Stock: Burti inicia maratona de F-1, Stock e TC2000 na Argentina

Piloto brasileiro esteve hoje reunido com a equipe Williams e já participou dos treinos livres da categoria brasileira e dos 200 Km de Buenos Aires, prova que venceu no ano passado.



A maratona de velocidade de Luciano Burti (Petrobras-Cimed-Pakalolo-Brasil Telecom) na Argentina começou hoje, em Buenos Aires, com a disputa dos primeiros treinos da décima etapa da Stock Car e também dos 200 Km de Buenos Aires, prova que o paulista venceu no ano passado. Ele foi o primeiro estrangeiro a vencer a corrida mais importante do automobilismo argentino.


 


O dia do piloto da Petrobras-Action Power também incluiu uma visita ao box onde está o modelo FW28 da equipe Williams. Burti conduzirá o carro amanhã e no domingo, para a única exibição do ano de um F-1 na Argentina.


 


“Esta sexta-feira foi bem diferente das outras, bem mais agitada, é claro. Foi muito bom trabalhar com as três categorias hoje, principalmente para ter contato com o pessoal da área técnica da Williams e checar alguns detalhes antes da primeira exibição, amanhã”, comenta Burti, que fez ajustes de banco no FW28 nesta sexta-feira.


 


Na Stock Car, o primeiro treino livre foi marcado por muita chuva e alguns pilotos, como Burti, sequer entraram na pista. Na sessão seguinte, a pista secou, mas ainda havia muitas poças d’água que mudavam a aderência a cada minuto.


 


“É difícil avaliar o dia de hoje pelas condições adversas da pista. Enquanto estava andando, senti que começamos o final de semana com um bom acerto do carro”, diz Burti, que estava em quinto lugar quando registrou sua melhor passagem, em 52s587. Nos minutos finais, a pista melhorou um pouco e o piloto ficou em 16º na classificação geral.


 


O treino do piloto Thiago Marques (Petrobras-Cimed-Prevyne-Alpina) também foi marcado por bons tempos enquanto o paranaense esteve na pista. Pela manhã, na chuva, o piloto da Petrobras-Action Power ficou em sexto lugar. Depois, conseguiu também um bom acerto para pista seca, e quando cravou 52s518 estava entre os cinco melhores.


 


“O set up para pneus usados está muito bom. Viramos tempos competitivos mesmo com a pista variando de condição. Em algumas saídas de curva, as poças d’água eram enormes e a cada volta a aderência da pista era de um jeito. Hoje estava mais para rally”, afirmou Marques.


 


O paranaense colocou no final do treino um pneu com menos quilometragem, mas não houve melhora. “A questão da diferença dos compostos continua sendo um problema e em Buenos Aires isso não será diferente, mesmo tendo um jogo a mais”, completou Marques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *