Truck: Beto Monteiro quer grande resultado em Campo Grande

Campeão de 2004 pontuou pela primeira vez nesta temporada em Guaporé.

Grandes corridas, poucos resultados. Foi assim o começo desta temporada para Beto Monteiro, campeão brasileiro de Fórmula Truck em 2004. No entanto, bastou pontuar e subir no pódio pela primeira vez na última corrida realizada em 2006, em Guaporé (RS), para que o pernambucano se animasse para a quinta etapa deste ano, que será realizada domingo (16/7), a partir das 14 horas (Horário de Brasília), em Campo Grande (MS). “A fase ruim passou. Fiz corridas boas no começo da temporada, mas não tive grandes resultados. Agora quero outros bons resultados”, espera o piloto da DF Motorsport/Ford Racing Trucks, que largou da 20ª posição e terminou em terceiro no circuito da serra gaúcha.

Na prova de abertura da temporada, em Caruaru (PE), Beto Monteiro foi o quarto mais rápido na tomada de tempos, mas foi desclassificado por excesso de fumaça em seu caminhão. Depois de largar da 11ª posição, abandonou a corrida quando ocupava o quarto posto. Em Fortaleza (CE) ele largou em segundo, e novamente saiu da competição quando brigava pela vitória. Em São Paulo (SP), novamente conquistou a segunda posição no grid, mas acabou largando em último, dos boxes, por problemas na volta de alinhamento. Quando já estava em sexto, novamente foi alijado da prova. Na etapa de Guaporé, depois de ser o sexto mais rápido, foi novamente desclassificado. Fez uma memorável corrida de recuperação, partindo da 20ª posição para receber a bandeirada em terceiro. “Só consegui pontuar em Guaporé. Agora, quero galgar posições para chegar na reta final do campeonato entre os quatro primeiros”, almeja o pernambucano, que ocupa a nona posição, com 13 pontos.

Estreando nova suspensão e motor biturbo em seu Ford Cargo, Beto Monteiro acredita que poderá ter um desempenho ainda melhor nas corridas, mesmo não usando motor com alimentação eletrônica, já utilizada por todas as outras marcas. “Temos tirado muito do motor com alimentação por bomba injetora e, agora com o biturbo, queremos ver se acompanhamos um pouco mais de perto os concorrentes de outras marcas”, lembra. A pista de Campo Grande é travada e não tem muita aderência, em virtude da poeira que se acumula em cima do asfalto liso. Isto pode ser um aliado para as equipes que não tem um motor tão potente. “A vantagem de uma suspensão muito boa pode igualar os caminhões grandes e os mais leves, como o nosso, por causa da falta de grip no asfalto”, explica o ex-campeão. “Essa suspensão nova que vou estrear deve melhorar o contorno e a tração nas saídas de curvas, acho que vamos melhorar bastante”, finaliza o representante da DF Motorsport/Ford Racing Trucks.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *