Stock: Thiago Camilo vence e conquista o vice na Stock Car

Pole faz barba, cabelo e bigode em Interlagos; Starostik e Negrão brilham na última etapa.

Terminou de forma perfeita o final de semana que começou literalmente desastroso para Thiago Camilo. Depois do acidente sério na sexta-feira que quase o deixou de fora da corrida em função dos danos no carro, o piloto da Vogel/Ipiranga conquistou uma vitória completa neste domingo em Interlagos. Além da surpreendente pole da véspera, Camilo liderou praticamente de ponta a ponta, estabeleceu a vola mais rápida da 12ª e última etapa do calendário e garantiu o vice-campeonato da Stock Car. O pódio foi completado por Ricardo Maurício e Max Wilson, ambos da equipe RC.

Com um leve ferimento na mão direita, seqüela da batida no Esse do Senna nos treinos livres, Camilo se deu ao luxo de filosofar ao final da corrida. “Na vida, quando você sofre problemas e consegue superá-los, a volta é gratificante”, ensinou. “Nunca deixei de acreditar que pudesse voltar à pista aqui em São Paulo e fazer um bom trabalho. Tenho de agradecer ao esforço dos mecânicos e de todo o pessoal comandado pelo Mauro Vogel (diretor-técnico). Mas, se a prova fosse realizada em qualquer outra pista, não daria para correr. A sorte é que a fábrica da JL, para onde o carro foi levado para reparos, não fica tão distante do autódromo”, lembrou. Sobre o vice, demonstrou uma alegria contida. “Estou contente com o resultado, especialmente depois de penar com as quebras que quase me deixaram fora dos playoffs.”

Camilo dominou a prova com autoridade e o segundo lugar de Ricardo Maurício foi obtido graças à excelente largada – era o quarto no grid. Desde as voltas iniciais, no entanto, chamava a atenção o excelente desempenho dos pilotos da Medley, William Starostik e Xandinho Negrão. Em seu melhor resultado em três anos na categoria, Starostik saiu do 10º na largada para o 4º na bandeira quadriculada. Xandinho foi outro destaque, já que largou apenas em 17º e chegou em 6º.

Os dois foram festejados pela equipe. A soma dos resultados representou o ponto mais elevado da organização comandada pelo diretor-técnico Andreas Mattheis na temporada. Starostik foi jogado ao ar pelos mecânicos e só lamentou a perda do pódio “por um pouquinho”. Com uma corrida agressiva, o paranaense – que parou apenas para reabastecer no pit stop obrigatório – disse que não pôde evitar a ultrapassagem de Max Wilson porque seus pneus estavam bastante desgastados na parte final. “Eles estavam nojentos. Nas últimas voltas, o carro começou a falhar em curvas de baixa e pensei até que a gasolina não duraria até à bandeirada”, explicou Starostik, 23º colocado na classificação final com 30 pontos.

Em seu ano de estréia, Xandinho fechou a classificação em 12º lugar. O balanço da temporada revelou um piloto em evolução contínua. “Perdi a chance de entrar nos playoffs apenas na última corrida da fase seletiva. Tive alguns problemas com quebras, quase sempre quando eu estava bem dentro da zona de pontos. Mas acho que aprendi muito e espero que essa experiência se transforme em resultados ainda melhores em 2010”, analisou.

Com a estratégia determinada pela equipe, Xandinho foi um dos últimos a parar nos boxes e chegou a liderar a corrida quando Camilo entrou para o reabastecimento. “Sem ninguém à frente, pude andar rápido e ganhar posições. Aliás, a velocidade final do carro estava excelente. Faltou sair um pouco mais à frente do grid. De qualquer forma, considerando que saí em 17º, foi minha melhor prova no ano”, admitiu Xandinho, cuja posição de chegada mais expressiva em 2009 foi o 5º lugar em Salvador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *