Truck: Mudanças climáticas desafiaram equipes na etapa da Fórmula Truck em Interlagos (SP)

Os mais de sessenta mil expectadores presentes na terceira etapa da Fórmula Truck em Interlagos no domingo, 20 de maio, viram pela primeira vez no ano o grid completo com os 25 pilotos inscritos para o campeonato de 2007. Mas para que isso fosse possível as equipes tiveram trabalho intenso na véspera da prova, principalmente com as mudanças do clima que obrigavam a refazer a preparação dos caminhões a todo momento para deixá-los em condições de disputar as primeiras posições.

Os treinos livres de sábado mostraram claramente a diferença de acelerar em pista seca e em pista molhada, no primeiro treino da manhã o piloto mais rápido conseguiu a volta em 2m06s, logo a seguir no segundo treino, com chuva e pista encharcada o tempo cresceu para 2min33s.

Para algumas equipes a necessidade de mudança na preparação do caminhão foi ponto crucial para ver desmoronar a expectativa de resultado. O time da Londrina Truck Racing lamentou, e muito, a obrigação de mexer no caminhão que veio ‘afinado’, após a vitória na segunda etapa de Tarumã (RS), para encontrar a pista de Interlagos nas mesmas condições e repetir um bom resultado. Os três primeiros treinos do final de semana até demonstraram isso, na pista seca o piloto Leandro Totti, que comanda o truck Ford número 73, foi um dos mais rápidos sendo superado somente por Wellington Cirino da Mercedes-Benz.

“Para cada etapa é necessário sempre um estudo prévio do comportamento do caminhão nesta pista, a preparação é feita em cima destes dados”, informa o chefe da equipe Londrina Truck, Ernesto Gardenal. “Para Tarumã preparamos uma receita que nos dava a certeza de que em condições normais da pista iríamos obter um bom resultado, e isso aconteceu, além disso com os treinos e a prova na pista do Sul conseguimos melhorar o caminhão ainda mais, o que verificamos nos treinos em Londrina”.

“Para a prova em Interlagos”, continua Gardenal, “não mexemos muito no caminhão, somente fomos buscar na vitória que tivemos em 2005 neste circuito algumas referências que seriam importantes principalmente porque além de velocidade e potência a disputa exige a resistência do equipamento para chegar ao final. Os primeiros treinos mostraram que estávamos certos no nosso trabalho de preparação, porém quando começou a chover e a necessidade de buscar um acerto para este tipo de situação acabou derrubando o que tínhamos planejado”.

“O pior foi a dúvida no sábado, véspera do treino para formação do grid, naquele momento caía uma chuva constante, mas e como seria a situação na prova principal? A contragosto fomos mexer no caminhão para adaptá-lo a nova realidade e tentar ao mínimo uma boa posição no grid. Em condições normais, Interlagos é muito difícil recuperar-se quando larga lá no final. Não conseguimos, a nossa volta garantiu somente a posição 18. A partir disso, no domingo, já com a forte possibilidade da prova acontecer com pista seca, voltamos a preparação original, tínhamos a expectativa de recuperar posições e aproximarmos dos cinco primeiros, com isso marcar pontos importantes para o campeonato. No entanto, a quebra da direção na sétima volta nos tirou até essa possibilidade”, lamenta Ernesto Gardenal.

O piloto Leandro Totti abandonou a prova de Interlagos na sétima volta, naquele momento ele já tinha conquistado cinco posições. “Acredito que poderíamos ter chegado até ao pódio, mas o problema na direção me assustou, já tinha queimado o radar tentando manter a posição e o caminhão na pista, logo a seguir cheguei a sair no final da reta, tamanha a dificuldade Para não envolver em algum acidente decidi abandonar, nos boxes não encontramos onde exatamente ocorreu o problema, precisamos durante a semana desmontar todo o sistema de direção e ver o que aconteceu”, informou o piloto.

“Apesar de lamentarmos as dificuldades em Interlagos, a nossa situação na classificação do campeonato ainda continua dentro das expectativas, estamos na briga. Na seqüência acontecerão duas provas onde nosso caminhão tem condições de buscar bons resultados. No ano passado em Fortaleza chegamos ao pódio e em Caruaru conquistamos a vitória, acredito que podemos repetir o feito”, conclui Leandro Totti.

A quarta etapa do campeonato da Fórmula Truck acontece no próximo dia 1º de julho em Fortaleza (CE).

Classificação do campeonato após três etapas é a seguinte:

1º) Roberval Andrade (SP), com 54 pontos;
2º) Felipe Giaffone (SP), 39 pontos;
3º) Beto Monteiro (PE), 33 pontos;
4º) Geraldo Piquet (DF), 31 pontos;
5º) Wellington Cirino (PR), 29 pontos;
6º) Leandro Totti (PR), 28 pontos;
7º) Renato Martins (SP), 27 pontos;
8º) Vignaldo Fizio (SP), 19 pontos;
9º) Jonatas Borlenghi (SP), 14 pontos;
10º) José Maria Reis (GO), 10 pontos;
11º) Fred Marinelli (SP), 8 pontos;
12º) José Cangueiro (SP), 4 pontos;
João Maistro (PR), 4 pontos;
14º) Débora Rodrigues (SP), 3 pontos;
Vinicius Ramires (SP), 3 pontos;
16º) Djalma Fogaça (SP), 2 pontos;
Valmir Hisgué Benevides (SP), 2 pontos;
17º) Beto Napolitano (SP), 1 ponto;
Fabiano Brito (PR), com 1 ponto.

Campeonato de Marcas:

1º) Volkswagen, com 85 pontos;
2º) Mercedes-Benz, 81 pontos;
3º) Scania, 64 pontos;
4º) Ford, 63 pontos;
5º) Iveco, 8 pontos;
6º) Volvo, com 5 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *