Rally: Troller Codipar Racing é o terceiro a terminar o Paulista de Cross Country

A dupla da equipe Willem e Doris Van Hees tiveram pneu furado na segunda especial e ficaram com a 13ª posição na Super Production.


A equipe Codipar Racing participou da primeira etapa do Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country, o 2º Rally Haras Paulista, em Pirassununga, no Vale do Paraíba. A disputa aconteceu no sábado (10) com 44 veículos inscritos e três especiais com 81 km de trecho cronometrado dentro da Fazenda Gaspar divisa com Taubaté. A dupla campeã do Rally Haras Paulista foi Maurício Neves e Clécio Maestrelli, nos Carros e Amable Barrasa/José Papacena nos Caminhões. A próxima etapa será em Ribeirão Preto/Brodowski, no dia 10 de março, para a 2º Rally Casa de Portinari. 

Os carros largaram às 09h30 para as três especiais do dia, o parque fechado foi no Restaurante A Biruta no Parque da Juventude em Pindamonhangaba onde ocorreu a premiação tanto da 2ª etapa do Paulista Cross Country como do Paulista Off Road, que nesta temporada seguem calendário em conjunto, mesmas datas e cidades, mas com percursos diferentes. Mesmo com muita chuva a semana toda a prova foi praticamente sem lama, sol constante e piso seco, com pouquíssimos pontos ainda com barro.

A equipe tinha como referência a primeira etapa de 2005 realizada também em Pindamonhangaba e que a lama foi o fator predominante. “Largamos com pneu para lama e percebemos logo no início que não era o ideal, assim resolvemos apenas imprimir um ritmo de reconhecimento do percurso, sem exagerar completamos em 26min24. Na segunda volta, com pneu para terreno seco, após sete quilômetros deslizamos e batemos na lateral de um barranco, com isso um dos pneus saiu fora da roda e perdemos muito tempo com troca, fechamos em 34min59seg. Só conseguimos andar bem mesmo apenas na última especial e fomos o terceiro Troller a completar dos seis participantes”, explicou o piloto Willem van Hees.

A navegadora Doris elogiou a prova. “A prova apesar dos incidentes que tivemos durante as especiais foi proveitosa, a organização soube preparar bem esse percurso. Fizemos uma prova cautelosa, havia referências curtas, curvas fechadas e sinuosas e trechos velozes e cascalho, o cuidado era também com tocos de eucalipto. Muitos ficaram pelo caminho, conseguimos administrar e completar com segurança”, assegurou. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *