Rally Dakar: Brasileiros voltam a andar forte e chegam a liderar no Dakar

Reinaldo Varela e Maykel Justo terminaram o dia em sétimo após um erro coletivo no deserto

A dupla brasileira Reinaldo Varela/Maykel Justo voltou a andar forte na 43ª edição do Rally Dakar, que prossegue até o próximo dia 15 de janeiro totalmente em território da Arábia Saudita. Nesta segunda-feira (4), a dupla chegou a tomar a ponta. Mas 80km adiante o duo foi induzido ao erro por um grupo que ia à frente e tomou a direção errada. “Tínhamos um comboio de carros e acho que um caminhão também à nossa frente e levantava uma poeira danada”, lembra Varela, que tenta o bicampeonato no Dakar na categoria UTV.
“Tínhamos também UTVs vindo na nossa cola, brigando com a gente pela liderança. Naquela confusão e caos, todos sem exceção tomaram o caminho errado. Com isso perdemos muito tempo e até encontrar a trilha novamente perdemos várias posições. Terminamos em sétimo hoje, mas o importante é que estamos em quarto na geral, a apenas 4min09s do atual líder do Rally, e o nosso UTV se mostrou novamente competitivo. Amanhã tem mais”, destaca o piloto da equipe Monster Energy Can-Am.
A vitória nesta segunda-feira, que correspondeu à segunda etapa do Dakar 2021, foi da dupla formada pelo saudita Saleh Alsaif e o espanhol Oriol Vidal Montijano (Espanha). Já a liderança, na soma dos dois dias de corrida realizados, está com a dupla chilena Francisco Lopez Contardo e Juan Pablo Latrach.

Mergulho no deserto – O terceiro dia do Dakar 2021 será o primeiro “laço” da prova, ou seja, trecho cujo ponto de partida e chegada são os mesmos, formando quase um círculo que começa e termina em Wadi Ad-Dawasir. Com um total de 630km de percurso, a etapa de terça-feira contará com 403km de especiais – trechos cronometrados em alta velocidade. “Se hoje nós entramos no deserto, agora vamos mergulhar fundo nele, indo a locais realmente isolados. É uma região que os sauditas chamam de Empty Quarter, ou algo como ‘território abandonado’ em tradução livre. Dá para entender por quê”, detalha o navegador Maykel Justo.
“Vamos cruzar uma quantidade enorme de dunas, que estarão agrupadas em espécies de cordilheiras, mas entre elas teremos longos trechos de alta velocidade. As dunas serão os segmentos mais técnicos e duros também para a suspensão dos carros. Já os momentos de aceleração plena vão judiar do motor, especialmente se tivermos forte calor”, completa o navegador da equipe Monster Energy Can-Am.

Dakar em resumo – Disputada inteiramente na Arábia Saudita, a 43ª edição do Dakar terá em seus 7.646km um total de 4.767km de especiais – trechos cronometrados em alta velocidade. Os restantes 2.879km são correspondentes aos deslocamentos entre os pontos de largada e chegada em cada um dos doze dias. O roteiro da prova começa e termina Jedá. Reinaldo Varela e Maykel Justo também contam com apoio de Norton, Divino Fogão e Motul.

Rally Dakar, Etapa 02
04 de janeiro, Bisha a Wadi Ad-Dawasir (Arábia Saudita)
630km (403 de especiais)
Resultado da Especial
1) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO
2) Gerard Farres Guell (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am XRS Turbo
3) Francisco Lopez Contardo (Chile)/Juan Pablo Latrach Vinagre (Chile), Can-Am XRS Turbo
4) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo
5) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo
6) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo
7) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am XRS Turbo
8) Mathieu Margaillan (França)/Axelle Roux-Decima (França), Can-Am X3 Turbo
9) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am XRS Turbo
10) Lourenço Rosa (Portugal)/Joaquim Dias (Portugal), Can-Am XRS Turbo

Resultado acumulado de dois dias de corrida
1) Francisco Lopez Contardo (Chile)/Juan Pablo Latrach Vinagre (Chile), Can-Am XRS Turbo, 8h58min13s
2) Aron Domzala (Polônia)/Maciej Marton (Polônia), Can-Am XRS Turbo, a 0min39s
3) Gerard Farres Guell (Espanha)/Armand Monleon (Espanha), Can-Am XRS Turbo, a 1min01s
4) Reinaldo Varela (Brasil)/Maykel Justo (Brasil), Can-Am XRS Turbo, a 4min09s
5) Austin Jones (EUA)/Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am XRS Turbo, a 6min50s
6) José Antonio Hinojo Lopez (Espanha)/Diego Ortega Gil Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo, a 7min06s
7) Sergei Kariakin (Rússia)/Anton Vlasiuk (Rússia), Can-Am Maverick X3 Turbo, a 7min11s
8) Saleh Alsaif (Arábia Saudita)/Oriol Vidal Montijano (Espanha), Can-Am Maverick X3T3PRO, a 11min41s
9) Santiago Navarro (Espanha)/Marc Sola Terradellas (Espanha), Can-Am Maverick X3 Turbo, a 31min46s
10) Michal Goczal (Polônia)/Szymon Gospodarczyk (Polônia), Can-Am XRS Turbo, a 37min07s

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *