GT3 Brasil: Valdeno Brito volta com vitória

Ao lado de Miguel Paludo, paraibano garantiu a quinta vitória do Porsche 997 na temporada, em corrida repleta de disputas.

Valdeno Brito retornou ao Itaipava GT3 com estilo. O paraibano, que forma dupla com Miguel Paludo no Porsche 997 neste final de semana em Interlagos, conquistou a quinta vitória para a WB Motorsport na temporada, em uma corrida que ofereceu ao espectador vários pegas por posições. Em segundo lugar, após intensa disputa, ficou o Ferrari F430 dos vice-campeões Marcelo Hahn/Allam Khodair, com Julio Campos/Hoover Orsi em terceiro, também com Porsche.

E Valdeno contou com grande ajuda de seu parceiro. Já na largada, Lico Kaesemodel (companheiro de Nelson Merlo no Ferrari F430) e Julio Campos – primeiro e segundo, respectivamente – foram superados pelo Porsche número 5 em uma bela manobra do gaúcho, por fora, na primeira perna do ‘S’ do Senna. Campos deu uma escapada na Curva do Lago, ao fim da Reta Oposta, para evitar uma batida com o Lamborghini de Cláudio Dahruj (parceiro de Rafael Daniel).

Nas primeiras voltas, Paludo liderava, com Dahruj em seu encalço. Na estréia mundial do LP 560, uma evolução do Lamborghini Gallardo, o americanense superou o gaúcho na abertura do quarto giro da prova. Mas as disputas continuavam. Dahruj não conseguia abrir distância, e na freada para o ‘S’ do Senna, na oitava volta, quatro pilotos entraram juntos na curva. Lico Kaesemodel vinha em terceiro e Pedro Queirolo, parceiro de Leonardo Vital no Dodge Viper, era o quarto colocado. Queirolo – que também lidera o Itaipava Trofeo Maserati – foi para a área de escape e conseguiu voltar ao traçado, perdendo, no entanto,o lugar para Julio Campos; na briga, Kaesemodel recuperou a ponta.

Campos retomou o terreno e tomou o segundo lugar do piloto do Lamborghini. No 23º minuto de corrida (na 14ª volta), momento de abertura da janela obrigatória para troca de pilotos, Rafael Derani e Marcelo Hahn foram os primeiros a se encaminharem aos boxes e entregar seus carros para, respectivamente, Cláudio Ricci e Allam Khodair. Enquanto isso, Lico abria quase dois segundos de vantagem para Paludo.

A estratégia do paranaense era ter a maior distância possível de seu adversário para entregar o carro no final da janela de paradas, para que Nelson Merlo voltasse à pista ainda na liderança. Não deu certo: na 19ª volta, o pneu traseiro direito de seu Ferrari estourou, quando o carro percorria a subida do Laranjinha. Kaesemodel conseguiu levar o Ferrari até os boxes, mas não foi possível continuar.

A dez voltas do final, Valdeno Brito liderava a dobradinha da Porsche com Hoover Orsi em segundo, Allam Khodair em terceiro, Cláudio Ricci em quarto e Rafael Daniel em quinto. A partir da 27ª volta, Khodair começou o ataque sobre Orsi em busca do segundo lugar usando-se da boa aproximação de curva do F430. O sul-matogrossense, porém, se defendia de todas as maneiras, aproveitando-se da tração do carro alemão.

No final, o Ferrari de Khodair levou a melhor, a três voltas do final: o paulista avançou na freada da curva da Junção e tomou a vice-liderança de Hoover. Buscar a liderança, no entanto, era tarefa difícil, já que Valdeno Brito tirou proveito da briga atrás de si para abrir mais de cinco segundos de vantagem e cruzar a linha de chegada administrando o ritmo.

“Eu sabia que seria difícil na parte final da corrida, porque tínhamos que poupar os pneus traseiros. Acho que o fato de não ter chovido também ajudou bastante. De qualquer forma, voltar ao Itaipava GT3 vencendo é um sentimento muito bom”, disse o paraibano, que conquistou sua primeira vitória na categoria. “A disputa na largada foi muito limpa. O Julio se posicionou atrás do Lico e eles frearam muito cedo. Coloquei o carro pelo lado de fora e freei depois. A partir dali, foi só apertar ao máximo o pedal da direita”, lembrou Paludo. “Na metade do meu turno, o carro começou a ficar dianteiro, mas não temos do que reclamar”, apontou.

Khodair comentou sua parte na corrida e a ultrapassagem sobre Hoover Orsi. “Quando assumi o carro vi que tínhamos ritmo para chegar na frente, mas como de outras vezes sabia que ultrapassar os Porsche é muito difícil. Nós temos menor velocidade de reta e perdemos muito downforce quando estamos atrás de alguém, e o carro fica muito lento”, explicou. “Eu queria ultrapassá-lo de qualquer maneira, mas também não queria arriscar nossa corrida. Portanto, fiquei esperando o melhor momento, que acabou acontecendo faltando menos de três voltas para o final. Foi um resultado muito positivo, e até poderíamos ter conseguido a vitória se a ultrapassagem tivesse acontecido mais cedo, mas vamos em busca dela amanhã”, disse.

“Durante o decorrer do campeonato erramos muito, pilotos e equipe, e tivemos muito azar. Mas estamos achando nosso caminho. Fomos aprendendo, amadurecendo e os resultados começaram a aparecer, como todos podem perceber. Gostamos de andar na frente e queremos sempre continuar entre os primeiros”, afirmou seu parceiro Marcelo Hahn.

Sobre sua primeira corrida no Itaipava GT3, Julio Campos disse ter aproveitado bastante. “Foi muito legal, mas a minha largada não foi tão boa, fiquei preso atrás do carro do Lico e perdi algumas posições. Depois, no fim da Reta Oposta, tive que sair da pista para evitar bater no Lamborghini do Dahruj. Perdi algum tempo, mas depois tínhamos um bom ritmo e fomos recuperando esse terreno: virávamos voltas boas e entreguei o carro ao Hoover em boas condições. Foi bem legal a estréia, uma ótima primeira experiência com esse carro maravilhoso”, narrou.

“Fizemos um ajuste no carro para ele não sair tanto de traseira, mas na parada de box a equipe mexeu na barra traseira e amoleceram a suspensão. Então, o carro ficou muito ‘dianteiro’ e muito lento no miolo do circuito. Nas curvas eu tinha que andar mais devagar e ficar esperando a frente voltar para a trajetória correta. Quando o Allam chegou – nas últimas seis voltas – a embreagem começou a ‘colar’ e foi piorando a cada volta. Nos últimos giros era só tentar trazer o carro para o final”, lamentou Orsi. “Lógico que agente queria a dobradinha, mas primeiro e terceiro está de bom tamanho para o time. Tem amanhã, ainda”, disse.

GT Masters – No campeonato para as duplas que possuem um piloto bronze em sua formação (exceto platina-bronze), Brito, Paludo, Hahn e Khodair mantiveram o resultado, com Rafael Derani/Cláudio Ricci em terceiro, Cláudio Dahruj/Rafael Daniel em quarto e Bruno Garfinkel/Chico Serra em quinto lugar.

A programação deste domingo (29) começa às 8h20 com o warm-up dos supercarros. A largada para a 16ª e última etapa do Itaipava GT3 Brasil 2009 acontece às 12 horas, com transmissão ao vivo pelo canal Record News e via internet pela RaceTV.

Confira o resultado da 15ª etapa:

1º) 5 – V.Brito/M.Paludo (PO, PB/RS), 34 voltas em 58min20s475 (média de 150,67 km/h)
2º) 16 – M.Hahn/A.Khodair (FE , SP/SP), a 5s322
3º) 6 – H.Orsi/J.Campos (PO , MS/PR), a 8s365
4º) 3 – R.Derani/C.Ricci (FE , SP/RS), a 28s117
5º) 8 – C.Dahruj/R.Daniel (LP , SP/SP), a 35s619
6º) 33 – B.Garfinkel/C.Serra (LA , SP/SP), a 37s462
7º) 19 – C.Longo/B.Gresse (FS , SP/SP), a 1min01s294
8º) 70 – W.Derani/L.Derani (FE , SP/SP), a 1min12s653
9º) 47 – A.Collares/D.Muffato (VI , SP/PR), a 1min18s111
10º) 13 – P.Queirolo/L.Vital (VI , SP/SP), a 1min36s167
11º) 18 – F.Poeta/J.Santanna (FE , SP/RS), a 1 volta
12º) 77 – L.Kaesemodel/N.Merlo (FE , PR/SP), a 14 voltas
13º) 30 – C.Faria/V.Faria (LA , SP/SP), a 21 voltas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *