Kart: Brasileiros tentam quebrar hegemonia dos argentinos no Pan-Americano

Tradicionais rivais ficaram com os três últimos títulos na Sudam C, a principal categoria do Panamericano. Franco Vivian, atual bicampeão, Mathias Milla, vencedor em 2003, e Martin Acosta são os nomes a serem batidos.

A rivalidade entre o Brasil e a Argentina no Campeonato Panamericano de Kart, que prossegue até o próximo domingo (30) no Kartódromo dos Ingleses, em Florianópolis, tem uma forte razão de ser. Os dois países brigam pela liderança tecnológica no esporte e também pelos principais títulos do continente. E, embora o Brasil produza bons equipamentos e não dependa exclusivamente de chassis e motores importados, no segundo item, os argentinos têm levado vantagem.

Os pilotos do país vizinho ficaram com os três últimos títulos Panamericanos e a atual hegemonia começou em solo verde-amarelo, com a vitória de Mathias Milla em 2003, no circuito de Tarumã (RS). “Depois disso levamos a pior em Fray Bentos, no Uruguai, e em Zárate, na Argentina, nas duas oportunidades para o mesmo piloto: Franco Vivian”, lembrou Gabriel Tojal, um dos destaques brasileiros nos primeiros treinos para a atual edição do Pan.

O carrasco dos brasileiros também veio a Florianópolis este ano, e embora ainda não tenha despontado como favorito, sua aparente tranqüilidade se encaixa na teoria dos brasileiros de que ele está escondendo o jogo. “Meu kart é bom em ritmo de corrida, e é isso o que importa no Pan”, disse Vivian, lembrando que os pilotos terão um jogo e meio de pneus para disputar quatro corridas neste fim de semana.

Gabriel Tojal ressaltou que o fato da Argentina não ter tecnologia própria na construção dos karts acaba sendo positivo para os pilotos do país vizinho no Panamericano. Isso porque eles acabam desembarcando com chassis e motores desenvolvidos na Europa, o grande centro do kartismo internacional.

“É uma briga bastante equilibrada. Temos grandes adversários no continente e isso só faz com que o nível técnico dos pilotos, sejam eles brasileiros ou argentinos, aumente. Quem levar o Pan deste ano certamente estará preparado para representar bem seu país no Campeonato Mundial ou em qualquer outro torneio internacional”, ressaltou Tojal.

A seu favor, o piloto paulista tem o fato de ser um dos mais rápidos no trecho misto do circuito, que põe a prova a habilidade do piloto. Nesse ponto, ele divide com o brasiliense Felipe Guimarães a liderança do grupo de 42 inscritos na categoria Sudam. “Do fim da seqüência de S em diante, o kart trabalha mais que o piloto. Nesse ponto o equipamento fala mais alto e não há muito o que fazer”, finalizou Tojal.

As provas classificatórias para o Campeonato Panamericano de Kart serão neste sábado. As finais estão marcadas para domingo, a partir das 10h00 da manhã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *