford para a Nascar – a Stock Car norte-americana, que inclusive é a grande inspiração da versão brasileira da categoria. A base do propulsor é a mesma: V8, com quatro válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas no cabeçote. Porém, a unidade perdeu o compressor e passou a ser naturalmente aspirada. Não se sabe, ainda, os motivos dessa que levaram a essa modificação, mas dá para deduzir que o motor ficou mais “elástico” e o carro, mais fácil de dirigir. Como anteriormente, a potência deve ficar na casa dos 550 cv, um dado que será confirmado após a homologação definitiva dos modelos ainda no final de março.


 


Revisão mais ampla – O Mustang FR500 GT3 passa por uma revisão mais ampla. Agora, ele é preparado na França pela Multimatic. Um dos objetivos é a redução drástica de seu peso total. Pela ficha técnica do ano passado, a Mustang pesava 1.380 quilos, ou seja, 100 quilos a mais que seu irmão Ford GT. Conclusão: com o mesmo motor e muito mais peso, o Mustang não tinha chance de apresentar o mesmo rendimento. Por isso, várias partes do carro devem ser substituídas por outras com resistência e funcionalidade semelhantes, mas muito mais leves. A fibra de carbono, por exemplo, é um dos materiais a ser empregados. A expectativa é de que se consiga “emagrecer” o Mustang em torno de 150 kg até a fase final de homologação no dia 31, em Nogaro, França.


 


A preparação do Ford GT continua sendo feita na Suíça pela Matech, equipe que está no comando do desenvolvimento do supercarro norte-americano desde o início da sua concepção para as corridas do GT3. Além do novo motor, a versão 2008 também teve revista a sua gaiola de proteção. A anterior dificultava a movimentação dos pilotos especialmente na hora da troca de turno, e a solução foi redesenhá-la totalmente. Apesar de ter vencido corridas, a Ford toma medidas para tornar o GT ainda mais competitivo. Ele será ajustado para fazer frente aos demais modelos, principalmente o novíssimo Porsche 997 GT3 Cup S, que dominou os primeiros treinos de equalização, em Monza, há dez dias. O GT também terá que encarar o fato de que este ano todos os supercarros da GT3 usarão com pneus de compostos de borracha mais duros, o que deve afetar seu ajuste de suspensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *