Stock: Santa Cruz do Sul, a “Turquia” da Stock Car

Como no circuito utilizado pela F-1 no último final de semana, pista gaúcha é a mais nova do calendário e também se destaca pelo traçado desafiador, especialmente de suas curvas de alta.



No último domingo, a Fórmula 1 disputou a segunda corrida de sua história na Turquia, no mais novo e moderno circuito do calendário, bastante elogiado pelos pilotos por seu traçado desafiador, em especial da Curva 8, de alta velocidade. Já para este final de semana, será a vez da Stock Car brasileira experimentar uma situação parecida com a disputa da sétima etapa na cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul.


 


Assim como no caso da pista turca, o mais novo autódromo brasileiro é a mais nova do calendário. Até hoje, só foi sede de uma única corrida da Stock em sua história –justamente em sua estréia no calendário no ano passado. A título de comparação, Interlagos já foi palco de 103 corridas da categoria, criada em 1979.


 


Além disso, algumas características do traçado da pista gaúcha remetem às análises dos pilotos da F-1 sobre o circuito turco.


 


“Santa Cruz do Sul é uma das pistas mais desafiadoras do calendário, com várias curvas de alta e com longos trechos em subida e descida. Com estas características e por só ter sido utilizado uma única vez por nossa categoria, dá para dizer que a prova representa para nós da Stock Car o que a Turquia é para a F-1”, afirma Luciano Burti (Petrobras-Cimed-Pakalolo-Brasil Telecom).


 


Outra semelhança entre as pistas está em sua curva de mais sucesso entre os pilotos. Ambas, por sinal, batizadas com números. Na Turquia, a vedete é a “Curva 8”, de raio longo, para a esquerda, que exige uma inédita tripla tomada na tangência, criando novos desafios para os pilotos da categoria. Em Santa Cruz do Sul, é a “Curva 11”, também de longa trajetória para a esquerda e de alta velocidade, que traz mais emoção para a prova.


 


“Esta curva é um ponto crucial para o piloto, porque você tem que confiar no carro para fazer o traçado ideal, mantendo a velocidade alta e sair acelerando para continuar rápido no trecho seguinte, também de alta velocidade”, comenta Thiago Marques (Petrobras-Cimed-Prevyne-Alpina).


 


Os dois pilotos da Petrobras-Action Power se destacaram nos treinos do ano passado, largando entre os seis primeiros. Para este ano, a expectativa é manter a performance.


 


“Outro ponto interessante em Santa Cruz do Sul é que as equipes ainda estão aprendendo a acertar o carro para esta pista, onde só se correu uma vez até hoje. Ainda há muito espaço para melhora, e isso deverá criar um treino ainda mais surpreendente e uma prova emocionante no domingo”, comenta Burti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *