Sprint Race: Constância: o segredo dos novatos na Sprint Race

Estreantes surpreendem os veteranos com atuações maiúsculas e tomam de assalto a ponta da tabela de classificação

 


A Sprint Race vem apresentando um fenômeno incomum em sua segunda temporada: ao contrário do que acontece normalmente, são os novatos que vêm dominando o cenário da categoria.


Prova disso são as duas primeiras posições do campeonato, ocupadas por uma dupla e um piloto que fazem suas estreias na categoria. Em primeiro, estão os paulistas Gaetano Di Mauro e Guilherme Salas, que, até este ano, nunca haviam pilotado um carro de turismo antes, seguidos por Daniel Kaefer, de Cascavel (PR), outro que compete pela primeira vez no campeonato.


Ambos estão à frente de ninguém menos que o atual campeão Gustavo Martins, do Rio Grande do Sul – outro ponto interessante é este, a “miscigenação” de regiões na briga pelo título. Porém, a grande dúvida dos veteranos é: como estes novatos conseguem ser tão constantes e regulares a ponto de serem líderes do campeonato? Salas, que faz uma maratona, alternando a Sprint Race com o Brasileiro de Turismo, revela seu “segredo”.


“O importante é sempre seguir nos pontos. Já fui terceiro, segundo e venci. Aprendi desde cedo que precisamos estar no bolo. Como aprendizado eu costumo treinar no simulador, ver vídeos de outros pilotos para tentar aprender e fazer na pista, além de ir tentando, conhecendo o carro e evoluindo. Todos estão em um nível muito bom e isso só engrandece as disputas”, destaca o parceiro de Di Mauro.


Já Kaefer, por sua vez, destacou a surpresa pela vice-liderança. Apesar de ter experiência em competições regionais, o piloto jamais imaginou ter tanta constância nas corridas. “Tenho de confessar que esperava estar em uma posição boa no campeonato, mas não tão boa assim. Me surpreendi com a vice-liderança, o que me dá uma grande satisfação. Treinei muito nos simuladores, o que me ajudou bastante, uma vez que este carro é algo bem diferente do que já havia provado”, analisa.


Por conta disso, Daniel sonha com a primeira vitória em breve: “Já belisquei algumas vezes o primeiro lugar, já podia ter vencido uma corrida, mas está chegando a hora. Talvez em Cascavel, minha terra natal, eu tenha grandes chances, mas a próxima etapa, em Curitiba, eu não descartaria, também”. A prova na capital paranaense acontece no dia 21 de julho, no anel externo.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *