Racing Festival: F-Future Fiat e Trofeo Linea prometem equilíbrio em Londrina

Estreia de Christian Fittipaldi e briga pela vaga na academia da Ferrari são atrações no PR

Pouco menos de dois meses depois das provas inaugurais no Rio de Janeiro, Fórmula Future Fiat e Trofeo Linea voltam à pista neste fim de semana para a segunda rodada dupla do calendário. As atrações automobilísticas do Racing Festival, complementado pelo campeonato de motos 600 Hornet, se apresentarão no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Londrina (PR). Os treinos livres serão abertos na sexta-feira, enquanto as tomadas classificatórias estão marcadas para sábado e todas as corridas serão realizadas domingo.

As corridas em Jacarepaguá deram a tônica do equilíbrio que deve marcar ambas as categorias até o final da temporada. O circuito do norte paranaense, com pouco mais de 3.000 metros de comprimento, dimensões reduzidas e poucos pontos de ultrapassagem, poderá acentuar ainda mais a igualdade de rendimento entre os pilotos. Um dos nomes mais experientes do grid, o campineiro Antonio Jorge Neto endossa essa impressão. “O Trofeo Linea é a série de turismo mais parelha do Brasil”, assegura o vice-líder. “A primeira etapa mostrou que os carros da Fórmula Future Fiat são bem iguais”, acrescenta o sorocabano João Jardim, que divide a ponta da tabela de pontos dos monopostos com o gaúcho Francisco Alfaya.

No Trofeo Linea, uma motivação extra para o público londrinense será a estreia de Christian Fittipaldi na Fittipaldi Racing, comandada pelo pai Wilsinho. “Será um reencontro depois de 20 anos”, observa Christian. “Estivemos juntos pela última vez no final da década de 80, antes de eu iniciar minha carreira internacional”, lembra. Com a chegada de Christian e seu parceiro Rodrigo Navarro, José Vitte e José Cordova trocam a Fittipaldi Racing pela W Racing. Já na Fórmula Future Fiat, o principal incentivo é a vaga no programa de desenvolvimento de jovens talentos da Ferrari oferecida ao campeão, além da temporada paga na Fórmula Abarth na Itália em 2011.

Os ingressos para o Racing Festival continuam à disposição dos torcedores nas concessionárias Honda, revendas Fiat e postos Shell credenciados de Londrina. A relação dos pontos de troca – na base de um ingresso por uma lata de óleo de cozinha – pode ser encontrada no site oficial www.racingfestival.com.br.

Veja como os pilotos estão encarando a etapa de Londrina:

TROFEO LINEA

André Bragantini (SP) – 1º colocado (26 pontos)

“É uma pista bem travada, costumo dizer que parece bastante com um kartódromo e acho que o Trofeo Linea em Londrina será ainda mais competitivo do que foi no Rio de Janeiro. Os carros devem vir muito mais próximos, porque é o tipo de traçado que favorece os carros que a gente usa e a posição de largada será importantíssima. Minha relação com a pista é muito boa, sempre me dei bem nas diversas categorias que corri lá. Os dois finais de reta exigem agressividade do piloto. Enfim, espero usar esse meu conhecimento para sair com um acerto bom e poder ir para a terceira rodada ainda na liderança.”

Antonio Jorge Neto (SP) – 2º colocado (20 pontos)

“Já ganhei corrida em Londrina, acho que foi de Fórmula Fiat, faz um tempo já, e acho que o Linea vai se dar muito bem ali. No Rio, fiquei impressionado de ver como os carros estavam nivelados, e isso é mais gostoso para o piloto, claro, porque pode trabalhar melhor sua pilotagem, traçar uma boa estratégia… Vou buscar um bom treino de classificação, porque a pista como todo mundo sabe é travada e largar atrás complica.”

Ulisses Silva (RJ) – 4º colocado (18 pontos)

“Meu objetivo em Londrina é muito claro. Tenho de chegar à zona de pontos, se possível bem na frente. Estou em quarto lugar no campeonato e quero pontuar o máximo para chegar a São Paulo um pouco mais relaxado, porque sei que será difícil para mim, já que não sou muito fã das pistas muito longas. Prefiro acelerar em pistas menores, e Londrina tem as característica que podem facilitar a minha missão. Quem largar atrás terá muita dificuldade para ganhar posições.”

Alceu Feldmann (PR) – 6º colocado (12 pontos)

“Adorei a categoria, fiquei muito entusiasmado de voltar a andar com carros de tração dianteira após quase 10 anos. Fiquei também contente por ter sido competitivo logo de cara, consegui largar entre os primeiros e isso aumentou a motivação. Eu poderia ter um resultado melhor na primeira corrida se não fosse um toque que levei quando estava em terceiro, mas na segunda o carro se mostrou o mais rápido da pista e sai de nono para chegar em terceiro. Em Londrina, estou confiante em brigar pelas primeira posições, porque conheço a pista dos tempos do Campeonato de Marcas, já subi ao pódio na Stock Car e tudo isso me dá mais vontade para recuperar o que poderia ter ganho no Rio.”

José Vitte (SP) – 7º colocado (8 pontos)

“A partir desta segunda etapa, acredito que nosso carro estará em melhores condições para brigarmos definitivamente pelas primeiras posições.”

Giuliano Losacco (SP) – 10º colocado (5 pontos)

“As duas primeiras corridas serviram para a gente entender várias coisas no carro e agora, depois dessa pausa da Copa do Mundo, acho que vamos melhorar bastante. A equipe trabalhou muito nesse período e conseguiu ampliar o conhecimento do Linea.”

Ricardo Maurício (SP) – 11º colocado (2 pontos)

“Não ganhei ainda em Londrina, mas sempre andei na frente, marquei pódio e é um traçado muito gostoso, desafiador, porque tem subida, descida, tem a curva 1 que é bem forte, a descida da reta oposta… O único problema mesmo são as áreas de escape, que praticamente não existem em alguns pontos rápidos. Os carros do Trofeo Linea são bem iguais e já ficou provado que é muito difícil de ultrapassar.”

Cesare Marrucci (SP) – 12º colocado (1 ponto)

“A expectativa é muito boa, porque conheço bem a pista, onde já andei várias vezes. E o segredo mesmo é largar bem, porque é curta, travada, estreita e dificulta demais na hora de ganhar posição. Claro que com carros bem equilibrados, como é o caso do Linea, fica ainda mais complicado. Estou contente por ter entrado na categoria, que é profissional e conta com pilotos experientes e de renome. Sinto-me bem disputando corridas contra eles. Fiz uma boa escolha.”

FORMULA FUTURE

Francisco Alfaya (RS) – 1º colocado (24 pontos)

“Acredito que a diferença de tempos entre os pilotos será um pouco maior em Londrina do que foi no Rio de Janeiro, por conta das características de cada pista. No Rio, havia muita área de escape e a gente podia buscar mais o limite do carro. Agora vai ser diferente, porque tem o muro ali perto e buscar o máximo do carro passa a ser mais desafiador. Mas estou preparado para essa rodada que é muito importante na temporada da Fórmula Future. Quero continuar ali na frente da classificação para poder continuar sonhando com esse prêmio da Ferrari.”

João Jardim (SP) – 2º colocado (24 pontos)

“A primeira rodada no Rio de Janeiro já demonstrou que os carros são bem iguais, como é a proposta da Fórmula Future, e isso me dá mais confiança para acreditar que eu possa ter um bom final de semana em Londrina. Minha intenção é trabalhar bem com os mecânicos e chegar logo ao acerto ideal, porque a tomada de tempos será muito importante. Aproveitei esse tempo para pensar melhor na temporada, traçar algumas metas e estou bem tranquilo.”

Johilton Pavlak (RN) – 5º colocado (18 pontos)

“Correr em Londrina será mais uma oportunidade para aprender no automobilismo. Estou usando a Fórmula Future como escola mesmo, para a cada etapa aprender ainda mais como funcionam os monopostos e seus acertos básicos. Não consegui treinar lá, mas a pista é conhecida por ser bastante rápida e exigir técnica dos pilotos. Estou preparado para mais essa rodada.”

Jonathan Louis (PR) – 6º colocado (14 pontos)

“Infelizmente não consegui treinar na pista antes dessa etapa. Mas tenho boas recordações do autódromo, porque conquistei um título e um vice no kart. Também já vi algumas corridas de carro lá e dá para ter uma noção. Sei que é uma pista técnica, com alguns pontos que vão fazer a diferença e alguns outros um pouco perigosos. Acho que vai ser uma corrida diferente da primeira rodada no Rio. Espero ir melhor do que em Jacarepaguá.”

Felipes Apezzatto (SP) – 8º colocado (5 pontos)

“Nunca andei de carro na pista de Londrina, mas já conversei com o pessoal e sei que exige muito, tem trechos difíceis e merece bastante atenção. Mas só vou ter a real noção quando chegar ao autódromo e dar uma volta a pé na pista, vendo as curvas de perto. Antes vou tentar andar no simulador para assimilar o traçado e entender o básico.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *