Stock: Salustiano vê aspectos positivos em fim de semana de dificuldades

Piloto da Sawary/Nicoboco sabe que precisa de ótimos resultados para entrar nos top ten.

Foi mais uma corrida difícil. Depois de enfrentar problemas nos amortecedores dianteiros e incorreções no motor na prova de classificação, Paulo Salustiano encerrou um fim de semana que parecia desastroso marcando três pontos na sexta etapa do Campeonato Brasileiro de Stock Car, neste domingo em Curitiba.

Mantendo-se longe dos acidentes, ele cruzou a linha de chegada em 13º, 18 posições à frente da 31ª posição em que largou, e passou de 18º para 16º na tabela da Stock V8. Mesmo sem atingir o resultado que esperava, Salustiano consegue enxergar fatos positivos na segunda prova do ano na capital paranaense. O principal é ter completado as 32 voltas da corrida, o que lhe pareceu impossível na fase final. Após a bandeirada, Salustiano foi atendido pelo Dr. Dino Altmann, responsável pelo serviço médico da categoria, que diagnosticou princípio de intoxicação.

O problema começou quando o grupo em que estava o piloto Sawary/Nicoboco se aproximou do carro de Pedro Gomes, cujo motor estava fundindo. “Uma fumaça espessa começou a entrar pelo sistema de refrigeração interna e comecei a me sentir enjoado”, relatou Salustiano. “Mas como faltava pouco e o Ruben Fontes, que estava na minha frente, começou a perder velocidade, nem pensei em parar. Provavelmente, o ritmo dele caiu pelo mesmo motivo, e como a coisa estava piorando, nem consegui me aproximar. Mas só notei como estava mal quando recebi a bandeirada e a adrenalina diminuiu, nem consegui sair do carro”, relatou.

Diante das dificuldades, Salustiano considera seu resultado positivo. “Perdi o primeiro treino da sexta-feira e não consegui mais recuperar. No sábado, meu carro saía demais de frente. Na largada, tive de frear para não me envolver em uma batida entre quatro carros e cinco adversários me passaram. Recuperei as posições, ganhei algumas outras e era o mais rápido do meu grupo quando comecei a passar mal. Marcar três pontos em um fim de semana como este é, sem dúvida, um bom resultado”, avalia ele.

Faltando duas etapas para a definição dos 10 pilotos que participarão do shoot out que vai definir o campeão, Salustiano sabe que precisará de um carro perto da perfeição e muita sorte para se incluir nos top ten. “Esse é o problema de um fim de semana como o que tive. Minha diferença para o 10º colocado passou de oito para 13 pontos. Preciso chegar entre os cinco primeiros nas duas próximas etapas para ter chance de ingressar neste grupo. Pode parecer demais para um estreante como eu, mas se não tentar é que não chego a lugar algum. Cheguei em quinto colocado na segunda prova de Interlagos, e sei que se o carro estiver bom e a sorte me ajudar, posso chegar lá. Luta é que não vai faltar”, promete ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *