Moto 1000 GP: Costa Neto e Batista protagonizam primeira etapa da GP Light

Em duelo acirrado com João Victor Batista, Dudu Costa Neto vence GP Light
Disputa pela liderança na abertura do Moto 1000 GP em Interlagos confronta pilotos com motos de características bem distintas

O duelo acirrado entre os dois primeiros colocados marcou na tarde desta sexta-feira (8) a primeira etapa da categoria GP Light no Moto 1000 GP. Eduardo Costa Neto conduziu a Kawasaki número 117 da Mobil Rush Racing à vitória no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, São Paulo. À linha de chegada após as 13 voltas da corrida, sua vantagem sobre a Honda de João Victor Rodrigues Batista, segundo, era de apenas seis décimos de segundo.

Largando da pole-position, Costa Neto manteve relativa vantagem sobre os concorrentes nas quatro primeiras voltas da corrida, instante em que Batista – conhecido pelo apelido “Tripinha” – deu início à aproximação. Batista apareceu na liderança pela primeira vez na sexta volta de corrida, dando início ao revezamento na primeira posição. A essa altura, os dois estavam cerca de 20 segundos à frente do segundo pelotão, liderado por Eduardo “Minhoca” Zampieri.

Uma das manobras que ganharam destaque na corria foi a ultrapassagem de Costa Neto sobre Batista na sétima volta, pela linha externa da pista no Bico de Pato, curva de menor velocidade do circuito paulistano. Na abertura da volta oito, “Tripinha” retardou a frenagem ao final da reta dos boxes e voltou à liderança, que manteve por cinco curvas – Costa Neto superou-o logo depois do “Laranjinha” e se manteve na liderança até a bandeirada final.

A partir do momento em que reassumiu a liderança em definitivo, Eduardo Costa Neto tratou de abrir vantagem. Estabeleceu a até então volta mais rápida na nona volta, o que evidenciou a durável competitividade dos pneus Michelin, e a duas voltas do fim tinha 3s4 de vantagem sobre o adversário. O esboço de reação de João Victor Batista veio na penúltima volta, quando cravou de vez a volta mais rápida da corrida, reduzindo sua desvantagem a 1s2.

A aproximação que poderia render uma definição do resultado na linha de chegada esbarrou em um erro cometido por Batista na curva da Junção na volta decisiva. “Errei, perdi a traseira de moto e perdi tempo”, admitiu o piloto da Fura 300 Racing. “Não era para ele ter vencido”, acrescentou, em alusão ao vencedor Costa Neto. O vencedor admitiu a suposição do adversário. “Eu sabia que poderia perder a posição na reta final, mas deu tudo certo”, aliviou-se.

Costa Neto chamou atenção para o fato de estar na pista com uma moto com motor de 600cc – a Honda de “Tripinha” tem 1.000cc. “Eu sabia que tinha um rendimento melhor no miolo e que ele se dava melhor na reta. Tive sorte no final, aproveitei as ultrapassagens sobre retardatários para abrir um pouco. Nas quatro últimas voltas eu imprimi um ritmo mais forte de corrida, justamente na tentativa de conter os avanços do João Batista na reta”, narrou.

João Victor Rodrigues Batista teve nos treinos para a primeira etapa seu primeiro contato com a moto de 1.000cc. “Ainda estou me adaptando, no domingo vai ter mais”, disse. Ele falou sobre a diferença de equipamentos. “A moto de 600cc é mais leve, isso dá vantagem na parte lenta da pista. Não adiantaria eu me afobar no miolo e arriscar muito para me manter à frente. Ultrapassar e ser ultrapassado faz parte da corrida”, ponderou.

Sérgio Laurentys, terceiro colocado na corrida, diz ter vivido uma corrida “divertida”. “Foi uma corrida muito legal, com motos de várias marcas e diferentes potências, e as disputas aconteceram o tempo todo. A toda hora alguém chegava em alguém e abria uma disputa”, observou o piloto, inscrito com a Triumpf 675cc número 72 da Mobil Rush Racing Team. “Isso é ótimo, porque aumenta bastante a expectativa para a corrida de domingo”, acrescentou.

A segunda prova da categoria GP Light, no domingo, terá largada às 12h. O Moto 1000 GP tem patrocínio oficial de Petrobras, Lubrax e BMW Motorrad, apoio de Michelin e Beta Ferramentas e parceria técnica de Servitec Dinamômetros, W2 Boots, Vaz, Akrapovic, K&N e MRA. Depois de 13 voltas, a classificação final da primeira etapa das categorias GP Light e BMW S1000RR Cup no Moto 1000 GP foi a seguinte:

1º) Eduardo Costa Neto (SP/Kawasaki), GP Light, 23min30s511
2º) João Victor Rodrigues Batista (MS/Honda), GP Light, a 0s675
3º) Eduardo Zampieri (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 40s893
4º) Sérgio Laurentys (SP/Triumph), GP Light, a 41s225
5º) Ricardo Kastropil (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 41s287
6º) Leymar Sanches (SP/BMW), GP Light, a 58s685
7º) Nick Iatauro (SSP/BMW), GP Light, GP Light, a 1min33s394
8º) Reynaldo Mendes (SP/BMW), GP Light, a 1min47s891
9º) Samuel Andreghetto Júnior (SP/BMW), GP Light, a 1 volta
10º) Brecht Mondragon (SP/Yamaha), GP Light, a 1 volta
11º) Sérgio Prates Pereira (SP/Suzuki), GP Light, a 1 volta
12º) Rodrigo Faria (SP/Yamaha), GP Light, a 1 volta
13º) Glaucus Vinicius (SP/Kawasaki), GP Light, a 2 voltas
14º) Denílson de Oliveira (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 2 voltas
15º) Fábio Teixeira Neto (MG/Yamaha), GP Light, a 6 voltas
Melhor volta: Batista, na 12ª, 1min45s691, média de 146,771 km/h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *