Stock: Para Luciano Burti, Super Pole deve definir corrida

O novo formato dos treinos classificatórios transformou o sábado em um dia aguardado com expectativa para pilotos e equipes da Stock Car. A empolgação que toma conta de todo o autódromo durante a disputa da Super Pole (no qual os dez melhores lutam pelo primeiro lugar no grid) só não é maior do que a do dia da corrida.



Só que, na quinta etapa da categoria, o sábado, de estrela coadjuvante neste espetáculo, deve passar a protagonista, garantindo as principais emoções deste final de semana em Londrina. Tudo porque o circuito paranaense é considerado o mais travado da temporada, no qual a ultrapassagem é bastante crítica.


 


“Na F-1, em alguns circuitos, costuma se usar a famosa máxima de que largar na pole é meio caminho andado para a vitória. Na Stock Car, este autódromo seria o de Londrina, porque há poucos pontos com chances claras de ultrapassagem”, comenta Luciano Burti (Petrobras-Cimed-Pakalolo-Brasil Telecom), que largou na pole position na etapa de Curitiba e busca repetir a conquista neste sábado.


 


Esta será a segunda vez que Burti pilota em Londrina. “Gostei da pista, que representa bastante desafio também na parte de acerto do carro, já que é fundamental ter boa tração na saída de curva, até pela característica travada do traçado”, comenta o piloto, que trabalhou cinco temporadas na F-1 e estreou no ano passado na Stock Car.


 


Apesar de ter se classificado duas vezes na Super Pole (uma delas obtendo o primeiro lugar), o paulista não tem pontos no campeonato e espera reverter o quadro de reveses para poder entrar na zona de classificação do playoff.


 


“Tivemos vários problemas mecânicos, mas a equipe se reestruturou a partir desta etapa e estou confiante de que podemos começar a reagir já em Londrina”, espera Burti.


 


O diretor-técnico da Petrobras-Action Power, Paulo de Tarso, concorda que é mais do que hora de reverter a falta de resultado nas corridas. “Não adianta liderar os treinos e não marcar pontos. Em 15 anos, nunca tivemos uma fase como esta e com as modificações esperamos voltar rapidamente às melhores colocações”, diz Paulo de Tarso, cuja equipe foi campeã por pontos no ano passado.


 


Entre a etapa de São Paulo, disputada no começo do mês, e a da Londrina, o time fez alterações em seu quadro de área técnica e também trará novidades na área de suspensão do carro nesta prova.


 


“Além disso, vai ser a primeira corrida em que não teremos que fazer um novo chassi. Desde a mudança de carroceria (do Astra para o Bora), nossa oficina ficou em trabalho constante para construir os novos carros. Agora não: passamos estas três semanas apenas refinando o acerto”, acrescenta o diretor-técnico.


 


Thiago Marques (Petrobras-Cimed-Prevyne-Alpina) também ficou animado com o trabalho durante estas semanas na sede do time, em Curitiba.


 


“Temos um bom acerto em Londrina, tanto que no passado eu fiz a melhor volta de todo o final de semana (em 1m17s424). Mas na Stock Car os outros times também evoluem rapidamente, então é preciso estar sempre achando formas de baixar o tempo de décimo em décimo de segundo”, completa o paranaense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *