Mercedes-Benz Challenge: modificações na pista são destaque em Tarumã

– Pilotos comentam nova chicane: “vai definir posições na largada”
– Frio também pode ser destaque neste início de inverno gaúcho

Com o início oficial do inverno na última segunda-feira, os pilotos e equipes do Mercedes-Benz Challenge vão ao circuito gaúcho de Tarumã para a terceira etapa do torneio de olho na temperatura. A prova, a ser realizada no próximo domingo (26), pode ser marcada por baixas temperaturas, algo que certamente terá influência no comportamento dos pneus e, consequentemente, na pilotagem e ajuste dos carros. Além disso, os competidores entrarão na pista pela primeira vez desde a instalação de uma chicane entre as curvas 2 e 3, construída em 2014 para aumentar a segurança naquele trecho. Segundo os pilotos, a freada antes da chicane será determinante para a primeira metade da corrida.

Outra novidade é a estreia da divisão CLA AMG Cup no circuito gaúcho localizado no município de Viamão, a 40 quilômetros de Porto Alegre. A categoria foi criada em 2014, mas o torneio não compete em Tarumã desde 2013, quando realizou uma rodada dupla da C 250 Cup, com vitória do gaúcho Márcio Campos e do mineiro Edson Coelho Júnior. “Nossa equipe fez um treino em Tarumã há 60 dias justamente para nos adaptarmos ao carro naquele traçado”, revela o paulista Fernando Amorim, da Sul Racing, parceiro do também paulista Fernando Fortes, vencedor da etapa anterior, em Goiânia (GO). “Minha conclusão é que o CLA é muito eficiente naquela pista, pois tem ótima tração na dianteira e isso oferece mais estabilidade no contorno das curvas de alta velocidade”, avalia o piloto.

Fortes destaca a importância da nova chicane na prova do Mercedes-Benz Challenge: “Você é obrigado a reduzir bastante a velocidade – o que é bom, pois aquele trecho era perigoso. Do ponto de vista da competição, vai ser um elemento decisivo, pois muita coisa em termos de posição será decidido naquela freada logo após a largada. Mas, como os pneus ainda não estarão na temperatura ideal, será preciso cuidado para controlar o carro ali”, prevê Amorim.

C 250 Cup – A perspectiva de temperaturas mais baixas do que as enfrentadas na etapa anterior – Goiânia, onde o calor superava os 30 graus – e suas consequências na aderência dos pneus também está no centro das atenções dos pilotos da C 250 Cup. “Nosso motor é eficiente com temperaturas amenas, então na parte mecânica estamos muito tranquilos”, diz Beto Rossi, da equipe RSports. “Os pneus devem trabalhar idealmente a 100oC e, caso a temperatura seja baixa, é difícil superar os 80 graus logo de cara. Isso reduz a aderência e, para ser rápido, o piloto tem que arriscar mais, vir ‘com a faca entre os dentes’”, compara Rossi. “Por exemplo, no treino que define o grid, com a temperatura na casa dos dez graus, a volta boa do pneu novo não será mais a segunda, mas a quarta ou quinta. Na largada, com os pneus ainda longe da temperatura ideal, todos terão que ter muita atenção para andar rápido e com segurança”, diz o piloto.

Outro detalhe importante é a própria característica do circuito, considerado o mais veloz do Brasil. “A curva 1 é a mais radical do automobilismo nacional”, informa Beto Rossi. “Quer ver um piloto se sentir realizado? Basta dar a ele a chance de ultrapassar alguém por fora na curva 1 de Tarumã. Isso diz tudo”, exemplifica Rossi, dando a entender que, se pode ser a mais fria em termos de temperatura, a corrida no circuito gaúcho tem tudo para ser uma das mais quentes em emoção e competitividade.

O Mercedes-Benz Challenge retorna a Tarumã com suas duas divisões vivendo momentos de grande competitividade, como mostra a briga pela liderança. Na CLA AMG CUP, o líder Arnaldo Diniz tem 35 pontos e tem vantagem de apenas dois em relação ao vice Fernando Fortes. Já na C 250 Cup, Claudio Simão lidera empatado com a dupla Marcos Paioli/Peter Gottschalk Júnior, também com 35 pontos. Confira a classificação:

CLA AMG Cup
1) Arnaldo Diniz Filho, 35 pontos
2) Fernando Fortes, 33
3) Claudio Dahruj, 27
4) Betão Fonseca, 24
5) Lorenzo/Paulo Varassin, 19
6) Roger Sandoval, 18
7) José Vitte, 17
8) Neto De Nigris, 15
9) Renato Braga, 14
10) Carlos Kray, 8
11) José Henrique Assunção, 8
12) Luiz Carlos Ribeiro, 7
13) Pierre Ventura, 7
14) Fernando Poeta, 7
15) Cesar Fonseca, 6
16) Adriano Rabelo, 5
17) Marcelo Hahn, 5
18) Cristian Mohr, 4
19) Fernando Junior, 3
20) Paulo Totaro, 2

C 250 Cup
1) Claudio Simão, 35 pontos
Marcos Paioli/Peter Gottschalk, 35
3) Flavio Andrade, 27
4) Max Mohr, 24
5) Peter Michel Gottschalk, 24
6) Sérgio Maggi, 17
7) Idenis R. de Souza, 16
8) Fabio Escorpioni, 10
9) Betinho Sartório, 9
10) Mateus Biriba, 9
11) Beto Rossi, 8
12) Romualdo Magro, 8
13) Carlos Guilherme, 7
14) João Lemos, 7
15) André Paulo Varasin, 6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *