Indy: Acidente tira de Bruno Junqueira a chance de confirmar, na corrida em Richmond, bom desempenho da classificação

Muitos carros, pouco espaço e o resultado: muitos acidentes, bandeiras amarelas e pouca chance para desviar dos obstáculos. Que o diga o mineiro Bruno Junqueira (Alcompac/Telemont), que viu a possibilidade de um bom resultado no GP de Richmond, nona etapa da Indy Racing League (IRL) escapar na 78ª das 300 voltas. Depois de largar em nono – sua melhor posição no grid na temporada, ele pouco pôde fazer em uma tentativa de relargada, quando a rodada do carro de Buddy Rice iniciou uma reação em cadeia no pelotão intermediário. Tocado por Ryan Briscoe (Penske), o mineiro parou no muro, depois de andar constantemente entre os 10 primeiros e mostrar um ritmo forte de corrida. A vitória ficou com Tony Kanaan (a primeira brasileira no ano), seguido por Hélio Castroneves. Apenas 12 dos 26 pilotos concluíram o GP.

Com mais pilotos largando do que nos anos anteriores e muita competitividade desde os treinos, logo começaram os toques e neutralizações. Já na oitava volta o australiano Will Power (KV Racing) deixava a prova, ao bater forte. A essa altura, Bruno brigava por posições com Hélio Castroneves e A.J. Foyt, que também bateria. Um diretor de prova atônito viu vários carros perdendo o controle depois de mais uma bandeira amarela, por detritos no circuito oval de 1.207m. Bruno, sem qualquer culpa, foi um deles e, desolado, viu seu Dallara Honda levado de volta aos boxes pela equipe de resgate.


“Tivemos um infeliz incidente hoje, só tentava me esquivar de carros que se acidentaram na minha frente e acabei sendo atingido. Era completamente esperada a ocorrência de vários acidentes, 26 carros é realmente mais do que esse circuito pode comportar, muito curto e estreito. A dificuldade em realizar ultrapassagens é imensa com tantos carros, e os acidentes são quase certos. Apesar de mais uma prova nao terminada, finalizo o fim de semana satisfeito, por ter alcancado minha melhor classificação. Sinto que cumpri o meu trabalho no que dependia de mim”, destacou Bruno. Ele volta as atenções para o próximo desafio do calendário, o GP de Watkins Glen, dia 6. A legendária pista próxima a Nova York tem tudo para garantir, ao mineiro, seu melhor desempenho no ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *