Stock: Quebra do câmbio tira Pizzonia da etapa de Curitiba

Gresse também foi prejudicado, após sofrer uma batida na largada, que arrancou o extrator de seu carro e o fio do sensor de velocidade.

A equipe Hot Car Competições (Agecom / Bardahl) não teve sorte na etapa deste domingo (dia 11) da Copa Caixa Stock Car, realizada no circuito internacional de Curitiba, em Pinhais. Após largar em 15º, o amazonense Antonio Pizzonia já era o décimo colocado, quando sofreu a quebra do trambulador do seu câmbio e foi obrigado a abandonar.

O companheiro Norberto Gresse também ficou de fora da prova. Logo na largada, o piloto levou uma forte batida na traseira do seu carro, que acabou arrancando o extrator. Além de ficar com o carro desalinhado, a saída da peça também arrancou o fio do sensor de velocidade e o piloto foi punido duas vezes por ultrapassar a velocidade permitida nos boxes.

A vitória na 2ª etapa do ano ficou com o paulista Allam Khodair, que dividiu o pódio com Ricardo Maurício (2º) e Nonô Figueiredo (3º). Max Wilson, que chegou em quarto, segue na liderança do campeonato, com 39 pontos.

“O câmbio quebrou e não conseguia mudar a marcha, que ficou engatada em quinta. Uma pena, porque eu vinha num ritmo bom. Os pneus do carro acabaram muito rápido, mas estávamos próximos da troca e acredito que iríamos continuar muito bem. Eu vinha economizando o push to pass para usar no final e realmente foi uma pena ter acontecido a quebra. Infelizmente, mais um final de semana para esquecermos”, lamentou Pizzonia.

“Mas corrida é assim. Agora é olhar para frente e tentar melhorar o carro e nos tornarmos competitivos. O resto é consequência”, continuou o amazonense.

Gresse também explicou o problemas que enfrentou na prova. “Larguei bem, consegui me posicionar para a freada, mas levei uma batida muito forte atrás, que desalinhou o carro e arrancou o meu extrator. Mesmo desequilibrado, eu consegui me manter. Numa disputa com o (Alan) Hellmeister e o (Ricardo) Zonta, no entanto, acabei errando e escapei, caindo para o fim do pelotão. Quanto entrei nos boxes para o pit stop e apertei o botão do limitador de velocidade, ele não funcionou e fui punido. Foi quando descobrimos que com a saída do extrator, o fio do sensor foi arrancado junto. Paguei o drive thru, vim bem devagar, mas não tem como saber a velocidade e acabei passando novamente acima”, explicou.

O chefe da equipe, Amadeu Rodrigues, lamentou o ocorrido com os carros. “É só ver a posição que o Valdeno (Brito) chegou (em quinto). O Pizzonia já estava bem próximo dele no momento da quebra e, se isso não tivesse acontecido, ía conseguir um ótimo resultado. Agora temos um pouco mais de tempo para trabalhar até a próxima corrida e vamos fazer modificações no set up para seguir um outro caminho”, completou.

O novo autódromo Velopark, no Rio Grande do Sul, receberá a próxima etapa da categoria, no dia 2 de maio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *