Rally Dakar: Rondônia Racing é a única equipe 100% brasileira

Começou ontem o 32º Rally Dakar. A largada promocional foi assistida por mais de 800 mil pessoas em Buenos Aires. A competição prossegue neste sábado, entre as cidades de Colón e Córdoba, na Argentina.

Um time 100% brasileiro! De toda a delegação brasileira no Dakar, a Rondônia Racing, é a única equipe que compete com carro, mecânicos, piloto e navegador nacional. Com uma Mitsubishi L200 EvoProm, Julio Bonache e Lourival Roldan largaram ontem, sexta feira, de Buenos Aires, para um deslocamento de 317 quilômetros até a cidade de Colón, na Argentina.

Às 14:30 (horário da Argentina), em frente ao Obelisco, na Avenida 9 de Julho (umas das principais avenidas de Buenos Aires), 800 mil pessoas assistiram a largada para o maior rali do mundo. O 32º Rally Dakar Argentina Chile (que acontece pela segunda vez consecutiva na América do Sul) será realizado de 1 a 17 de janeiro, e conta com a participação de 151 motos, 25 quadriciclos, 134 carros e 52 caminhões – um grid 30% menor comparado com a edição de 2009.

O primeiro dia de deslocamento foi tranquilo para Bonache e Roldan, que ficaram impressionados com a quantidade de pessoas durante a largada promocional e ao longo de todo o trajeto. “Havia muitos brasileiros na largada, que chamavam e incentivavam a equipe. Fiquei abismado com a multidão!”, salientou o piloto, que entre o parque fechado e a rampa de largada, viu de longe a bandeira do estado de Rondônia sendo acenada pela esposa e filho. “Foi uma emoção muito forte. Participar do rali, e com o total apoio da minha família, me deixa extremamente feliz”, completou.

A etapa de hoje ocorre entre Colón e Córdoba, Argentina, e terá 199 quilômetros. O roteiro foi alterado nas últimas horas devido as chuvas que caem na região (originalmente seriam 251 quilômetros de especiais). No total, somados os deslocamentos, serão percorridos 684 quilômetros.

Bonache e Roldan estão inscritos na categoria T1, tendo como adversários as equipes oficiais VW Touareg, BMW X3, Mitsubishi Pajero, Nissan, entre outras marcas e modelos, sendo todas essas com apoio total de fábrica. “Neste rali, considera-se uma grande vitória conseguir concluí-lo, pois 50% dos off roaders ficam pelas trilhas, dunas e Cordilheira dos Andes. Na estatística, somente de 5 a 7% dos estreantes concluem a prova. Prefiro não fazer parte desta tabela, e tentaremos completar o Dakar sem acidentes e com o mínimo possível de problemas mecânicos”, refletiu o piloto, que corre pela primeira vez o Dakar; porém, Roldan registra a sua sétima participação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *