Porsche Império GT3 Cup Endurance Series: 300km de Goiânia: o relato da prova

Em uma prova marcada pela disputa entre os carros da RCHLO, de Neugebauer e Jimenez, e da Shell, de Zonta e Kaesemodel, não faltaram disputas e jogos de estratégia nas classes 4.0 e 3.8. Confira como foram os 300km de Goiânia, disputado sob forte sol da capital goiana.

Em mais uma jornada emocionante e com disputa acirrada até a linha de chegada, Sérgio Jimenez e Werner Neugebauer, da equipe RCHLO, venceram mais uma vez na Porsche Império GT3 Cup Endurance Series, ao completarem os 300 Quilômetros de Goiânia com apenas 1s445 de vantagem sobre Ricardo Zonta e Lico Kaesemodel, da Shell Racing. Luca Seripieri/Dennis Dirani, Cacá Bueno/Sylvio de Barros e Vitor Baptista/Pedro Queirolo completaram o pódio da categoria 4.0.

Na classe 3.8, pai e filho, Maurizio e Marco Billi conquistaram a vitória e foram seguidos por Pedrinho Aguiar/Kreis Jr.. As duplas Chico Horta/William Freire, Matheus Iorio/Carlos Renaux e Patrick Choate/Marcelo Brisac completaram o pódio.

Já na categoria 4.0 Sport a vitória ficou com Seripieri e Dirani, com Popó Bueno e Carlos Ambrósio fechando em segundo lugar e Fábio Carbone e Dominique Teysseyre na terceira colocação.

Ainda no procedimento de largada, os 300 km de Goiânia já tiveram agitação, com Nonô Figueiredo e Ricardo Baptista tendo o carro trocado antes mesmo da corrida. No momento do começo de prova, o sol brilhava intensamente, e a temperatura batia em 32 graus (51 no asfalto).

As equipes montaram diferentes estratégias na divisão dos stints por pilotos. Da primeira fila, largaram dois concorrentes regulares da categoria, Werner Neugebauer e Lico Kaesemodel, enquanto a segunda fila teve na saída dois convidados, Dennis Dirani e Nonô Figueiredo, e a terceira tinha só pilotos regulares, Sylvio de Barros e Enzo Elias.

Werner Neugebauer tomou a liderança, enquanto Lico Kaesemodel foi ultrapassado por Dennis Dirani. Quem teve um forte começo de corrida foi o convidado Fábio Carbone, que passou por Sylvio de Barros para ficar em quarto. Nonô Figueiredo e Enzo Elias também passaram por Sylvio em seguida. Na classe 3.8, o pole Carlos Renaux manteve a ponta, enquanto Chico Horta superou Paulo Totaro para ficar em segundo.

Logo na segunda volta, Rodrigo Baptista e Rodrigo Mello tiveram um contato no fim da reta dos boxes e acabaram ficando fora da corrida, pois não conseguiram se mover de volta aos boxes pelos próprios meios. No entanto, os carros não ficaram em posição perigosa, e não foi necessária a intervenção do safety car.

Na sétima volta, Miguel Paludo, que vinha em nono, teve de antecipar sua primeira parada nos boxes devido a um pedaço solto no parachoque e à perda de fluídos. Com isso, Daniel Schneider herdou a posição, mas parou nos boxes duas voltas depois para dar lugar a Nelsinho Piquet, no primeiro revezamento entre pilotos na corrida – Nelsinho já começou fazendo a melhor volta. Logo depois, Fernando Fortes deu lugar a Pedro Piquet no carro #32 da Michelin.

A corrida seguiu extremamente equilibrada entre os quatro primeiros da classe 4.0. Na abertura da décima volta, Neugebauer, Dirani, Kaesemodel e Carbone estavam separados por apenas 1s2 – Enzo Elias fez bela manobra sobre Nonô Figueiredo para ficar em quinto, a dois segundos de Carbone. Já na classe 3.8, Renaux disparou logo nas primeiras voltas e, com 15 minutos de prova, já tinha 6s5 de frente para Chico Horta.

Depois de nove voltas perdidas nos boxes, o carro #7 voltou à pista com Justin Allgaier no lugar de Paludo. Ao mesmo tempo, outras trocas de pilotos ocorreram, com Ricardo Zonta substituindo Lico Kaesemodel, enquanto Werner Neugebauer fez o pit stop mas permaneceu no carro #8 para seu segundo stint consecutivo. Com isso, Dennis Dirani assumiu a primeira colocação na 4.0.

Com meia hora de prova, Dirani liderava seguido por Carbone, Elias, Nonô, Sylvio e Pedro Queirolo, todos ainda sem pit stop. Na 3.8, Kreis Jr. era o líder à frente de Chico Horta e Patrick Choate, enquanto Renaux era o quarto, mas já tendo feito a primeira parada obrigatória.

Dirani, Elias e Nonô, que chegou a dar uma escapada, estenderam a janela ao máximo. Na 25ª volta, Enzo Elias entrou nos boxes para dar lugar a Max Papis, enquanto Dennis e Figueiredo pararam dois giros mais tarde para cederem a vez a Luca Seripieri e Ricardo Baptista. Com 39 minutos de corrida, todos os competidores já tinham entrado nos pits.

Werner Neugebauer recuperou a primeira colocação, seguido por Ricardo Zonta e Nelsinho Piquet, que, com seu forte ritmo de corrida, escalou o pelotão e subiu para o top3 ao ultrapassar Seripieri. Mais atrás, o carro #0, pilotado por Cacá Bueno no segundo stint, começou a reagir e subiu para nono. Já na categoria 3.8, Matheus Iorio reassumiu a ponta para o carro #145, seguido por William Freire e Renan Guerra.

Na volta 32, Nelsinho Piquet entrou nos boxes para o segundo pit stop, enquanto Zonta partiu definitivamente para cima de Neugebauer, que chegou a colocar uma roda na terra, mas conseguiu sustentar a dianteira.

Na 34ª volta, a liderança de Matheus Iorio na 3.8 foi embora junto com a roda traseira esquerda, que se soltou do carro #145 no meio da pista. Iorio ainda conseguiu chegar aos boxes pelos próprios meios, o que permitiu à permanência na corrida recorrendo ao carro reserva. Pedrinho Aguiar assumiu a liderança da classe à frente de Marcelo Brisac.

Com pouco mais de uma hora de corrida, Neugebauer entrou nos boxes para mais um pit stop, e foi substituído no carro #8 por Sérgio Jimenez, que seria o único entre os ponteiros a partir para dois stints consecutivos para encerrar a corrida. Duas voltas depois, Zonta, que havia assumido a ponta, entrou nos boxes e deu lugar a Kaesemodel.

Na 42ª volta, o carro de JP Mauro chegou a ter um princípio de incêndio, mas o piloto chegou aos boxes em segurança. Enquanto isso, com alguns pilotos nos boxes e outros no segundo stint, Luca Seripieri liderava na 4.0 seguido por Ricardo Baptista, Cacá Bueno e Vitor Baptista. Na 3.8, o primeiro era William Freire, à frente de Pedrinho Aguiar e Renan Guerra.

Depois de cumprir os seis minutos obrigatórios nos boxes, Lico voltou à frente de Jimenez, em briga que valia na pista o décimo lugar, mas na prática poderia definir a liderança. Com mais ação, Jimenez levou a melhor na saída da curva 1 e deixou Kaesemodel para trás. Logo, na 47ª volta, Seripieri era o líder, mas, com pneus já gastos, deu uma rodada espetacular. Mas retomou o controle do carro para voltar à pista. Em seguida, Luca entrou nos boxes, o que deu a ponta Vitor Baptista.

Com 50 de 79 voltas, Baptista seguia na ponta com o carro #17, à frente de Aguiar, segundo no geral e primeiro na 3.8, com o carro #71. Estes eram os últimos pilotos antes de fazer o segundo pit stop obrigatório. Quem teve a corrida comprometida foi a dupla Pedro Piquet/Fernando Fortes, que teve o pneu traseiro esquerdo furado e tiveram de antecipar o terceiro pit-stop -mais tarde, com problema no sistema de ABS do carro #32, teriam que fazer ainda outra parada extra.

Depois que todos cumpriram as paradas, Jimenez era o líder, enquanto Lico Kaesemodel, Dennis Dirani, Daniel Schneider e Sylvio de Barros completavam o top5. Na 3.8, a liderança era disputada entre Paulo Totaro e Chico Horta, que chegaram a ter um contato, em incidente que ficou sob investigação. Já Pedrinho Aguiar teve o pneu dianteiro direito furado e, ao mesmo tempo, Horta teve de recolher o carro aos boxes devido a uma nuvem de fumaça na traseira.

Na 57ª volta, Jimenez e Kaesemodel entraram nos boxes para o terceiro e último pit stop obrigatório. Com isso, Dirani recuperou a liderança momentaneamente, com Pedro Queirolo, Ricardo Baptista, Max Papis e Fábio Carbone fechando o top5.

Depois que todos pararam pela última vez, os cinco primeiros colocados da 4.0 eram Sérgio Jimenez, Ricardo Zonta, Luca Seripieri, Nelsinho Piquet, Cacá Bueno e Vitor Baptista. Na 3.8, Maurizio Billi assumiu o primeiro lugar depois da terceira rodada de pit stops, seguido por Pedrinho Aguiar, William Freire, Matheus Iorio, com carro reserva, e Patrick Choate.

Com um ritmo superior, Nelsinho partiu para cima de Seripieri na Curva Zero e tomou o terceiro lugar. Faltando 15 voltas para o fim, Piquet Jr. estava a 15 segundos de Zonta e a 22 de Jimenez, que era mais líder do que nunca naquele momento da prova.

Com duas horas de corrida, 71 voltas haviam sido completadas, e Jimenez liderava com quase dez segundos de vantagem, enquanto Nelsinho diminuía a diferença volta a volta para a casa dos 12 segundos. Enquanto isso, Cacá e Vitor tentavam alcançar Seripieri na briga pelo quarto lugar. A menos de cinco voltas da bandeirada porém, Nelsinho precisou levar o carro #5 para mais uma parada nos boxes por causa de pneu furado, cedendo o terceiro lugar para Seripieri.

Nas voltas finais, Zonta reduziu drasticamente a desvantagem e deu grande emoção ao fim da corrida. No entanto, Jimenez conseguiu resistir até o fim e conquistou mais uma vitória na Porsche Império GT3 Cup Endurance Series com apenas 1s4 de vantagem para Zonta. Na classe 3.8, Maurizio e Marco Billi confirmaram a vitória com uma volta de vantagem sobre Pedrinho Aguiar e Kreis Jr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *