IRC: Alta velocidade e curvas cegas desafiam pilotos no Rally de Curitiba

Com trechos em que os carros chegam a 180 km/h e curvas muito fechadas sobre a terra batida, Oliveira prevê corrida bastante exigente no Paraná.

Sob tempo nublado, mas sem a ocorrência de chuvas e com alguns períodos de sol, as 53 duplas inscritas para no Rally Internacional de Curitiba 2010, que acontece neste final de semana (5 e 6 de março), finalizaram na tarde desta quarta-feira (3), ainda a bordo de carros de passeio, as sessões de reconhecimento do traçado, distribuído ao norte da região metropolitana da capital paranaense.

A prova, que neste ano marca a 30ª edição do Rally da Graciosa – uma das mais tradicionais e desafiadoras provas do calendário off road brasileiro -, é válida como a segunda etapa da temporada 2010 do Intercontinental Rally Championship (IRC), evento disputado em 12 provas, dez na Europa e as outras no Brasil e na Argentina. Além dos brasileiros, participam do Rally de Curitiba pilotos e navegadores vindos da Grã-Bretanha, Finlândia, República Tcheca, Portugal, Bolívia, Paraguai e Argentina.

Com um percurso total de 493,26 km, dos quais 219,3 são de trechos cronometrados, divididos em 15 especiais, a rota do Rally de Curitiba alterna trechos de altíssima velocidade e curvas bastante acentuadas.

Depois de enfrentar pela primeira vez o gelo e a neve do Rally de Monte Carlo, prova que abriu a temporada do IRC, o baiano Daniel Oliveira (GDK/Stohl Racing) – que estreia este ano no campeonato e é o primeiro brasileiro a disputar a toda a temporada da competição – prevê um fim de semana de muito trabalho no Paraná, por conta das condições da pista observadas durante o levantamento.

“É um traçado bem difícil, com chão de terra batida, que mistura trechos de alta velocidade, onde alcançamos até 180 km/h, e curvas cegas, nas quais entramos sem saber o que nos espera até sairmos delas”, afirmou. “Como algumas são muito fechadas, temos que confiar muito no equipamento, prender a respiração e nos jogar para dentro, fazendo o carro escorregar de lado na medida certa, para não perder velocidade e nem tempo com a derrapagem”, revelou o piloto de 24 anos.

Oliveira disputa o IRC ao volante de um Peugeot 207 S2000, inscrito na categoria N4 – a mais forte do rali, destinada a veículos de 1.601 cm³ a 2.000 cm³ de cilindrada, com turbo e tração nas quatro rodas -, preparado pela equipe suíça Stohl Racing. Mais uma vez, o jovem piloto terá ao seu lado o experientíssimo navegador francês Dennis Giraudet, de 54 anos, que tem seis vitórias no WRC (World Rally Championship) e já formou duplas com Carlos Sainz e Didier Auriol, entre outros grandes campeões do rali mundial.

A programação do Rally de Curitiba 2010 prossegue nesta quinta-feira (4), com as sessão de shakedown (primeiros treinos realizados com os carros de competição), seguido largada promocional da prova, na região conhecida como Boca Maldita, no centro de Curitiba, e pela disputa do prólogo, treino classificatório que define a ordem de largada oficial do rali.

Na sexta-feira (5), as competições têm início às 8:30 da manhã, com a sequência de sete especiais, que têm término previsto para as 15:15 hs. No sábado (6), serão mais sete especiais e mais o Super Prime, última especial do rali, realizada em um circuito fechado especialmente preparado dentro da área do Autódromo Internacional de Curitiba, onde 15 mil pessoas poderão acompanhar a final eletrizante da competição, a partir das 14:20 hs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *