Stock: Lucas Foresti e Max Wilson vencem em Curitiba

Lucas Foresti (AMG Motorsport) e Max Wilson (Eurofarma RC) foram os vencedores da décima etapa da temporada, disputada em Curitiba, no Paraná.

Click em slide para mais fotos (VICAR)

Prova 1:

Foresti conquistou a sua primeira vitória na categoria. Allam Khodair (Full Time Sports) e Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) completaram o pódio. 

Saindo da quarta posição do grid, Átila Abreu (AMG Motorsport) fez uma grande largada, e assumiu a liderança. O pole, Marcos Gomes (Voxx Racing Team), ao contrário, largou mal, e acabou levando um toque de Khodair, acertando na sequencia Diego Nunes (Vogel Motorsport) e Daniel Serra (Red Bull Racing). Na confusão Cacá Bueno (Red Bull Racing) e Rubens Barrichello (Full Time Sports) também levaram toques, tendo os carros avariados. O Safety-Car foi acionado.

Com a prova reiniciada na quarta volta, Abreu era o líder, seguido por Camilo, Khodair e Maurício. Duas voltas depois o Safety-Car foi novamente acionado, devido à saída de pista de Nunes.

Líder, Abreu recebeu uma sinalização para entrar nos boxes. Para a verificação das luzes de freio que não acendiam (pelo regulamento, as luzes de freio devem funcionar normalmente). 

Na 16ª volta, Abreu recebeu o primeiro aviso, para entrar nos boxes. Mas com a aproximação da janela de pits, a AMG Motorsport tentou segurar o piloto na pista até a 20ª volta. Mas como Abreu não cumpriu a determinação em três voltas recebeu a bandeira preta, de desclassificação.

Abreu levou o carro para os boxes. E ficou bastante decepcionado com a decisão da Direção de Prova, alegando que em outras etapas, vários carros também tiveram o mesmo problema, e não foram punidos.

Com a janela de pits aberta, a AMG Motorsport optou por trocar o pneu braseiro direito, do mesmo lado aonde era feito o reabastecimento. A tática deu certa (a maioria trocou o pneu traseiro esquerdo, ou os dois), e Foresti assumiu a liderança da prova.

No final, Foresti recebeu a bandeirada com 1s175 de vantagem sobre Khodair. Maurício fechou o pódio. 

“Meu trabalho mesmo era priorizar a primeira corrida. O que viesse na segunda seria lucro”, apontou Lucas, que venceu pela primeira vez na principal categoria do automobilismo brasileiro. “A equipe fez um trabalho tão bom no pit stop, com uma estratégia tão correta, que deu certo. Trabalhamos bastante para isso, ousamos. Foi um alívio gigantesco. Minha primeira vitória, a primeira da equipe nesse ano… Foi muito bom. Significou muito para a equipe, que está de parabéns”, contou o brasiliense que corre pela equipe sediada em Americana (SP).

Luciano Burti (RZ Motorsport) terminou em quarto, seguido por Vitor Genz (Boettger Competições) e Camilo. 

Rafael Suzuki (RZ Motorsport), Gabriel Casagrande (Axalta C2 Team), Tuka Rocha (União Química Racing) e Denis Navarro (Vogel Motorsport )  fecharam os dez primeiros. Navarro garantiu a pole para a segunda prova (os dez primeiros invertidos).

Wilson, que largou dos boxes devido a problemas na direção hidráulica, terminou na 11ª posição. Bueno terminou na 13ª. Estreando na categoria, Felipe Guimarães (Boettger Competições) marcou dois pontos, com a 19ª posição. 

Outro estreante, o argentino Mauro Giallombardo (Hot Car Competições) abandonou.

Final:

1-) 12 Lucas Foresti (AMG Motorsport) – 34 voltas em 49min38s767 (média de 151,8 km/h)

2-) 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – a 9s521 

3-) 14 Luciano Burti (RZ Motorsport) – a 9s974 

4-) 46 Vitor Genz (Boettger Competições) – a 13s545 

5-) 21 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) – a 14s763 

6-) 8 Rafael Suzuki (RZ Motorsport) – a 16s192 

7-) 83 Gabriel Casagrande (Axalta C2 Team) – a 17s988 

😎 25 Tuka Rocha (União Química Racing) – a 27s304 

9-) 5 Denis Navarro (Vogel Motorsport ) – a 30s270 

10-) 65 Max Wilson (Eurofarma RC) – a 31s595 

11-) 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – a 33s362 

12-) 0 Cacá Bueno (Red Bull Racing) – a 34s854 

13-) 73 Sergio Jimenez (Axalta C2 Team) – a 34s861 

14-) 4 Julio Campos (Prati-donaduzzi) – a 37s520 

15-) 26 Raphael Abbate (Hot Car Competições) – a 39s191 

16-) 110 Felipe Lapenna (Schin Racing Team) – a 45s914 

17-) 1 Antonio Pizzonia (Prati-donaduzzi) – a 48s257 

18-) 66 Felipe Guimarães (Boettger Competições) – a 49s126 

19-) 11 Cesar Ramos (Total Racing) – a 50s452 

20-) 77 Valdeno Brito (Shell Racing) – a 50s929 

21-) 9 Gustavo Lima (ProGP) – a 1min00s806 

22-) 16 Mauro Giallombardo (Hot Car Competições) – a 3 voltas 

23-) 29 Daniel Serra (Red Bull Racing) – a 6 voltas 

24-) 2 Raphael Matos (Schin Racing Team) – a 6 voltas 

NÃO COMPLETARAM 75%

25-) 74 Popó Bueno (Total Racing) – a 15 voltas

26-) 3 Bia Figueiredo (União Química Racing) – a 15 voltas 

27-) 28 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – a 23 voltas

28-) 88 Felipe Fraga (Voxx Racing Team) – a 23 voltas 

29-) 70 Diego Nunes (Vogel Motorsport) – a 28 voltas 

30-) 80 Marcos Gomes (Voxx Racing Team) – a 30 voltas 

31-) 10 Ricardo Zonta (Shell Racing) – a 31 voltas

32-) 51 Átila Abreu (AMG Motorsport) – desclassificado*

33-) 100 Allam Khodair (Full Time Sports) – a 1s175 **

Melhor volta: Lucas Foresti, 1min19s818 (166,7 km/h)

*Excluído do resultado por desrespeito à sinalização

**Desclassificado por irregularidade técnica

Prova 2:

Wilson venceu a segunda prova, com Maurício fechando a dobradinha da Eurofarma RC. Camilo foi o terceiro.

Na largada, Rafael Suzuki (RZ Motorsport) apareceu na liderança na primeira curva. Mas Suzuki não conseguiu fazer o contorno e passou reto, assim como outros que vinham atrás. 

Bueno acabou sendo novamente atingido, assim como Bia Figueiredo (União Química Racing) e Valdeno Brito (Shell Racing).

Khodair liderava, seguido por Wilson. Na 16ª volta, Wilson passou Khodair, que tinha problemas de combustível, e assumiu a liderança. Pouco depois, Maurício também superou Khodair, que sem combustível abandonou. 

Wilson venceu, seguido por Maurício e Camilo. 

“Larguei dos boxes e vi que na primeira largada alguns pilotos ficaram de fora. Meu carro estava muito bom: eu estava em décimo na penúltima volta (que lhe colocaria na pole para a segunda prova) e na final o Denis me passou e tive que largar em 11º”, lembrou o vencedor.

“A segunda corrida foi muito boa para mim, mas foi uma daquelas largadas que não achei das mais justas. Alguns pilotos foram em um embalo muito forte e tivemos acidentes nas duas provas. Da minha parte eu fiquei marcando o Khodair, tentando atacar, me defendendo do Thiago. Acho que o Khodair não esperava, e o passei na reta oposta. Passei, apertei o ritmo para manter distância boa e no final tanto eu como o Ricardo tiramos o pé para economizar combustível e chegamos nessa dobradinha mais uma vez”, afirmou.

Gomes, com o carro todo remendado, mas pneus novos; fez uma grande prova. Após sair das últimas posições, terminou em quarto. 

“A cada dia o automobilismo me surpreende mais”, aprendeu Marcos. “Fiz uma péssima largada, ficou aquela confusão, aquele strike todo e o carro ficou bem avariado. Nos boxes a equipe fez um trabalho incrível ao trocar um canto inteiro do carro, voltei à primeira bateria com o volante desalinhado e decidimos largar assim. Deu certo e tudo que tive de azar na primeira prova virou sorte na segunda. Teve outro strike na minha frente, passei raspando. Botaram bastante olho gordo na gente, mas o nosso santo está forte. Mesmo com o carro torto eu consegui acompanhar o pessoal, eu tinha bastante botões de ultrapassagem e no final alguns carros ainda tiveram problema de falta de combustível. Aumentamos em mais três pontos a diferença para o Cacá, então foi perfeito”, resumiu.

Felipe Fraga (Voxx Racing Team) foi o quinto, seguido por Rubens Barrichello (Full Time Sports), Antonio Pizzonia (Prati-donaduzzi)  e Julio Campos (Prati-donaduzzi). Ricardo Zonta (Shell Racing) e Sergio Jimenez (Axalta C2 Team) completaram os dez primeiros. 

Gomes lidera o campeonato com 220 pontos, seguido por Bueno com 184 e Camilo com 166.

A próxima – e penúltima – etapa acontece no dia 8 de novembro no circuito de Tarumã, na cidade de Viamão, na região metropolitana de Porto Alegre (RS).

Khodair desclassificado:

Khodair foi desclassificado das duas provas, perdendo o segundo lugar conquistado na primeira prova. 

Após a vistoria técnica conduzida pelos comissários da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo), foi constatada uma irregularidade no carro de Khodair, o que causou sua desclassificação. De acordo com o regulamento, ao final da etapa cada carro deve conter no mínimo um litro de combustível para posterior avaliação técnica. Como Khodair abandonou a prova complementar por pane seca (sem gasolina), não havia no tanque de seu carro material suficiente para colheita e análise. De maneira Allam Khodair foi excluído do resultado das duas baterias.

Assim, no resultado da primeira corrida o segundo lugar foi para Ricardo Maurício, com Luciano Burti herdando o terceiro posto, e todos os outros subiram uma posição, sucessivamente. 

Final:

1-) 65 Max Wilson (Eurofarma RC) – 20 voltas em 29min06s966 (média de 152,3 km/h)

2-) 90 Ricardo Mauricio (Eurofarma RC) – a 3s842 

3-) 21 Thiago Camilo (Ipiranga-RCM) – a 4s292 

4-) 80 Marcos Gomes (Voxx Racing Team) – a 6s297 

5-) 88 Felipe Fraga (Voxx Racing Team) – a 6s594 

6-) 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) – a 9s652 

7-) 1 Antonio Pizzonia (Prati-donaduzzi) – a 11s426 

😎 4 Julio Campos (Prati-donaduzzi) – a 11s869 

9 -)10 Ricardo Zonta (Shell Racing) – a 16s673 

10 -)73 Sergio Jimenez (Axalta C2 Team) – a 18s171 

11-) 51 Átila Abreu (AMG Motorsport) – a 19s797 

12-) 11 Cesar Ramos (Total Racing) – a 21s108 

13-) 28 Galid Osman (Ipiranga-RCM) – a 21s915 

14-) 70 Diego Nunes (Vogel Motorspor) – a 22s564 

15-) 66 Felipe Guimarães (Boettger Competições) – a 22s937 

16-) 74 Popó Bueno (Total Racing) – a 23s372 

17-) 8 Rafael Suzuki (RZ Motorsport) – a 42s116 

18-) 12 Lucas Foresti (AMG Motorsport) – a 45s329 

19-) 25 Tuka Rocha (União Química Racing) – a 46s690 

20-) 46 Vitor Genz (Boettger Competições) – a 47s121 

21-) 14 Luciano Burti (RZ Motorsport) – a 1 voltas 

22-) 5 Denis Navarro (Vogel Motorsport) – a 4 voltas 

NÃO COMPLETARAM 75%

23-) 9 Gustavo Lima (ProGP) – a 9 voltas 

24-) 83 Gabriel Casagrande (Axalta C2 Team) – a 15 voltas 

25-) 110 Felipe Lapenna (Schin Racing Team) – a 16 voltas 

26-) 0 Cacá Bueno (Red Bull Racing) – a 16 voltas 

27-) 2 Raphael Matos (Schin Racing Team) – a 18 voltas 

28-) 26 Raphael Abbate (Hot Car Competições) – a 19 voltas

29-) 77 Valdeno Brito (Shell Racing) – a 19 voltas

30-) 16 Mauro Giallombardo (Hot Car Competições) – a 19 voltas

31-) 29 Daniel Serra (Red Bull Racing) – a 19 voltas

32-) 3 Bia Figueiredo (União Química Racing) – a 19 voltas

33-) 100 Allam Khodair (Full Time Sports) – a 2 voltas*

*Desclassificado por irregularidade técnica

Classificação do Campeonato após dez etapas:

1-) Marcos Gomes – 220 pontos

2-) Cacá Bueno – 184

3-) Thiago Camilo – 166

4-) Max Wilson – 162

5-) Ricardo Maurício – 161

6-) Rubens Barrichello – 161

7-) Daniel Serra – 156

😎 Julio Campos – 147

9-) Allam Khodair – 140

10-) Valdeno Brito – 121

11-) Sérgio Jimenez – 106

12-) Felipe Fraga – 103

13-) Ricardo Zonta – 99

14-) Átila Abreu – 93

15-) Diego Nunes – 91

16-) Vitor Genz – 77

17-) Antonio Pizzonia – 77

18-) Gabriel Casagrande – 66

19-) Luciano Burti – 65

20-) Galid Osman – 64

22-) Tuka Rocha – 54

22-) Lucas Foresti – 53

23-) Rafael Suzuki – 52

24-) Denis Navarro – 50

25-) Rapha Matos – 50

26-) Cesar Ramos – 36

27-) Felipe Lapenna – 34

28-) Popó Bueno – 29

29-) Raphael Abbate – 25

30-) Bia Figueiredo – 7

31-) Gustavo Lima – 5

32-) Felipe Guimarães – 3

33-) Fábio Fogaça – 3

34-) Mauro Giallombardo (ARG) – 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *