GT3 Brasil: Xandy e Mattheis vencem no DF e assumem liderança

Dupla conquista segunda vitória do ano e a oitava na categoria.

Uma vitória incontestável, que só foi brevemente ameaçada no início da prova, levou Xandy Negrão e Andreas Mattheis (Medley) à liderança da GT3 Brasil neste sábado no Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília. Depois de um início corrida tumultuado, os atuais campeões dominaram a quinta etapa com tranqüilidade e abriram oito pontos de vantagem sobre Walter Salles-Ricardo Rosset, que abandonaram por quebra do motor logo na quinta volta. Foi a segunda vitória em 2008 e a oitava na categoria desde o ano passado.

Na estréia do Ford GT de Mattheis e Negrão, a expectativa de uma luta acirrada com o modelo similar de Rosset e Salles acabou frustrada. Terceiro no grid, Salles fez uma largada ousada sobre o pole Mattheis e tomou a ponta na primeira curva, onde os dois carros chegaram a tocar as laterais. “Tomei um susto, nem vi de onde ele saiu”, afirmou Mattheis, que reconheceu a partida conservadora.

Logo na segunda volta, no entanto, o Lamborghini Gallardo de Paulo Bonifácio escapou e ficou em posição perigosa na curva de entrada da reta, obrigando à entrada do safety car. Na relargada, enquanto Salles surpreendia ao recolher o carro aos boxes, o Dodge Viper de Elias Nascimento saiu melhor que Mattheis. “Fiquei preocupado em não ultrapassar o Salles antes da linha de chegada e o Viper estava com o motor mais cheio”, explicou Mattheis. “Mas não me preocupei porque sabia que poderia passá-lo mais cedo ou mais tarde”, acrescentou. Nem foi preciso: na volta seguinte, Elias Nascimento parou ao lado da pista com problema mecânico.

A partir daí, o Ford GT passeou pela pista. Na troca de pilotos, Mattheis entregou o volante ao parceiro com cinco segundos de vantagem sobre a Ferrari F430 de Cláudio Ricci. Mas uma punição (passagem pelos boxes) por irregularidade no reabastecimento custou o segundo lugar ao piloto gaúcho e a possibilidade de subir ao pódio, que acabou completado pelo Porsche 997 de Valdeno Brito-Norberto Gresse e o Dodge Viper Coupé dos irmãos Fábio e Wagner Ebrahim.

Com a vantagem de 25 segundos na bandeirada quadriculada, Xandy Negrão disse que só ficou preocupado quando viu o Ford GT “apagar” 500 metros depois de cruzar a linha de chegada. “Tive de resetar todo o carro, mas felizmente ele voltou a funcionar. São coisas de corrida. Assim como aconteceu depois da bandeirada, poderia ter sido um pouco antes”, lembrou Xandy, autor da volta mais rápida da corrida.

Mattheis admitiu que o problema com o motor do outro Ford GT – a quebra de um cilindro – acendeu o sinal amarelo para a Medley para o complemento da rodada dupla neste domingo, mas fez uma ressalva. “Achamos que os pilotos do outro Ford GT estão abusando um pouco do giro nas reduzidas. Se continuarmos tendo cuidado, acho que não teremos porque nos preocupar.” A 6ª etapa, com a mesma duração de uma hora, tem início marcado para as 13h15.

O resultado da prova em Brasília:
1º) Andreas Mattheis/Xandy Negrão (FG) 28 voltas em 1:00:43.427 (média de 151.47 km/h)
2º) Norberto Gresse/Valdeno Brito (P9), a 25s889
3º) Wagner Ebrahim/Fábio Ebrahim (VC), a 48s235
4º) Renato Cattalini/Antonio Jorge Neto (F4), a 1min01s543
5º) Emerson Fittipaldi/Wilsinho Fittipaldi (P9), a 1min02s152
6º) Cláudio Ricci/Rafael Derani (F4), a 1min09s027
7º) Thiago Marques/Alceu Feldmann (LG), a 1min32s015
8º) Marcelo Hahn/Allam Khodair (F4), a 1min38s411
9º) Walter Derani/Giuliano Losacco (F4), a uma volta
10º) Sérgio Cunha/Luis Garcia (F4), a 5 voltas

FG: Ford GT
P9: Porsche 997
VC: Viper Coupé
F4: Ferrari F430
LG: Lamborghini Gallardo

A nova classificação do campeonato:
1, Xandy Negrão e Andreas Mattheis, 36 pontos;
2, Walter Salles-Ricardo Rosset, 28;
3, Paulo Bonifácio e Ingo Hoffmann, 24;
4, Cláudio Ricci e Rafael Derani, 19;
5, Wagner Ebrahim-Fábio Ebrahim, 16.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *