Moto 1000 GP: João Victor Batista vence e também é líder da GP Light

João Batista dá o troco em Dudu Neto e vence segunda etapa da GP Light
Ultrapassagem sobre a linha de chegada na última volta empata disputa pela liderança do campeonato no Moto 1000 GP

O Moto GP 1000 tem dois pilotos dividindo a liderança da categoria GP Light. João Victor Baptista, com a Honda da Fura 300 Racing, conquistou na linha de chegada, após 13 voltas, a vitória na segunda corrida da primeira etapa, neste domingo (10) no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, São Paulo. Eduardo Costa Neto, que venceu a corrida de sexta-feira (8), cruzou a linha de chegada em segundo lugar, com Sérgio Laurentys, terceiro, completando o pódio.

A primeira volta foi marcada pelo revezamento na liderança. Batista saltou à frente na largada, foi superado na segunda perna do ‘S’ do Senna e retomou sua primeira posição na reta oposta. Resistiu às investidas do piloto da Kawasaki até a sexta volta, quando Costa Neto voltou à primeira posição no trecho mais lento da pista – no complemento da volta, Batista retomou o primeiro lugar no início da reta dos boxes para mais uma vez abrir vantagem de 0s6.

A negociação com o tráfego dos retardatários quando a corrida chegou à metade favoreceu Batista – sua margem foi a 2s1 na sétima volta e chegou a 3s1 na oitava. Na nona, quando passou pela reta principal tentando se comunicar com a equipe agitando a mão esquerda, a diferença caiu a 2s4. Na décima, Costa Neto chegou a aniquilar totalmente o espaço que o separava do líder, embora houvesse exato um segundo de diferença à linha de chegada.

Na 11ª volta, foi Costa Neto quem se beneficiou da presença de pilotos retardatários na pista. Na aproximação para a curva Bico de Pato, assumiu a ponta apontou na reta principal como líder para a abertura da penúltima volta – chegou a ser superado por Batista, que acabou perdendo o traçado ideal na frenagem para o ‘S’ do Senna e caiu novamente para segundo. Costa Neto iniciou a volta dois décimos de segundo à frente de Batista.

A presença dos retardatários foi novamente decisiva na volta final. Costa Neto saiu da Junção em primeiro, mas viu-se sem o espaço ideal para consolidar uma ultrapassagem. Batista aproveitou para se reaproximar, apontou na reta dos boxes como segundo colocado e obteve a poucos metros da linha de chegada a ultrapassagem que lhe valeu a vitória – a diferença final entre os dois foi de 0s145. Laurentys, o terceiro, terminou a prova a 23s390 do vencedor.

“Quando o Dudu me passou, resolvi ficar atrás dele, poupando um pouco o equipamento para o final. Eu também fiquei bastante cansado, essa corrida foi muito mais cansativa que a de sexta-feira, vi que preciso melhorar o meu preparo físico, que não está como imaginava”, declarou Batista, piloto da Honda número 73 da equipe Fura 300 Racing. Ele compete com apoio de Fura 300 Racing, Case Tork Sul, Girux Lubrificantes e Açaí Demarchi.

Costa Neto, vencedor da corrida de sexta-feira, frisou a dificuldade que enfrenta por pilotar uma moto com motor de 600cc. “Ou eu encontro uns 30 ou 40 cavalos perdidos por aí, ou vou ter que comprar uma 1.000 cilindradas”, brincou. “Está difícil segurar o pessoal de 1.000cc. Por outro lado, eu fiquei bastante surpreso com o rendimento dos pneus Michelin, que me permitiram um ritmo forte até o final. Foi uma corrida deliciosa”, definiu o piloto da Mobil Rush Racing.

Laurentys, também piloto da Mobil Rush Racing, levou sua Triumph mais uma vez ao terceiro lugar no pódio. “Perdi a referência do grupo da frente porque, no começo, escorreguei demais, com os pneus ainda frio, aí não consegui mais recuperar. No finzinho, peguei retardatários na Junção e fiquei um pouquinho mais para trás. Mas foi uma corrida bacana, com isso nós vamos fazer um campeonato muito bonito”, apostou o piloto, que é apoiado por Mobil Lubrificantes.

O Moto 1000 GP tem patrocínio oficial de Petrobras, Lubrax e BMW Motorrad, apoio de Michelin e Beta Ferramentas e parceria técnica de Servitec Dinamômetros, W2 Boots, Vaz, Akrapovic, K&N e MRA. O resultado final da segunda prova, depois de 13 voltas, foi o seguinte:

1º) João Victor Rodrigues Batista (MS/Honda), GP Light, 23min16s697
2º) Eduardo Costa Neto (SP/Kawasaki), GP Light, a 0s145
3º) Sérgio Laurentys (SP/Triumph), GP Light, a 23s390
4º) Eduardo Zampieri (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 23s616
5º) Ricardo Kastropil (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 33s629
6º) Nick Iatauro (SP/BMW), GP Light, a 1min24s316
7º) Reynaldo Mendes (SP/BMW), GP Light, a 1min24s612
8º) Leymar Sanches (SP/BMW), GP Light, a 1ub27s422
9º) Brecht Pataki Mondragon (SP/Yamaha), GP Light, a 1 volta
10º) Fábio Teixeira Neto (MG/Yamaha), GP Light, a 1 volta
11º) Rodrigo Faria (SP/Yamaha), GP Light, a 1 volta
12º) Fernando Itapura (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 1 volta
13º) Samuel Andreghetto Júnior (SP/BMW), GP Light, a 1 volta
14º) Denílson de Oliveira (SP/BMW), BMW S1000RR Cup, a 1 volta
NÃO COMPLETOU
Glaucus Vinicius (SP/Kawasaki), GP Light, a 6 voltas
DESCLASSIFICADO
Sérgio Prates Pereira (SP/Suzuki), GP Light
Melhor volta: Costa Neto, na 12ª, 1min46s170, média de 146,109 km/h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *