Truck: Pilotos da RM Competições buscam novo pódio em Cascavel

Depois de colocar quatro pilotos no pódio na etapa passada, a equipe RM Competições aguarda com expectativa a corrida deste final de semana, em Cascavel. A pista paranaense é considerada uma das mais desafiadoras da temporada, conforme aponta a única mulher da categoria, a piloto Débora Rodrigues (Volkswagen).



“Costumavam dizer que a Curva do Bacião, em Cascavel, separa os homens dos meninos. Mas depois de algumas corridas minhas neste circuito, mudaram a brincadeira e dizem que ela separa os homens das mulheres, porque deixei muito marmanjo para trás neste ponto da pista”, diverte-se Débora.


 


De fato, a referida curva é uma das mais rápidas da temporada, desafiando os pilotos a ganhar preciosos décimos de segundo neste trecho. “A aproximação é feita em alta velocidade e a redução é de apenas uma marcha. Alivia-se um pouco o pé do acelerador e, depois de iniciar o contorno, já é pé embaixo de novo, numa curva de raio longo e em descida. É realmente um ponto emocionante que exige coragem dos pilotos”, aponta Débora.


 


Com 32 pontos, a piloto da RM Competições vem em sétimo no campeonato e faz sua melhor temporada na Truck –subiu ao pódio na etapa passada, em Campo Grande, e em Fortaleza, onde foi a terceira colocada.


 


Quem também se destaca é o paulista Adalberto Jardim, que estreou no time em Interlagos, obtendo de cara a pole position, e que já subiu no pódio no Mato Grosso do Sul, na terceira colocação, mesmo com o braço enfaixado após um acidente durante uma sessão de testes.


 


“Estamos otimistas para a corrida de domingo, porque o caminhão tem evoluído muito bem. Da minha parte, posso dizer que estou bem melhor fisicamente. Consegui correr em Campo Grande onde ainda estava me recuperando, agora não terei problemas na etapa de Cascavel”, acredita Jardim, que fará sua primeira prova da Truck neste circuito.


 


Para Beto Napolitano, o discurso de otimismo é semelhante. O paulista afirma que tradicionalmente o circuito de Cascavel é favorável aos caminhões maiores, com motores 12 litros, mas que nem por isso os menores, caso da Volkswagen, de 9 litros, podem ser descartados da briga.


 


“Nossa equipe é competitiva independentemente da pista, provamos isso nas últimas três provas, com a pole do Jardim em Interlagos, a vitória do Renato em Guaporé e com a presença de 4 pilotos do nosso time no pódio da etapa passada”, comenta Napolitano. “Vamos brigar pela vitória e estamos confiantes nos acertos que desenvolvemos nas duas sessões de testes privados feitas no mês passado”, completa.


 


A fase decisiva do campeonato, que será disputada em quatro pistas rápidas (Cascavel, Curitiba, Tarumã e Brasília), é ressaltada pelo gaúcho Herberto Heinen como outra forma de motivação para a equipe RM Competições.


 


“Costumo andar bem neste tipo de circuito e por isso estou confiante em um bom resultado. Já me sinto bem adaptado ao novo caminhão e vamos lutar para seguir crescendo na tabela”, diz o piloto, que ocupa a 10ª colocação na tabela, com 15 pontos e que desde a etapa de Campo Grande passa a competir com o modelo Constellation.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *