Stock: Em 6º, Thiago Marques destaca prova com ultrapassagens

Piloto da Petrobras-Action Power foi um dos pilotos que conseguiu uma boa ascensão na prova de hoje com algumas ultrapassagens; punição extingue chance de Luciano Burti em Tarumã.



Apesar de não privilegiar ultrapassagens, o circuito de Tarumã viu hoje uma das provas mais movimentadas desta temporada da Stock Car, com vários pilotos trocando de posição no pelotão da frente.


 


O excessivo desgaste dos pneus foi a principal causa das ultrapassagens, sobretudo na parte final da prova, quando as equipes que privilegiaram o acerto com compostos desgastados tiveram melhor performance.


 


Giuliano Losacco venceu a prova mesmo depois de ter sido ultrapassado por Ingo Hoffmann. O veterano acabou perdendo várias posições na última volta, sendo ultrapassado por Thiago Marques, Guto Negrão e Felipe Maluhy.


 


“O começo da prova foi difícil para quem tinha o carro acertado para um bom desempenho com pneus usados. Só que na parte final da corrida, foi a nossa chance de inverter o jogo e ganhar várias posições”, comentou Thiago Marques (Petrobras-Cimed-Prevyne-Alpina).


 


O paranaense largou em nono e chegou em sexto lugar ao ultrapassar Allam Khodair, Antonio Jorge Neto e Ingo Hoffmann. “Muita gente esperava uma corrida de procissão em Tarumã, porque é muito difícil ultrapassar aqui. Mas esta diferença de estratégia criou uma prova mais interessante”, comentou Marques.


 


O bom desempenho na prova deixou o piloto da Petrobras-Action Power otimista para as três últimas do ano, em Buenos Aires, Rio de Janeiro e São Paulo. “O carro melhora a cada etapa e esperamos manter esta competitividade até o final do ano”, completa.


 


Quem tinha uma boa chance de fazer também uma corrida com várias ultrapassagens era Luciano Burti (Petrobras-Cimed-Pakalolo-Brasil Telecom). O piloto largou em 13º e vinha em bom ritmo de prova, mas uma punição tirou as chances do paulista terminar em melhor colocação.


 


A direção de prova obrigou Burti a cumprir um drive-though por ter queimado a largada e o jogou de 12º para o 32º lugar. Quando vinha se recuperando, após subir dez colocações, Hoover Orsi rodou logo à sua frente e o choque foi inevitável.


 


“A punição tirou minhas chances de uma boa prova. Estava com boa expectativa para a corrida, meu carro estava bem acertado para a parte final e vários pilotos se deram bem nesta estratégia”, diz Burti, que conversou depois com os comissários de prova a fim de entender melhor a punição.


 


“Expressei à direção de prova que não obtive vantagem nenhuma na largada, tanto que não ganhei nenhuma posição. Vim na referência do carro do Ruben Fontes, que largava na minha frente. Posso até ter passado o Ricardo Maurício por questão de poucos metros, mas apenas em um breve momento, porque ele contornou a primeira curva na minha frente”, explicou o paulista.


 


O piloto da Petrobras-Action Power conta que os comissários entenderam as considerações e vão colocar o assunto em pauta já na próxima corrida a fim de aprimorar os procedimentos da largada lançada na Stock Car. “Independentemente da punição, é fundamental expor todos os pontos de vista para deixar a largada mais segura e sem prejudicar nenhum piloto”, completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *