Stock: Barrichello testa e pode antecipar estreia na Stock Car

Piloto treina nesta 2ª-feira em Curitiba antes de decidir se corre no fim de semana

Prevista para a Corrida do Milhão em dezembro em Interlagos, a estreia de Rubens Barrichello na Stock Car poderá ser antecipada para o próximo final de semana no Autódromo Internacional de Curitiba – Pinhais. A mudança de planos dependerá apenas da decisão do piloto depois dos testes que realizará com o carro da Equipe Medley/Full Time nesta segunda-feira no circuito da capital paranaense. “Estou ansioso, mas com os pés no chão. Quero conhecer o carro, ver como me sinto quando estiver lá dentro com as portas fechadas, avaliar a potência do motor, as freadas, a aderência…”, explicou Barrichello.

Como estabelece o regulamento da categoria no caso de pilotos convidados, Barrichello terá direito a três horas de pista. De acordo com a programação estabelecida pelo diretor técnico Maurício Ferreira, os treinos foram divididos em quatro sessões: das 9 às 9h45, das 11h30 às 12h15, das 14 às 14h30 e das 16 às 17 h. “A primeira parte será somente de adaptação, para ele se ambientar à posição de dirigir, como funciona o carro, onde colocar as rodas nas curvas… Depois, vamos nos reunir e, com base no que ele perceber das reações do carro, vamos começar a trabalhar no acerto visando à performance”, disse Ferreira. No período da tarde, Barrichello simulará uma sessão classificatória e uma corrida na distância completa, em torno de pouco mais de 40 minutos.

Barrichello acabará sendo o responsável pelo teste inicial do novo banco de fibra de carbono que substituirá o atual de alumínio. Reencontrará uma alavanca de câmbio depois de 20 anos. “A última vez que tirei a mão do volante para trocar as marchas foi num treininho de seis voltas pela Jordan em 1992. Durante todo esse tempo só usei a borboleta atrás da direção”, lembrou o recordista de largadas na Fórmula 1, admitindo estar contando as horas para o batismo na nova categoria. “Penso sempre nesse treino e, quando estou na sauna em casa, fico até treinando a mudança de marchas. Mas estou controlando bem a ansiedade”, disse.

Um mês após fechar a primeira temporada na Fórmula Indy em 10º lugar pela pequena KV, Barrichello garante que o condicionamento físico continua em dia. “Acho que não terei qualquer problema a esse respeito. Pelo que tenho conversado com os amigos que correm na Stock Car, o que pode preocupar mais é o calor dentro do carro. Neste primeiro teste, a previsão do tempo era de temperaturas amenas, mas os indicadores foram mudando nos últimos dias e parece que os números subiram”, acrescentou. Segundo o Instituto Climatempo, a máxima em Curitiba no período da tarde desta segunda-feira será de 26 graus.

Barrichello perguntou a Ferreira sobre os tempos de referência nos 3.695 metros do traçado paranaense, onde passou pela única vez na Fórmula Ford em 1989. “A temperatura tem muita influência em Curitiba. Neste ano, a melhor volta do primeiro treino livre foi de 1min20.90 e a pole do Allam Khodair ficou em 1min20s39, mas com o uso do botão de ultrapassagem. Sem o push, a melhor marca é do Ricardinho Maurício em 1min20s52”, informou Ferreira.

A parceria com Barrichello foi viabilizada graças à contribuição de R$ 230 mil que a Medley ofereceu ao Instituto Barrichello Kanaan, independentemente do número de provas que o piloto participar.

A Equipe Medley/Full Time apoia a doação de sangue. Doe sangue. Salve uma vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *