GT3 Brasil: Porsche vence a segunda consecutiva

Ricardo Maurício e Miguel Paludo repetiram resultado da última prova em Interlagos e triunfaram debaixo de muita chuva em Londrina.

Apesar da chuva e do frio deste sábado (25) em Londrina (PR), a primeira corrida da quarta rodada dupla do Itaipava GT3 Brasil foi repleta de disputas. E a vitória ficou com o Porsche 997 conduzido pela dupla Miguel Paludo/Ricardo Maurício. É o segundo triunfo consecutivo da dupla, que em Interlagos, no início do mês, havia faturado a segunda corrida daquele final de semana, o que marcou o primeiro triunfo da Porsche na história do Itaipava GT3.

Em segundo lugar, após impressionante recuperação, ficou o Ferrari Scuderia de Chico Longo/Daniel Serra, que amanhã larga da pole position. Marcelo Hahn/Allam Khodair (Ferrari F430) terminaram em terceiro lugar, com os líderes do campeonato Rafael Derani/Cláudio Ricci (Ferrari F430) no quarto lugar, dupla seguida por Thiago Camilo/Norberto Gresse com o outro Porsche 997 da equipe WB Motorsports.

Devido a insistente chuva que cai na cidade desde o início da manhã, a direção de prova determinou que a largada fosse dada com o safety car na pista. Na terceira volta os pilotos receberam bandeira verde para acelerar. Sem o spray (que é levantado pelos carros) à sua frente, Miguel Paludo não teve problemas para manter a primeira posição. Na parte inicial da prova, quem se destacava era Thiago Camilo com o Porche 997, que fez três ultrapassagens. Na oitava volta, no entanto, o piloto perdeu o controle do carro na saída da chicane. O bólido alemão rodou na área de escape, mas voltou à pista novamente, imprimindo um ritmo forte.

No 23º minuto de corrida – momento da abertura dos boxes para a troca obrigatória de pilotos –, Marcelo Hahn foi o primeiro a entrar para passar o volante a seu parceiro, Allam Khodair. A maioria dos pilotos realizou a troca antes de completada a primeira metade da prova. Arriscando uma estratégia para ganhar mais posições, Camilo permaneceu no traçado para andar o máximo possível com pista livre à frente.

O paulista parou no 36º (e penúltimo) minuto da janela para entregar o Porsche a Norberto Gresse. A tática ajudou a dupla, e Gresse voltou à pista na quinta posição. O primeiro lugar voltava então às mãos do Porsche que seria pilotado agora por Ricardo Maurício, substituto de Paludo.

Na 31ª volta, Allam Khodair ultrapassou Cláudio Ricci no duelo particular dos Ferrari F430 para assumir a segunda posição. Enquanto brigavam pela vice-liderança, Daniel Serra (parceiro de Chico Longo) trazia seu Ferrari Scuderia para a briga fazendo voltas voadoras, tirando mais de um segundo por volta em relação aos carros da frente. Faltando pouco mais de três minutos para a bandeira quadriculada, Daniel ultrapassou Ricci e, na última volta, tomou o segundo lugar de Khodair.

Na bandeirada, mais uma festa para a equipe WB Motorsport, com Ricardo Maurício cruzando a linha de chegada com 7s246 de vantagem para Daniel Serra. Apesar da corrida disputada, foi unanimidade entre os pilotos o fato de a prova ter sido bastante difícil. “Estava muito parelho, todo mundo andando muito junto”, afirmou Cláudio Ricci. “A pista estava muito difícil pela chuva e a inconstância na aderência, mas eu e o Rafael corremos pensando no campeonato”, afirmou o gaúcho, que soma 107 pontos na liderança do certame com seu parceiro de Ferrari.

“Estávamos bem rápidos, mas acho que poderia ser melhor. Vamos fazer algumas alterações no carro para a corrida de amanhã”, disse Daniel Serra, protagonista de impressionante recuperação em Londrina a bordo da Ferrari Scuderia que largará na pole position na corrida marcada para as 12 horas deste domingo (26), com transmissão ao vivo pelo canal Record News.

Dupla afinada – Ricardo Maurício creditou parte do triunfo conquistado neste sábado ao entrosamento da dupla que forma com o gaúcho Miguel Paludo. “A minha tocada e o estilo de guiar do Paludo são muito parecidos, então acho que isso facilita bastante”, disse. O gaúcho concorda: “Nosso acerto de carro é muito semelhante e estou muito feliz com a nossa parceria”.

Sobre a corrida, Miguel afirmou que tentou aproveitar o fato de não ter carros à sua frente para abrir a maior distância possível. “No começo andei forte para abrir vantagem e entregar o carro para o Ricardinho em uma posição em que ele pudesse administrar o ritmo. E deu certo”, contou.

“Até tentei tirar um pouco o pé para levar o carro com tranqüilidade até o final da prova, mas os Ferrari estavam muito rápidos. Então, não aliviei muito porque eles poderiam se aproximar”, explicou Maurício.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *