Stock: Liberado uso de gurney no spoiler dianteiro na Copa Nextel Stock Car 2007

Mais uma novidade será introduzida para a temporada 2007 na Copa Nextel Stock Car: a Confederação Brasileira de Automobilismo liberou o uso de um gurney no spoiler dianteiro dos carros da principal categoria do automobilismo nacional.

Na verdade, trata-se de uma extensão de fibra nas saliências laterais do spoiler, que provoca um downforce aerodinâmico na frente do carro, permitindo que o piloto tenha um ganho adicional de aderência na dianteira e a conseqüente melhoria na dirigibilidade. Esta chapa, também chamada de “end-plate”, pode ser confeccionada em manta de vidro ou carbono, e deverá ter no máximo 5 mm de espessura, não podendo ultrapassar a largura total da carenagem do carro.

Este foi mais um dos resultados teóricos colhidos nos vários testes aerodinâmicos realizados pela ZF Racing no túnel de vento da Universidade de São Carlos, e que deverão agora passar pelos testes práticos nas pistas, assim que se iniciar a primeira etapa da categoria, no dia 22 de abril em Interlagos.

Os testes foram feitos no túnel de vento do Laboratório de Aerodinâmica da USP de São Carlos, o qual é de circuito fechado e câmara de ensaios igualmente fechada, com velocidade operacional que vai de 5 m/s a até 50 m/s. Para o ensaio, foram produzidas maquetes em escala 1:4,5, com um chassi feito em chapas de aço imitando a parte inferior da gaiola original e carenagens feiras em fibra de vidro.

Diversos recursos aerodinâmicos foram testados, tais como este gurney, aerofólios de vários tamanhos e em diversas inclinações, simulações de vácuo, dentre outros, obtendo-se assim dados do coeficiente de arrasto das marcas de carrocerias empregadas na Stock Car em diversas condições. As medições são feitas através da colocação de extensômetros aplicadas em uma balança presa ao modelo, medindo-se assim a força gerada quando o túnel é acionado.

Outros ensaios que foram valiosos para a análise e equalização dos carros foi um teste chamado “oil flow”, no qual aplica-se na superfície do modelo uma mistura de óleos com dióxido de titânio, permitindo assim avaliar o escoamento do ar nas várias carrocerias, e o impacto aerodinâmico dos espelhos retrovisores, nacas e outras áreas de turbulência provocada por cantos vivos na carroceria.

Segundo Zeca Giaffone, da ZF Racing, os resultados trouxeram dados concretos e extremamente positivos, que permitiram buscar várias melhorias que pouco a pouco estão sendo introduzidas na categoria, como o air box no capô dos carros e o gurney dianteiro. “Estamos buscando confirmar o equilíbrio aerodinâmico perfeito entre as marcas que competem dentro da Stock Car, visando assim preservar a igualdade dentro da competição”, completou Zeca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *