IndyCar: Bruno Junqueira disputa em Long Beach, prova de despedida da ChampCar, em busca de bom resultado

As últimas 100 voltas de uma história de três décadas, recheada de capítulos marcantes, disputas emocionantes e uma destacada participação brasileira. Se a reunificação das categorias de fórmula nos EUA teve seu lado bom, dando fim à rivalidade iniciada em 1996, por outro lado põe um ponto final na trajetória da ChampCar, iniciada em 1979, quando várias escuderias criaram a Championship Auto Racing Teams (CART), organizadora da competição. A partir das 17h (de Brasília), 20 pilotos recebem pela última vez a bandeira verde, no GP de Long Beach, e prometem um belo espetáculo, na aposentadoria dos Panoz/Cosworth. A prova vale ainda como terceira etapa da Indy Racing League (IRL) mas, para que os pilotos somem pontos na temporada, é necessário que o GP do Japão, em Motegi, seja efetivamente disputado – a largada, prevista para a madrugada deste sábado, foi adiada para a madrugada de domingo, devido a problemas de drenagem no circuito.

Três vezes vice-campeão da ChampCar, Bruno Junqueira (Brasil Telecomunicações/Telemont) é um dos participantes da despedida e, mesmo sem a posição de largada esperada, acredita em fazer bonito numa pista em que já subiu ao pódio três vezes (e foi pole em 2004). O piloto da Dale Coyne garantiu a 11ª posição no grid, com 1min07s786, mas aposta em sua experiência e na estratégia para recuperar terreno e marcar sua participação nessa prova especial. A primeira posição é do inglês Justin Wilson (Newman Haas Lanigan), com 1min06s902. A competitividade, aliás, foi a marca do treino decisivo de ontem. Nada menos do que os 12 primeiros estão no mesmo segundo.


Bruno lamentou os problemas de acerto que o impediram de largar no lugar esperado, mas promete o empenho habitual para terminar com um bom resultado. “Estou contente com o resultado que alcançamos hoje, não satisfeito, mas com a sensação de que pelo menos me salvei de uma vergonhosa posição, que não refletiria nosso potencial. Numa pista em que sempre tive grande domínio, as dificuldades que enfrentamos nesse fim de semana estavam sendo realmente frustantes, mas está bem melhor agora. Em 11º sei que posso brigar por um bom resultado amanhã”, afirmou. Entre os outros brasileiros, Enrique Bernoldi (Conquest) sai em oitavo. Antonio Pizzonia (Rocketsports) é o 14º, Mário Moraes (Dale Coyne) é o 17º e Roberto Moreno (Pacific Coast) é o 19º.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *