Histórias: Equipe Wolf

Walter Wolf , canadense que fez fortuna com petróleo, apareceu para á Fórmula 1 no final de 1975, depois de comprar 60% da equipe Williams, que passava por enormes dificuldades financeiras, e o espólio da equipe Hesketh. Com Frank Williams como chefe de equipe e usando os Hesketh 308 C, renomeados como Williams FW 05, o experiente belga Jacky Ickx foi contratado juntamente com o novato francês Michel Leclere, mais os resultados da equipe Wolf-Williams foram fracos, e no meio da temporada os dois pilotos foram substituídos por pilotos que alugavam o carro por alguns GPs, nenhum ponto foi marcado no ano.
Decidido a fazer sucesso Walter Wolf resolveu construir o seu próprio chassi para 1977, e o piloto sul-africano Jody Scheckter, ex Tyrrell, assumiu a condução do Wolf WR1 com motor Ford, Frank Williams deixou a equipe (construiu outro carro e contratou o belga Patrick Neve). E a surpresa veio logo na estréia, no GP da Argentina, largando em 10º, Scheckter venceu, sendo a primeira vez que uma equipe estreava na Fórmula 1 com vitória.

O carro de mostrou muito bem acertado, projeto de Harvey Postlethwaite, e no decorrer da temporada foi o grande rival da Ferrari, tendo vencido mais duas provas, Mônaco e Canadá, e terminando duas vezes em segundo e quatro em terceiro, no final do ano Scheckter se tornou vice-campeão com 55 pontos, e a equipe terminou em 4º entre os construtores, com apenas um carro.

Para 1978, foi projetado o WR5, mais os resultados não foram tão bons, mesmo depois do lançamento do WR6, Scheckter conseguiu apenas dois segundos e dois terceiros, terminando o ano com 24 pontos, em sétimo no mundial de pilotos, no de construtores a equipe foi quinto. Os novatos Keke Rosberg, finlandês, e Bobby Rahal, americano, conduziram modelos antigos em alguns GPs, sem resultados expressivos.

Scheckter é contratado pela Ferrari e para 1979 a equipe contrata o ex-campeão mundial, de 1976, James Hunt, para guiar o WR7, o carro não consegue bons resultados e depois do GP de Mônaco James Hunt decide se aposentar, deixando o carro para Keke Rosberg, que também não consegue mais do que um nono lugar na França, mesmo depois do WR9 ser lançado. No final do ano, sem marcar pontos no campeonato, Walter Wolf decidiu se retirar vendendo a equipe para os irmãos Fittipaldi.

A Wolf venceu três GPs, em 48 disputados, marcando 79 pontos, 1 pole, Alemanha 1977, e 2 melhores voltas, Mônaco e Japão 1977.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *