WEC: Forte acidente encerra prova em Safety-Car. Porsche vence em Interlagos

O forte acidente envolvendo o australiano Mark Webber no Porsche #20 e o italiano Matteo Cressoni na Ferrari #90, provocou o encerramento das Seis Horas de São Paulo em Safety-Car.

Webber e Cressoni bateram na entrada da curva do Café, com menos de meia hora para o encerramento. O #14 ficou totalmente destruido, com o #90 também sofrendo forte dano.

Com a prova se encerrando com o Safety-Car na pista, a vitória ficou com o Porsche #14, do trio Neel Jani/Romain Dumas/Marc Lieb.

A dupla campeã da temporada, Anthony Davidson/Sebastien Buemi no Toyota #8, terminou em segundo. o Audi #1, do trio Tom Kristensen/Loic Duval/Lucas di Grassi, completou o pódio.

Veja os melhores momentos da prova:

http://www.dailymotion.com/video/x2bfsjz_fiawec-6-hours-of-sao-paulo-race-highlight_auto

Prova:

Com mais de 55 mil pessoas no autódromo, o show começou antes da largada. Aviões da esquadrilha da fumaça sobrevoaram o autódromo, e a bandeira do Brasil chegou através de um paraquedista, que pousou na reta principal. Emerson Fittipaldi e autoridades, estenderam a bandeirada nacional. A execução do Hino Nacional Brasileiro emocionou a todos.

Nos treinos livres, e no classificatório, os dois Porsche 919 Hybrid #14 e #20, dominaram as ações em Interlagos.

O Porsche #20 alinhou na pole, com o alemão Timo Bernhard, seguido pelo #14. Nas duas primeiras horas de prova, os carros alemães se revezaram na liderança.

Com metade das seis horas disputadas, a Toyota, com britânico Anthony Davidson na condução do TS040 Hydrid #8, assumiu a liderança. Mesmo após uma rodada do suíço Sebastien Buemi, depois de um toque com o Porsche #75, na segunda hora de prova. Na metade da quarta hora, o Porsche #14 reassumiu a liderança, seguido pelo Toyota #8

Na parada final nos boxes, a equipe japonesa trocou todos os pneus do #8, com Davidson retornando a prova 17 segundos atrás do suíço Neel Jani, no Porsche #14. O campeão da temporada começou, volta a volta, a diminuir vantagem de Jani. Até praticamente colar na traseira do #14, após o último pit stop do suíço.

Faltando meia hora para o final, Webber e Cressoni se tocaram na saída da curva do Café, provocando a entrada do Safety-Car. Com a forte batida, o #20 pegou fogo e ficou praticamente destruído. Webber foi levado, consciente e alerta, para o Centro Médico, para exames.  A Ferrari #90 também sofreu fortes danos e Cressoni foi avaliado pela equipe médica ao lado da pista, e também levado para o Centro Médico. A prova foi encerrada com o Safety-Car.

Webber e Cressoni foram levados para o Hospital Bandeirantes, para exames mais detalhados. Segundo boletim, os dois estão em condições satisfatórias.

A Porsche conquistou a sua primeira vitória, com um protótipo, em um prova de endurance desde 1989. 

Romain Dumas destacou a importância da primeira vitória da Porsche no Campeonato Mundial de Endurance. “Esse resultado foi muito bom para nós. Progredimos pois tivemos muitos pódios e hoje, finalmente, veio a vitória que faltava. Nós aproveitamos a corrida, pois nossos adversários estavam muito fortes. Tivemos uma grande batalha com a Toyota”, comentou o francês.

Jani lembrou da intervenção do Safety Car no final da corrida, fato que impossibilitou uma possível disputa no fim da prova. “Tivemos uma grande disputa com a Toyota no início, depois trocamos posições algumas vezes durante a corrida. A entrada do Safety Car impediu uma possível disputa no fim, o que para nós foi ótimo. Primeira vitória é muito especial, foi bom”, disse.

Lieb lembrou do trabalho que a equipe teve para retomar a liderança da corrida. “Tivemos uma grande vitória hoje, perdemos a posição no início e batalhamos para recuperar, estou muito feliz”, concluiu.

Davidson/Buemi terminaram em segundo. Na coletiva, o suíço se declarou frustrado pelo não recomeço da prova, pois tinham chances reais de vitória. A Toyota foi campeã de pilotos e construtores.

Em sua última prova na carreira, o dinamarquês Tm Kristensen recebeu a bandeirada em terceiro. O piloto, nove vezes vencedor das 24 Horas de Le Mans, dividiu a condução do Audi R18 e-tron quatro, com o brasileiro Lucas di Grassi e o francês Loic Duval.

Na coletiva de imprensa, a organização da prova prestou uma homenagem a Kristensen. Enquanto parte dos jornalistas aplaudia o dinamarquês, outra levantavam folhas de papel, com sua vitórias e títulos impressas.

“Quero dar os parabéns para a Toyota pelo título e à Porsche pela vitória. Estamos muito felizes por estar no pódio em uma corrida difícil”, declarou Kristensen.

“Ainda não caiu a ficha para mim que esta foi minha última prova, mas sem dúvida foi uma das etapas mais felizes e emocionantes para mim com todo o suporte e carinho que recebi. Preciso agradecer muita gente por tudo que consegui, levo todas as minhas memórias felizes comigo e conseguir terminar no pódio foi a realização de um sonho”, encerrou Tom.

O Toyota #7 terminou em quarto, com o trio Stephane Sarrazin/Alex Wurz/Mike Conway. O veterano austríaco teve que cumprir um drive-through, por forçar uma ultrapassagem sobre o neozelandês Brendon Hartley, na curva 4, no final da terceira hora de prova.

O Audi #2, com o trio Marcel Fässler/André Lotterer/Benoit Tréluyer, terminou em quinto. Após escapar da pista, na metade da prova, Lotterer marcou a melhor volta da prova: 1m18s367.

O trio Richard Bradley/Matt Howson/Alexander Imperatori, no Oreca 03R Nissan, venceu na classe LMP2. O título na classe ficou com o russo Sergey Zlobin,  no Oreca 03R Nissan #27 da SMP Racing, também campeã entre as equipes.

“Esta primeira posição no campeonato é sensacional, pois meu caminho não foi nada fácil. Digamos que eu tive que contar com a sorte”, comentou o campeão.

Pela Classe LMP1-L, vitória do trio Andrea Belicchi/Dominik Kraihamer/Fabio Leimer, no Rebelion R-One Toyota #13.

Pelas classes LMGTE Pro e Am, vitórias da Aston Martin. Pela Pro, a dupla Darren Turner/ Stefan Mücke, no Aston Martin Vantage V8 #97.

“Se não fosse isso eu acho que não conseguiríamos vencer, A corrida foi disputada, nós lutamos muito e essa vitória me deixa muito satisfeito”, exaltou o piloto. Stefan concorda e acrescenta: “tivemos sorte, mas é muito bom terminar a última etapa com uma vitória”, comentou Turner.

O brasileiro Fernando Rees, no Aston Martin Vantage V8 #99, em trio com Alex MacDowall/Darryl O’Young, terminou em quinto.

Rees liderou a prova, e vinha na disputa por ao menos um lugar no pódio, quando em uma disputa de posição, foi jogado para fora da pista.

O trio Paul Dalla Lana/Pedro Lamy/Christoffer Nygaard, no Aston Martin Vantage V8 #98, venceu na Am.

“Nós tínhamos um bom carro, um bom acerto e meus companheiros foram muito rápidos, o que facilitou meu trabalho”, disse Lamy. Paul Dalla Lana, por sua vez, comentou que a corrida foi tranquila para a equipe.

“Foi uma disputa longa, porém muito positiva para nosso time, fizemos um bom trabalho”. Christoffer Nygaard, que completou o trio do modelo inglês, concordou com seus parceiros: “nós tínhamos uma boa vantagem para o segundo colocado e o final com o Safety Car garantiu nossa vitória. Foi muito bom”, finalizou.

O brasileiro Emerson Fittipaldi, e sua primeira prova internacional desde 1996, terminou em último lugar na classe Am.

Em trio com Alessandro Pier Guidi/Jeffrey Segal, logo no começo da prova, a Ferrari 458 italia #61, chegou a ocupar a terceira posição na classe. Mas  teve problemas de câmbio, que teve que ser trocado. 

Final:

1 – Neel Jani, Romain Dumas, Marc Lieb (Porsche Team/LMP1) – 249 voltas
2 – Anthony Davidson, Sébastien Buemi (Toyota Racing/LMP1) – à 0s170
3 – Tom Kristensen, Loic Duval, Lucas Di Grassi (Audi Sport Team Joest/LMP1) – à 1 volta
4 – Stéphane Sarrazin, Alexander Wurz, Mike Conway (Toyota Racing/LMP1) – à 1 volta
5 – Benoit Tréluyer, André Lotterer, Marcel Fässler (Audi Sport Team Joest/LMP1) – à 1 volta
6 – Matthew Howson, Richard Bradley, Alexandre Imperatori (KCMG/LMP2) – à 24 voltas
7 – Darren Turner, Stefan Mücke (Aston Martin Racing/LMGTE-Pro) – à 28 voltas
8 – Frédéric Makowiecki, Patrick Pilet (Porsche Team Manthey/LMGTE-Pro) – à 28 voltas
9 – Davide Rigon, James Calado (AF Corse-Ferrari/LMGTE-Pro) – à 28 voltas
10 – Gianmaria Bruni, Toni Vilander (AF Corse-Ferrari/LMGTE-Pro) – à 29 voltas
11 – Alex MacDowall, Darryl O’Young, Fernando Rees (Aston Martin Racing/LMGTE-Pro) – à 29 voltas
12 – Jörg Bergmeister, Richard Lietz (Porsche Team Manthey/LMGTE-Pro) – à 29 voltas
13 – Paul Dalla Lana, Pedro Lamy, Christoffer Nygaard (Aston Martin Racing/LMGTE-Am) – à 30 voltas
14 – Kristian Poulsen, David, Heinemeier-Hansson, Nicki Thiim (Aston Martin Racing/LMGTE-Am) – à 30 voltas
15 – Stephen Wyatt, Michele Rugolo, Andrea Bertolini (AF Corse-Ferrari/LMGTE-Am) – à 30 voltas
16 – Christian Ried, Klaus Bachler, Khaled Al Qubaisi (Proton Competition-Porsche/LMGTE-Am) – à 32 voltas
17 – François Perrodo, Emmanuel Collard, Matthieu Vaxivière (Prospeed Competition-Porsche/LMGTE-Am) – à 32 voltas
18 – Dominik Kraihamer, Andrea Belicchi, Fabio Leimer (Rebellion Racing/LMP1) – à 35 voltas
19 – Nicolas Prost, Nick Heidfeld, Mathias Beche (Rebellion Racing/LMP1) – à 38 voltas
20 – Sergey Zlobin, Nicolas Minassian, Maurizio Mediani (SMP Racing/LMP2) – à 42 voltas
21 – Emerson Fittipaldi, Alessandro Pier Guidi, Jeffrey Segal (AF Corse-Ferrari/LMGTE-Am) – à 63 voltas

Não completaram
Timo Bernhard, Mark Webber e Brendon Hartley (Porsche Team/LMP1) – à 13 voltas
Gianluca Roda, Paolo Ruberti, Matteo Cressoni (8 Star Motorsports-Ferrari/LMGTE-Am) – à 44 voltas
Kirill Ladygin, Viktor Shaitar, Anton Ladygin (SMP Racing/LMP2) – à 113 voltas
Pierre Kaffer, Lucas Auer (Lotus/LMP1) – à 189 voltas
Roman Rusinov, Olivier Pla, Julien Canal (G-Drive Racing/LMP2) – à 208 voltas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *